Cachoeira da Fumaça e Cachoeira do Riachinho – Palmeiras – Chapada Diamantina

Fala Viageiros!

Fui agora em Setembro para a Chapada Diamantina e vou contar aqui um pouco das histórias, deixar umas dicas e o principal, mostrar umas fotos daquele lugar espetacular que passei!

Vai ter bastante foto no meu Instagram: @profissaoviageiro

Não esqueçam de seguir lá! Obrigado!

E dessa vez no YouTube do Profissão Viageiro vai sair mesmo o vídeo da viagem! Quem puder dar uma força lá, agradeço! Começando a página do zero!

Essa viagem foi adiada 3 vezes por conta da pandemia e foi um terror conseguir remarcá-la. Mas finalmente conseguimos embarcar e deu tudo certo.

Foram 8 dias de viagem e o roteiro ficou assim:

SP – Salvador de avião e aluguel de carro em Salvador;

Daí foi de carro: Salvador – Palmeiras – Lençóis – Igatú – Ibicoara – Salvador.

E foi assim:

Dia 1

Nosso voo saia cedo de São Paulo e na hora do almoço já estávamos em Salvador.

Pegamos o carro na locadora do aeroporto mesmo e já caímos na estrada. Como não havíamos almoçado, paramos em um posto para comer alguma coisa só para aguentar até o final do dia.

Daí pegamos a BR e viajamos a tarde inteira em direção à Palmeiras.

Paramos só para um açaí mesmo, porque estava um calor forte por lá!

A estrada é ruim, mesmo no trecho entre Salvador e Feira de Santana, apesar de ser uma estrada pedagiada. Depois de Feira ainda piora um pouco. Muito caminhão e muitos dos caminhoneiros não se preocupam muito com leis de trânsito. Dá para entender o tanto de acidentes que vemos na estrada.

Chegamos já estava escuro e não tinha muito o que fazer. Por sorte nossa pousada servia uma pizza bem gostosa e ficamos por lá mesmo curtindo nossa primeira noite.

Dia 2

Sem muita pressa tomamos nosso café da manhã na pousada. Tivemos que arrumar as coisas e já fazer o check out, pois era a única noite que passaríamos em Palmeiras.

Seguimos então em direção à Cachoeira da Fumaça, que era nossa primeira atração do dia. Saindo de Palmeiras vamos na direção do Vale do Capão. Muita poeira na estrada de terra, mas ela estava ok.

No caminho vimos um cara já mais velho pedindo carona e paramos. Ele era americano e estava no Brasil já há algum tempo. Não falava muito português.

É engraçado ver esses gringos que se mudam para um lugar desses. Imagina a mudança de vida dele… Agora o cara anda com penas e colares!

Acabamos perdendo a entrada da Cachoeira da Fumaça e chegando no Vale do Capão, ou em “The Village”, como o gringo chamava! Estava rolando uma feirinha no centro do lugar. Várias barraquinhas.

Bom, deixamos o nosso amigo lá e voltamos para achar a entrada da cachoeira. Ainda nos perdemos um pouco porque o Google não sabe onde fica a entrada, então ele queria nos mandar para um outro lado que não tinha nada a ver. Ainda bem que perguntamos.

A entrada da Cachoeira da Fumaça fica em uma entradinha meio “disfarçada”. Parece mais a entrada para a casa de alguém do que a entrada para a principal atração da região.

Para entrar na trilha, não existe uma cobrança obrigatória, mas eles pedem uma doação voluntária para ajudar com a preservação do lugar e no combate a incêndios.

Não é obrigatório entrar com guia. Nós fomos sós e foi bem tranquilo.

Bom, aí vem a trilha…

O começo é uma subida sem fim que você já deixa 80% da sua energia do dia nela!

Quando essa etapa é vencida, todo o resto da trilha é plana.

É um passeio bem bonito.

Quando se chega ao final, existem algumas opções para ver a cachoeira de lugares diferentes. Cruzamos o rio e fomos no lugar que é o mais famoso.

