Peru, Bolívia e Chile – Parte 4

21/05/2009 – Dia 6 – Machu Pichu

Acordamos bem cedo e estávamos pronto antes do horário combinado. Como não estávamos certos se tudo correria bem em relação ao nosso passeio, ficar esperando o pessoal naquele frio não foi nada agradável. O pior é que os caras atrasaram muito! Eu olhava para o relógio e já estava quase na hora do trem sair e nada dos caras… Eles chegaram muito depois do combinado e saíram que nem uns loucos para a estação do trem…
Quando chegamos o trem já estava partindo… As plataformas para o pessoal passar já haviam sido retiradas e alguns vagões já estavam até fechados… Corremos e conseguimos entrar. Foi por muito pouco essa!

Os caras da agência me deram um monte de papel e na correria eu entreguei tudo para o cara que estava lá para conferir as entradas. Só que ali também estava a volta e ele não me devolveu nada. Quando eu percebi que não estava com a volta, fui até o cara e disse que eu tinha entregado tudo para ele e que ele por favor verificasse que meu ticket de volta estava lá e me devolvesse.
Ele já teve a primeira reação que grande parte dos Peruanos e Bolivianos que cruzei tem: “Não, para mim não entregou nada”.
Ali eu vi que teria problemas. Eu insisti bastante com ele… Falei, falei, falei… Bom, já tinha desistido… Já estava pensando no que iria inventar para conseguir embarcar no trem de volta, mas não seria fácil, pois o trem estava completamente lotado e provavelmente voltaria assim também.

Depois de um bom tempo, o cara me volta com meus papeis e me entrega o ticket de volta. Nem acreditei que ele se deu o trabalho de procurar… Mas me salvei dessa!

O caminho até lá é bem agradável. Não estou acostumado a andar de trem e curti muito a viagem.

 

Em Aguas Calientes já fomos para a fila do ônibus que nos leva até a entrada de Machu Pichu.

Eu cheguei a ver que tem um pessoal que prefere subir a pé e tal… Eu não recomendo isso a ninguém… Se quer economizar os US$ 6,00 (acho que é isso que custa o trecho), faça isso na volta, que pelo menos é decida e você já gastou a energia lá dentro! Na ida eu considero uma economia bem porca.

Machu Pichu estava lotada!!! Era o primeiro dia de visitação desde a greve. Nos outros dois dias anteriores só chegaram lá os caras da trilha inca. Não tinha para onde ir que não tinha um monte de gente. Quase nenhuma foto sem um desconhecido junto!!!!!

Tava tranquilo, viu?!?!

Uma pena em Machu Pichu, que das ruínas que vemos, não sobrou muita coisa das construções originais dos incas, que mostram como aquele povo era avançado, mas sim um monte de pedras irregulares recolocadas por um monte de peruano sem noção que os caras arrumaram lá para remontar o lugar e continuar tendo como atrair os turistas… Mesmo assim, é espetacular o lugar. Avistar a cidade ali de cima é extraordinário… Impossível não ficar criando historinhas na cabeça de como era a vida deles ali. Lugar lindo!

 

 

Quando eu fui para o México, escutei uma história muito pior sobre o que fizeram nas pirâmides de Teotihuacán. Essa história carece de confirmação, mas o guia falou que quando os caras descobriram as pirâmides há uns 100 anos atrás, eles para acelerar a retirada das coisas (terra, grama e até arvores crescidas) que estavam por cima das pirâmides, usaram dinamite para acelerar o processo… Aí, já sabe o que aconteceu… Pedrinha e cimento para remontar o negócio!!! Lá se vê menos das pedras originais – grandes, lisas e perfeitamente encaixadas – do que se vê em Machu Pichu, mas da mesma forma é um lugar lindo!

 

Bom, no fim, gostei muito de lá e nem me importei mais em ter gastado tanto para conhecer o lugar. Valeu cada centavo.

 

22/05/2009 – Dia 7 – Cuzco / Arequipa

Nosso vôo para Arequipa saia por volta da hora do almoço. Tínhamos conseguido fechar no dia anterior um passeio para um dos lugares do vale sagrado… Pisac! Achei ótimo isso, pois assim conheceríamos um pouco do que a greve nos privou. E também o cara iria nos deixar no aeroporto depois. Ótimo negócio! Tentei isso em umas 3 agências e a diferença de preço que achei foi brutal… Não lembro o nome da agencia que fechei, mas não era ali na praça principal, era em uma rua lateral. Foi a metade do preço das outras.