Boa parte das pessoas que estavam fazendo a trilha nesse dia estava nesse lugar, que o pessoal aproveita para descansar e comer, enquanto tira as fotos.

Acho que única vantagem de ter guia nessa trilha é que tem o cara para tirar suas fotos lá. Mas como eu levei meu tripé, consegui fazer umas fotos!

A cachoeira estava quase seca. Foi uma época de muita seca na região.

O mais legal disso é que a cachoeira “caia para cima”! Assim que a água começava a cair, o vento já a jogava para cima. Certamente quem estava lá em cima se molhava muito mais do que quem eventualmente estivesse lá embaixo.

Lá é bem bonito, mas certamente estaria mais bonito ainda se a cachoeira estivesse mais carregada.

Depois que tínhamos tirado todas as fotos que queríamos, fomos para o outro lado ver por um ângulo diferente.

Acabamos nem indo até o final aonde o pessoal chegava. Depois de um tempinho ali já iniciamos a volta.

Não esperava que fosse tão cansativo assim. Ainda bem que a paisagem ia nos distraindo. Mas quando chegou o trecho final, e meu joelho já não estava muito contente, aquela descida veio para dar uma castigada.

Quando chegamos lá em baixo paramos em uma vendinha para tomar água de coco e comer um pastel de jaca.

Como ainda estava claro, decidimos ir pegar o pôr do sol na Cachoeira do Riachinho.

Aqui a entrada já é paga. Acho que foi R$ 12 por pessoa. Tinha até que bastante gente lá para ver o pôr do sol, que de fato foi muito bonito.

Eu ainda me arrisquei no poço da cachoeira, mas tem muita pedra. Meio desconfortável andar por ali.

Depois do espetáculo, seguimos para Lençóis.

Continua – Pratinha e Gruta da Fumaça

Poço Azul e Poço Encantado – Chapada Diamantina

Dia 4 – Continuação

Preferi ir ao Poço Encantado antes do Poço Azul pois o horário do raio de Sol do Poço Encantado acaba antes do que no Poço Azul. Mas não adiantou… O raio de Sol parou de entrar na caverna 5 dias antes. No Poço Encantado ele só entra até meados de Setembro e eu cheguei uns dias atrasado.

Esses eram os dois passeios do dia, antes de chegarmos em Igatú.

Esses dois poços, e a Pratinha também, são os passeios mais tranquilos que fui, e consequentemente, os mais lotados. Tinha muita excursão lá nesse dia. Demoramos mais de 2 horas para chegar nossa vez de entrar no poço. Imagino o que deve ser esse lugar durante a temporada…

Era uma galera que certamente não encontraríamos em uma trilha como a da Fumacinha, por exemplo. Muita selfie e pouca trilha!

Acabamos encontrado um lugar mais silencioso e ficamos esperando nossa vez. Aproveitei e fiz umas fotos dos pássaros por ali.

Finalmente chegou nossa vez! Tem uma pequena caminhada e uma entrada meio apertada na caverna. Lá dentro é um show!

Aqui no Poço Encantado não é permitido entrar na água. Só podemos apreciar a beleza de longe.

Valeu bastante o passeio!

Partimos para o Poço Azul então! Pegamos umas dicas para ir por um caminho por dentro e cortar uma boa pernada de estrada.

Achamos bem o caminho e paramos o carro na abeira do rio. Atravessamos o rio a pé e fomos comprar nosso ingresso.

Mas lá tinha o mesmo problema… Era muita gente antes de nós e iria demorar muito.

Eu vi que eu iria perder aqui também o raio de sol entrando na caverna, mas então fui falar com o pessoal lá.

Pedi para descer apenas com minha câmera e fazer umas fotos antes do raio ir embora. O pessoal foi muito gente boa e liberou!

Aliás, o tempo inteiro fomos muito bem tratados pelo pessoal de lá! Estão de parabéns!

Depois das fotos eu voltei lá para cima para esperar minha vez de descer. Foi bom que deu tempo de almoçar e sair para fazer umas fotos.

No Poço Azul podemos entrar na água e ficar lá uns 15 minutos fazendo flutuação naquele lugar lindo!!!!

Na hora de ir embora ainda paramos para curtir o pôr do Sol na beira do rio.

Partimos então para Igatú.

ContinuaIgatú

Pantanal de Marimbus e Cachoeira do Roncador – Igatú e Mucugê – Chapada Diamantina

Dia 4 – Continuação

Não tínhamos ideia de que Igatú era tão fora das vias principais. A cidadezinha tem dois acessos e com uma estrada bem complicada. Uma delas é inteira de pedra, e outra uma boa parte de pedra. Tem que andar muito devagar, se não é capaz do carro desmontar ali. E a última coisa que a gente precisa nessas viagens é um carro quebrado em um lugar isolado.

Bom, chegamos já era meio tarde, mas ainda deu tempo de tomar um banho e sair para comer.

Não tinha muita opção ali. Acabamos parando para comer em um lugar de açaí. Estava bem gostoso!

Dia 5

Acordamos com calma, fui andar um pouquinho na pousada e depois tomar café.

A primeira parada do dia era o Pantanal de Marimbus. Depois da viagem a 20km/h na estrada de pedra, pegamos a estrada principal e logo chegamos lá.

Pagamos o ingresso logo na entrada e descemos até a beira do rio para encontrar nosso guia.

Estava bem tranquilo esse dia. Tinha pouca gente ali.

Encontramos o guia e fomos para a água!

O lugar é bem bonito! É impressionante aquele tanto de água em um lugar tão seco!

Depois de um tempo paramos em uma parte mais rasa para ficar curtindo e tomando banho no rio.

Depois iniciamos a volta por um caminho um pouco diferente.

E foi isso! Um passeio diferente. Lá não é tão bonito como outros mini pantanais que existem por aí (Como o Tanquã aqui em Piracicaba, por exemplo), mas mesmo assim valeu muito o passeio! Certamente voltaria.

Na saída paramos para comer um pouco na vendinha que tem na entrada e pegamos as dicas de como chegar na Cachoeira do Roncador.

Existia uma chance de atolar o carro nesse caminho e era necessário prestar muita atenção para não errar o caminho…

Infelizmente algo não saiu como o planejado, e o carro atolou……………

Eu fiquei enfurecido na hora. A entrada para desviar da areia fofa não era tão clara e eu como estava prestando atenção no chão para não cair em um buraco, acabei não vendo a entrada e o carro imediatamente atolou.

Foi treta essa hora. A gente já tinha andado bastante e não tinha muita opção a não ser voltar tudo aquilo até a estrada e tentar pedir alguma ajuda lá. Celular ali não pega nem em sonho.

Depois de algumas tentativas frustradas de mover o carro, já estávamos nos arrumando para andar quando um cara com uma 4×4 passa por esse caminho que estávamos. O cara não queria muito parar para não correr o risco de atolar também, mas acabou parando. Ele acabou falando que iria tentar tirar o carro com uma corda que ele tinha e se não desse certo ele iria ver se nos dava uma carona até algum lugar para pedir ajuda.

Na primeira tentativa a corda quebrou….. PQP!!!!!!!

Mas o que sobrou ainda dava para mais uma tentativa… Arrumamos o nó direitinho em baixo do carro para ver se dessa vez não dava zica e fomos para a última tentativa…

E inacreditavelmente o carro saiu!!!!

Nossa senhora, foi um alívio que eu nem consigo explicar.

Esse cara deve ter sido provavelmente a única pessoa que possou por aquele caminho no dia inteiro… Talvez em mais de um dia… Foi um negócio divino!

Depois disso, já pelo caminho certo, decidimos continuar o rolê até o Roncador.

Por esse caminho, temos que parar o carro 6km antes da cachoeira e seguir a pé, pois não tem como cruzar o rio de carro (Já bastava um atolamento no dia).