Saímos muito cedo para dar tempo de conhecer o lugar e chegar na hora ao aeroporto. Andamos por tudo lá. Muito bom!

 

Quando saímos de lá ainda tínhamos algum tempo, então o motorista nos levou a dois lugares que foram sensacionais, e para quem gosta, não pode deixar de ir. Foi muita sorte termos ido para lá, pois curtimos muito Pisac e esses dois passeios extras!

 

Primeiro um lugar onde mora um pessoal que faz aqueles “crochês” deles (Mil desculpas, mas não sei o nome da técnica deles).

Lá eles têm um pasto para Lhamas e Alpacas que podemos ir lá alimentar os bichos. Dos próprios bichos eles retiram a lã que usam. Aí eles nos mostraram as formas de fazer as roupas, tudo artesanalmente e em pequenas máquinas que ajudam a separar os fios.

 

 

Depois nos mostram de onde eles obtêm as cores que tingem as roupas… Foram nos dando alguns materiais e íamos colocando em um pedaço de papel. Tinha uma das cores que era uma espécie de pulgão espremido que dava a cor (o vermelho, imagino!).

Muito legal! Não tinha nenhuma cobrança obrigatória, eles não tentaram em nenhum momento empurrar algum produto deles para nós e eu só dei uma contribuição para eles no último minuto que estava lá, e a mulher que estava nos atendendo fez tudo com a maior boa vontade, mesmo sem saber se iria ou não receber algo (Apesar de que todos davam uma ajudinha para eles lá… Claro que ela devia imaginar que sim).

Fiquei encantado com isso… Nada comum nessa viagem esse tipo de atitude. Se soubesse antes de lá teria feito todas as compras de lembrancinhas lá, apesar de não saber bem tudo que tinham lá para vender. Na verdade eu acho que eles trabalhavam mais com encomendas para as lojas da cidade… Não sei mesmo o que se comprava lá ou não. Nota 10 para o lugar e o pessoal!

 

Depois fomos a um pequeno zoológico particular de um cara muito gente fina. Também não tinha pagamento obrigatório. Só contribui com o que você quer.

O próprio dono fez o passeio com a gente lá. Outras pessoas estavam fazendo com o pessoal dele que trabalha lá. Quando ele viu que éramos brasileiros e que entendíamos um pouco dos bichos e que curtíamos muito, ele mesmo veio fazer o tour com a gente. Ele disse que curtia brasileiros (Não quis nem perguntar por que!!!!!!).

 

É um lugar onde ele reabilita animais que tiveram problemas ou sofreram maus tratos. Ele sustenta o lugar sem nenhuma ajuda do governo. Se pode entrar em todas as jaulas. Só na do Puma que não pode… Mas tudo bem, eu nem queria!
Ele conta a história de cada animal de lá… Porque está lá; quem levou; se tem chances de voltar para a natureza… Essas coisas.

 

 

 

 

Os dois Pumas, por exemplo, eram de um circo que não conseguiam mais usá-los, pois eles ficaram muito agressivos.

 

Lá tivemos nosso primeiro contato com os Condores. Depois os veríamos na natureza no Canyon Del Colca. Esse casal de Condores foi levado para lá porque foram envenenados por moradores ignorantes que acham que eles podem atacar o rebanho deles. Esses condores não serão reintroduzidos, assim como os Pumas, mas ele contou que depois de uns 3 anos que eles estavam lá eles tiveram um filhote e esse filhote foi levado para a natureza.

 

Sensacional esse bônus que tivemos nas últimas horas de Cuzco! Eu curto muito essas coisas. Foi realmente um dia especial da viagem! No roteiro original, era só um dia para acordar tarde e ir direto para o aeroporto… Como são as coisas…

Arequipa:

Em Arequipa, por recomendação do meu amigo Léo, ficamos na Posada de San Juan. A pousada é bem localizada e bem arrumadinha também. Só que o pessoal que trabalha lá é um bando de idiota… A mulher da posada veio dentro do meu quarto discutir porque ela achou que eu estava devendo 60 centavos para ela! É sério, foi lá no quarto, entrou e meteu a boca em mim. Isso porque eu paguei em dólares e ela depois fez o cambio, pois queria os Soles naquela hora. Só que a infeliz fez a conta toda errada e chegou a conclusão que eu estava devendo 60 centavos para ela. Não acreditei…
Para não dar continuidade naquela palhaçada eu abri minha carteira, contei minhas moedinhas e paguei a mulher. Ensinar matemática para ela seria muito mais trabalhoso…
Óbvio que não recomendo o lugar.