Bom, lá vamos nós…

Foi bem cansativo. Chegamos já pedindo arrego no restaurante que é a porta de entrada da cachoeira.

Antes de seguirmos, decidimos almoçar ali.

Eu estava só o pó.

Bom, fomos então para a cachoeira!

O lugar é bem legal. Vários poços se formam que dá para ficar curtindo igual uma jacuzzi natural.

Tudo ali é muito escorregadio e não é tão simples ficar andando por ali, mas com cuidado dá para ver tudo!

O sol já estava se pondo e, “pra variar”, fomos os últimos a ir embora!

Só que aí vem aquela lembrança… São 6km de volta até o carro que nenhum de nós 2 estava a fim de andar. A Tati já logo lançou uma ideia nos caras do restaurante e arrumamos um cara de moto para nos levar até a margem do rio!

Pqp, ela conseguiu e isso salvou o dia!!!!!!

Eu fui primeiro e depois ele foi buscar a Tati. Ele cobrou R$ 70 para levar nós 2. Foi um ótimo negócio para nós 3!!!!

Tocamos de volta para Igatú, ainda com medo do carro atolar, pq tem trecho que se bobear, carro comum atola, mesmo não sendo a parte que já é proibitiva. Teve uma hora que o carro embicou na areia que subiu areia até pelo teto do carro!!!! Hahahaha! Foi treta! Não sei como não deu nenhuma merda!

Daí fizemos a estrada de pedra de noite. É legal como passeio! Tem muito animal na beira da estrada!

Já na cidade fomos jantar em um restaurante bem legalzinho!

Nós ficamos nas mesas do lado de fora e em um determinado momento a gente vê um reboliço em uma das mesas……

Era uma cobra que tinha passado por cima do pé de um dos clientes! Hahaha!

A galera começou a correr de lá, e eu correr para lá! Eu queria uma foto da cobra!

E consegui!!!

Depois da aventura eu só fica chamando o gato para ficar do meu lado lá!!! Hahaha!

Aí depois o dono foi sentar lá conosco para conversar um pouco! Foi bem bacana e a comida estava ótima!

Dia 6

Acabei acordando super cedo e fiquei esperando a hora do café tirando umas fotos no hotel. Era um lugar bem legal!

Daí saímos para conhecer a cidade.

Igatú é conhecida como a cidade de pedra e realmente foi uma ótima ideia ter conhecido a cidade. É diferente de tudo e muito charmosa! O nosso hotel era ótimo e tivemos tempo de andar por lá. Valeu mesmo!

Então fechamos as malas e saímos em direção à Cachoeira do Buracão. De lá iríamos para Ibicoara, que é a cidade mais estruturada ali da região.

No caminho paramos no Cemitério Bizantino de Mucugê.

ContinuaCachoeira do Buracão

Nova Zelândia – 9/11

19/03/2015

 

Acordamos cedo e estava um frio insano… Foi bem difícil criar coragem para ir até o banheiro naquele frio!

01-img_0189a

 

Bom, tudo pronto, caímos na estrada em direção a Milford Sound.

A principal atração de Milford Sound são seus Fiordes, mas a viagem até lá faz como que o passeio seja realmente especial. Tem uns tours que saem de Queenstown bem cedo e fazem um bate e volta em Milford Sound. Eu jamais faria isso. Não que Milford Sound não seja muito legal por si só, porque é, mas a viagem e o que se encontra no caminho fazem toda a diferença!

Bom, então fomos curtindo a viagem até lá…

02-img_0674

03-img_0675

04-img_0677

05-img_0678

06-dsc_0540

07-dsc_0543

08-dsc_0545

09-csc_0942

10-csc_0941

11-dsc_0548

12-dsc_0549

 

Te Anau era um local que tínhamos uma parada já programada. Iriamos almoçar por lá e conhecer a cidade que fica na beira de um lindo lago.

O primeiro lugar que fomos era um local de conservação de aves locais por onde se podia passar e ver algumas aves que eles mantinham. Não era um lugar fechado, como um zoo… Era uma área aberta com alguns lugares onde eles cuidavam das aves.

14-img_0685

15-img_0687

17-img_0690

18-dsc_0550

19-csc_0940

20-dsc_0556

21-dsc_0565

22-dsc_0570

23-dsc_0571

24-dsc_0572

25-csc_0936

 

Depois fomos até o centrinho comer. Acabamos pegando umas empanadas e comendo em umas mesas no meio de uma praça bem grande.

Mesmo depois de alguns dias por lá, essa sensação de liberdade e facilidade de em todo lugar encontrar locais públicos, seguros e limpos para que todos possam desfrutar é surreal.

26-img_0692

13-img_0680

27-img_0693

28-img_0694

29-img_0695

30-img_0698

31-dsc_0578

32-dsc_0580

33-dsc_0584

34-dsc_0586

35-dsc_0588

36-dsc_0591

37-dsc_0592

 

Te Anau é a última cidade com alguma estrutura antes de Milford Sound. Lá se tem que encher o tanque do carro, pois não existem postos de gasolina dali para frente. Saindo de lá já se entra em uma área de reserva federal e a estrutura é bem limitada.

38-img_0700

 

Aqui uma parada…

 

40-img_0702

41-img_0703

42-img_0704

43-img_0710

44-img_0711

45-img_0716

 

Aqui outra parada…

 

46-img_0717

47-img_0718

48-img_0719

49-img_0720

50-img_0721

51-img_0722

52-img_0724

 

Mais uma parada…

53-dsc_0593

54-dsc_0594

55-dsc_0596

56-dsc_0597

57-dsc_0602

58-dsc_0603

 

Aí paramos quase sem querer nesse lugar que eu vi meio de relance e acabei voltando para dar uma olhada melhor… Que lugar espetacular!!!!!

59-dsc_0609

60-dsc_0610

61-dsc_0613

62-dsc_0614

63-dsc_0615

64-dsc_0616

 

Bom, mais uma paradinha para curtir o lugar

65-dsc_0619

66-dsc_0620

68-img_0726

69-dsc_0625

 

Esse túnel é uma parte curiosa do passeio. Tem um farol pois é só uma faixa. Tem que esperar o pessoal de um lado passar para o outro lado sair.

70-dsc_0627

71-img_0727

 

E por dentro ele é direto na rocha!

72-img_0728

 

Então paramos em um lugar e por sorte encontramos esse lindo casal de Kea.

74-img_0729

 

Os bonitinhos ficaram com a gente lá um tempão. Claro que queriam comida, e apesar do pessoal de lá insistir bastante para não alimentarmos os animais silvestres, acho que o pessoal não resiste a essas belezuras!

75-dsc_0635

76-dsc_0637

77-dsc_0638

78-dsc_0640

 

Muito legal!

79-dsc_0642

80-dsc_0643

81-dsc_0646

 

Depois disso finalmente chegamos em nosso camping. Fizemos o check in e fomos dar uma volta no “centro” de Milford Sound.

82-img_0733

83-img_0734

84-img_0735

85-img_0736

86-img_0737

 

Ainda não tinha entendido muito bem qual era o esquema por ali…

Lá não tem absolutamente nada!!! Tem esse camping que ficamos, um hotel, a estrutura do porto de onde saem os barcos de passeio, um aeroporto para monomotores que fazem o passeio pelos Fiordes, e o alojamento que as pessoas que trabalham lá ficam…

Não existem casas, bairro, ou outras ruas… Lá é o fim da linha!

A internet é via satélite e caríssima para usar. A galera que trabalha lá fica semanas sem ir para uma cidade… Não tem mercado, não tem lojas, não tem restaurantes ou lanchonetes, não tem nada!!! O pessoal fica bem isolado!!!

 

Bom, compreendido isso, demos uma andada por lá e voltamos para nosso camping.