Contratamos o passeio para o Canyon Del Colca e fomos passear um pouco pela cidade. Muito bonita, pelo menos por onde andamos!

Anúncios

Peru, Bolívia e Chile – Parte 5

23/05/2009 – Dia 8 – Arequipa / Chivay

Fechamos o passeio para o Canyon Del Colca com uma agência arrumadinha lá na praça principal (Plaza de Armas). Escolhemos uma das opções mais caras, também por recomendação do Léo, pois não estava a fim de embarcar nessa com aqueles carros todos estourados que vimos por lá.
A diferença no passeio é o hotel que fica, o que está incluído e o carro que vai. Acabamos então ficando em um hotelzinho melhor no passeio, o que não é grande coisa no fim… Tinha água quente o dia inteiro pelo menos… Mas também tinha um letreiro luminoso que parecia que estava dentro do quarto! Fueda…

A van realmente era boa comparada com as que vimos por lá, mas não era uma Sprinter, conforme os caras da agência tinham falado. Não reclamei, pois entrei na van e vi que era aparentemente confortável.
O principal problema era o motorista… Ele socava o pé no acelerador… Todo mundo com muito medo na van. As curvas na parte de contramão da pista sem absolutamente nenhuma visão do que vinha do outro lado… Até que uma hora uma mulher não agüentou e reclamou… O cara ficou puto… Diminuiu um pouco e depois voltou a correr… Aí vira e mexe o pessoal reclamava. Ele diminuía um pouco e voltava a correr.
O outro problema era que quando ele estava devagar, ele começava a querer dormir ao volante… Que foda… Quem conhece lá sabe como é a estrada… Passou reto numa curva ali e já era… Encontra o Criador!

O nosso hotel era o mesmo que o pessoal da agência levava o pessoal para almoçar. Tinha um corredor onde uma galera do restaurante e do hotel passava… Ali também ficavam os banheiros… O masculino não tinha porta… Dá uma olhada onde ficava o mictório do banheiro…

Claro que todos tinham que usar os vasos…

Nesse dia fomos para as piscinas aquecidas que fazem parte do passeio… Muito bom! Estava um frio insano do lado de fora e aquela água mega quente… Claro que escolhi uma piscina e de lá não saí até a hora de ir embora!

Depois a janta com danças típicas que também estava incluído no meu pacote. O pessoal que pegou umas opções mais baratas teve que pagar essa janta.
Claro que eu fui um dos caras que eles levaram para dançar lá na frente… Levo um jeito para dança que vocês não têm nem idéia…

 

24/05/2009 – Dia 9 – Canyon Del Colca / Arequipa / Puno

Fizemos o passeio conforme planejado. Conhecemos os povos no caminho do Canyon, tiramos fotos e conseguimos ver diversos Condores quando chegamos ao Canyon. Muito bonita a região e muito bom o passeio. Ah, e sem surpresas!

Pelo Caminho…

 

Lá no Canyon!

 

Condores

 

Oi, eu também sou um Condor!!!

 

Eu e meu rebanho…

A única parte ruim foi a volta… Lá íamos nós de novo naquela estrada com aquele inconseqüente imbecil… Antes de sair, nos reunimos e chamamos o cara… Falamos que não queríamos que ele corresse e tal…

Aparentemente ele tinha ficado até mais tarde na “agitada” noite de Chivay e certamente estaria com sono.

Bom, lá vamos nós pela estrada com ele… No comecinho ele até tentou dar uma aceleradinha, mas viu que estávamos começando a comentar e diminuiu… Então o cara me começa a dirigir com um fiozinho de olho aberto só… Maldito!

Quando surge uma ideia brilhante de uma menina que estava com a gente… “Coloca um CD meu para o cara dar uma acordada…” Ah, todos acharam ótima ideia! Pedimos para ele colocar e já nos aprontávamos para cantar ou chacoalhar o carro para o desgraçado não dormir…

Meu, quando começou a tocar o CD, eu olhei para a cara da Débora e começamos a rir tanto!!! Hahahahaha!!!!

Falamos: Agora fudeu!!!!

Já logo a primeira música me vem: Voyage, Voyage…..

(Sim, Voyage Voyage do Desireless – https://www.youtube.com/watch?v=T7YJoGXs2i8 )

Se o cara não tinha dormido até aquela hora, a mina tinha feito o que faltava para o cara apagar ali mesmo!!!!!! Hahahaha!