87-dsc_0648

88-dsc_0649

89-dsc_0650

90-dsc_0652

91-dsc_0654

 

Como não tem nada por lá, o nosso camping é um dos lugares onde a galera vai para descontrair… Tem um bar, uma sala de leitura grande onde a galera se reúne… É um ambiente bem legal!!!

 

Pedimos um vinho e um negócio para comer e ficamos lá de bobeira um pouco curtindo o movimento.

92-img_0738

 

93-img_0739

Só faltou o Rock N’ Roll do Café Piu Piu aqui da Rua 13 de Maio… Quase lá!!!! 😉

 

Fomos então dormir, parando no caminho para apreciar aquele céu indescritível…. Absolutamente perfeito!

94-img_0740

95-img_0741

96-dsc_0655

97-dsc_0656

98-dsc_0657

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Peru, Bolívia e Chile – Parte 9 – Final

05/06/2009 – Dia 21 – San Pedro de Atacama

 

Nesse dia embarcamos para tour pelo Salar de Tara. Foi bem legal o passeio! Paramos em uma laguna congelada que o Victor disse que moram uns 5.000 flamingos no verão. Nesse dia já não tinha nenhum…

 

As outras paradas também foram em lugares bem bonitos…

 

No destino final tivemos um almoço dos mais fartos que tivemos em todos os passeios! E eu estava morrendo de fome. Comi muito!!! E ainda sobrou comida no final!

 

Lugar lindo, com aves muito belas e um último flamingo esquecido… Não sei o que aconteceu com ele… Se é muito novo e não se ligou que tinha que ir atrás dos outros… Se esse era muito esperto e percebeu que sozinho tinha mais comida para ele… Sei lá… Eu sei que o bicho estava lá sozinho… Sorte nossa!

Aí foi só voltar para o hostel bem feliz!!!!

 

06/06/2009 – Dia 22 – San Pedro de Atacama

Levantamos ridiculamente cedo para sair para o incerto hiking no Vulcão Lascar.

No dia anterior tivemos uma conversa com o guia… Cara bem gente boa! Não me lembro o nome dele agora, mas ele era famoso por lá… Nesse dia mesmo ele estava mostrando uma reportagem com ele sobre esses esportes…
Ele falou sobre algumas coisas e disse que sem duvida conseguiríamos chegar até a cratera do vulcão… Explicou alguns procedimentos, nos orientou em relação ao que levar e o que comer na noite anterior… Como seriam nossos passos durante a subida… A velocidade, as paradas… Foi bem detalhista. A Dé estava um pouco mais apreensiva, mas acho que depois da conversa deve ter relaxado um pouco, pois o cara manjava muito e passou uma confiança muito grande para nós.

Fomos nós naquele frio insano que é impossível se acostumar, mesmo depois de 20 dias seguidos de frio bravo…

Junto no carro estava uma européia e um venezuelano que morava na Espanha… Muito engraçado o cara!!! Ele tinha morado com um brasileiro e ficou o tempo inteiro falando palavrões em português com aquele sotaque!!!!! Ele falava muita besteira! Demos muita risada com ele!

Chegamos no ponto de partida ainda antes de amanhecer. O guia nos preparou um café e começamos a nos aprontar.
A cratera do Vulcão Lascar fica a 5.600 metros acima do nível do mar. O carro, segundo o guia, pára por volta dos 4.500.

 

Então começa a subida……..

 

É bruto o negócio… Passo pra cá, passo pra lá e a cratera ainda lá longe… É muito íngreme e respirar ali não é fácil…

 

Três horas e meia depois, antes até do previsto, chegamos até a cratera do vulcão!!! Conseguimos!!!!!!!!!!