E quando me chega a segunda música do CD… Elton John!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Hahahahahahahaha!!!!

Então começa: It’s no Sacrifice…. no Sacri fa fa ice, It’ no Sacrifice at all  ( https://www.youtube.com/watch?v=NrLkTZrPZA4 )

Não conseguíamos parar de rir… A mina olhou para nossa cara com aquela cara de: fiz merda, né?!?!?! Tadinha, estava bem intencionada… Logo pedimos o CD de volta e decidimos conversar bem alto para ver se o cara não dormia! No fim, chegamos vivos…

Na agência onde tínhamos deixado nossas coisas, eu reclamei do motorista com a menina… Falei um monte…
A mina ligou para alguém logo depois que reclamei… Fiquei com medo de ser para o motorista e ele querer me pegar de porrada depois lá na agência! Mas acho que naquela altura ele já deveria estar dormindo…

Como estava tarde, fechei com ela já ali mesmo uma pousada em Puno e o passeio para as ilhas flutuantes na manhã seguinte. O preço que ela me fez era bem parecido com o que tinha previsto gastar pelo que tinha visto aqui no site. Então já fechei logo. A grande vantagem era que o cara da pousada iria nos buscar na madrugada na rodoviária para nos levar até a pousada. Como tinha lido que Puno era um lugar bem zoado, achei que valia a pena.

Aí um jantar na Plaza de Armas

Ah, o Cevice!!!

Cuy

Plaza de Armas

Vam’ bora!

 

25/05/2009 – Dia 10 – Puno / Copacabana

Na madruga o vovozinho estava lá nos esperando para ir até a pousada. Pagamos um quarto por um único motivo, um banho quente! Mesmo porque teríamos poucas horas para dormir até a saída para o passeio.

De madrugada não vimos nada, mas de manhã a realidade da cidade se mostrou… Está bem longe de ser uma cidade bonita.

Essa praça foi o único lugar que consegui tirar uma foto de Puno… O resto é realmente muito feio!

Quando saímos no barco, rezei para o casco do barco ser bem resistente, pois o lago ali perto da cidade é nojento! Verde, cor de bolor… Queria muito conhecer o Titicaca, mas ali ele não impressionava muito não.

Quando chegamos nas ilhas o lago já não estava tão sujo e as ilhas são bem interessantes mesmo! É uma experiência bem diferente estar lá. Por isso, e só por isso, recomendo esse passeio!

O pessoal de lá é bem zoado também… Já vi uma galera  achando legal que o pessoal convidava para dentro das casas e tal… Meu, bando de exploradores! Só queriam saber de quem queria gastar com eles…

Umas 2 mulheres me chamaram e quando disse que não iria comprar as coisas porque não tinha dinheiro, mudaram a cara, o tom de voz e falaram alguma coisa na língua deles que certamente não eram elogios a mim e a minha família… Dei risada!

E o pior de tudo é que não tinha dinheiro mesmo! Estava contadinho o dinheiro peruano para almoçar em um restaurante bem baratinho que encontramos na cidade e irmos para a rodoviária!

Logo que chega lá tem uma explicação sobre o povo de lá e tal… Que ridículo! Os caras me sacam uns bonequinhos e um monte de apetrechos, como se fosse um teatrinho infantil e ficam simulando o “bravo povo navegando pelo lago” e “o homem caçava e a mulher cozinhava”……. Não estava acreditando que estava ali sentado presenciando aquilo.

Quando então eles oferecem um passeio naqueles barcos feitos também de Totora que vai de uma ilha para a outra por $ 5,00. Todos embarcaram imediatamente… Eu já olhei para a cara da Débora e disse: “eu ou você vamos ficar sem almoço hoje…”
Bom, fomos nessa e depois íamos pensar no que fazer.

Desse outro lado eu fiquei andando por tudo lá… Deu para tirar umas fotos e ver algumas aves interessantes… Foi legal.

 

Na ilha flutuante depois da papagaiada toda com os fantoches, eles soltam uma ave linda que eu não descobri a espécie e ela vai lá e come os peixes originais do lago, que eles mostram no meio daquele teatrinho ridículo. Peixes que estão ameaçadíssimos de extinção…
Tem gente lá que falou que a situação dos peixes é feia!
Os peixes que foram introduzidos no lago estão acabando com a população dos peixes originais de lá.

Mano, os caras são muito sem noção… Nessas situações, cada indivíduo é importante… Esses peixes fazem parte da vida deles… Da história deles… Do “show” deles. Era só mostrar também os outros peixes que habitam lá agora e deixar o pássaro comer esses… Mas não… Aquele sábio povo não consegue pensar nem nisso… Afinal, é só um peixe…… Acabou, acabou…………..

Faz as contas… O pássaro comeu uns 3 ou 4 peixes na nossa apresentação. Multiplica isso pelo número de apresentações em um dia. Imagina quantos peixes são comidos só por essa ave em um ano…

Outra coisa legal desse passeio para nós foi que conhecemos a Gracila e acabamos fazendo alguns dias da viagem juntos pela Bolívia. Ótima companhia!

Putz, na volta do passeio, os caras do ônibus que devolvem o pessoal nas pousadas não sabia mais em que pousada tinha pegado quem. Aí eles iam perguntando um a um… E quem disse que eu ou a Dé tínhamos olhado o nome de lá?!?!?! Na esperança do cara não ser um peruano padrão (dos que eu cruzei, claro), respondi: Na mesma que me pegaram!?! Mas não funcionou! Sorte que eu vi um casal no ônibus que eu achava que estavam lá no hotel com a gente e perguntei para eles… Deu certo! Era Posada do Abuelo!

Acho que foi o próprio vovô que nos levou para a rodoviária, já com a Gracila junto com a gente. Lá tinha que pagar uma taxa de $ 2,00 para embarcar… Eu tinha só um!!!!!!!!!!!!!!!!!!.
O cara foi muito gente boa comigo. Ele já sacou $ 1,00 e me deu para pagar a taxa! Abuelo é abuelo!
A Gracila já havia inteirado o nosso almoço e o vovô pagou metade da minha taxa de embarque… Que pobreza!

Atrasamos bastante para sair esse dia, pois uns brasileiros que embarcaram nesse ônibus ficaram um tempão com a polícia de Puno porque tiveram uma mala roubada. Pelo que entendi, eles reclamaram com a companhia de ônibus e os caras não quiseram fazer nada e então foram até a polícia de turistas que existe lá.

Eles viajavam por uma companhia que quando falaram o nome me lembrei de já ter visto aqui no site como uma das mais caras depois da Cruz Del Sur, mas não me lembro o nome agora.

Os caras da polícia deram 24 horas para a mala aparecer ou eles iriam pagar, se não me engano, US$ 100,00 para eles. A demora foi porque eles estavam lá no balcão da companhia pegando os dólares! Claro que não aparece mala roubada! Mas pelo menos tiveram uma parte do prejuízo reembolsada.

Então, quem tiver problemas lá no Peru, pelo visto esses caras da Polícia de Turistas não estão lá a toa! Muito legal isso!

Copacabana

Chegamos no início da noite e o ônibus já pára na porta de um hotel que os caras têm algum acordo… E funciona… A grande maioria do pessoal do ônibus ficou nesse hotel, inclusive nós. Ele era legalzinho e tinha uma vista bem bonita do lago. Tivemos que trocar de quarto porque nosso chuveiro não esquentava, mas foi só isso… Sem maiores problemas.

 

Fomos então jantar… E aí começou a maior seqüência de problemas intestinais que nós sofremos em nossas vidas… Enquanto estive sobre solo boliviano a maior preocupação que podia ter era sempre ter papel higiênico por perto, não importava o que tivesse que fazer para tal!

Andamos pelas ruazinhas e achamos um lugar cheio de hippies e um Bob Marley rolando no estéreo… Resolvemos que ali que iríamos jantar! Esse era o clima de Bolívia que buscávamos!!!!! Hahaha!

O dono era um argentino que já morava lá há muito tempo… Bem louco o cara! Ele tinha tatuado no braço o contorno geográfico da Argentina e da Bolívia pintados nas cores das respectivas bandeiras!

Pedimos os pratos e quando chega a comida, o cara deixa o prato da Dé um pouco longe dela… Ela puxa o prato e vai desgrudando um teco de macarrão a bolonhesa de baixo do prato dela que sabe Deus há quanto tempo estava lá. Nenhum de nós pediu macarrão!
Bom, fingimos que aquilo era normal e poderia acontecer em qualquer lugar e mandamos ver na comida! Não sei a Gracila, pois não tínhamos intimidade ainda para falar dessas coisas, mas nós pagamos o preço por isso!