Estava exausto, mas extremamente feliz! Subir até a cratera de um vulcão ativo a 5.600 m.a.n.m. não é pouca coisa…

 

O cheiro de enxofre é forte ali…

 

Poucos minutos depois que chegamos já iniciamos a descida. Assim que eu comecei a descer minha cabeça começou a doer muito… E assim foi aumentando até eu chegar no carro… Demorei uns 40 minutos para descer… Quando cheguei lá já estava doendo de um jeito que eu nem sabia que era possível doer…

A Dé acha um moletom meu que estava em baixo dela e me mostra… Eu peguei aquele moletom e enrolei na cabeça na esperança de ajudar em alguma coisa… Já não estava nem raciocinando mais essa hora!

Fora o guia, a Dé foi a única que não sentiu nenhum efeito da altitude… A gringa se queixou um pouco e o venezuelano passou muito mal!

Uma hora que paramos um pouco na volta o cara me some… Olhamos para um lado, para o outro… Nada… Aí vemos ele se levantando de trás do carro após botar absolutamente tudo que tinha no estômago pra fora! Coitado… Estava pior que eu!

Voltei acabado, mas certo de que fiz uma escolha muito acertada de subir lá. Que experiência!

 

 

07/06/2009 – Dia 23 – San Pedro de Atacama / Calama

Esse era o nosso último dia de San Pedro e o transfer viria nos pegar no início da tarde. Ainda tínhamos um último passeio, só para relaxar, nas Termas de Puritana.

Só que as coisas começariam a se complicar nesse dia… 😦

A Débora acordou com um mal estar que não conseguia explicar o que era… Já havia acordado de madrugada por causa disso, mas conseguiu voltar a dormir.

Como não estava bem e não tinha dormido bem, disse então que preferia ficar no quarto para dormir mais um pouquinho e se recuperar… Ela disse que estava bem e que eu deveria ir no passeio. Bom, como estava tudo aparentemente bem, o passeio só durava meio dia e qualquer coisa tinha os donos da pousada que poderiam ajudá-la se fosse o caso, acabei indo sozinho ao passeio.

Só íamos eu e ela. Como ela não foi, fui sozinho com o motorista… Ótimo, assim não precisava ficar lá até a hora do fim do passeio.

O lugar é legal… Inusitado… Aquele monte de água em um lugar absolutamente seco.

É um rio de águas quentes onde existem pequenas piscinas que são extremamente relaxantes… Depois de 22 dias de viagem e um vulcão no dia anterior, era tudo que alguém poderia querer!

 

Fiquei lá umas 2 horinhas e já falei com o cara para irmos embora…

 

Quando cheguei a Débora já havia levantado e tomado seu banho. Estava tudo bem aparentemente…

Bom, tomei meu banho, comemos um monte de coisas que ainda tínhamos e ficamos brincando com os gatinhos da pousada até que o transfer viesse nos pegar.

 

O transfer chegou, colocamos nossas malas, entramos e imediatamente começou um pesadelo para a Débora…

Ela começa a se contorcer de dor… Não tínhamos nem começado a andar direito… E ela gemendo alto de dor no carro… Virava para cá, virava para lá… Sentava, deitava… Dobrava, ficava reta… E a dor não passava.

Eu já imaginava o que era, mas não tinha como ter certeza. Eu só queria saber de chegar o mais rápido possível em Calama.

O pessoal do transfer todo olhando e não tinha muito o que fazer… Uma hora ela estava gritando de dor e os caras pararam para ela descer… Bom, não adiantou muito… Voltamos e falei para ele ir o mais rápido que pudesse.

A mulher do transfer nos emprestou o telefone para ligarmos para o seguro saúde que tínhamos contratado… O pessoal do seguro nos indicou um hospital em Calama.

O transfer deixou primeiro o pessoal no aeroporto e nos deixou na porta do hospital… Entrei no hospital carregando mochilas grandes, mochilas pequenas, câmeras, namorada… Parecia que tinha 6 braços…

Fizemos a ficha e esperamos… Era um Domingo no final da tarde… Não tinha muitos médicos e começou a demorar um pouco o atendimento… Eu fui pedir para apreçar o negócio, mas não adiantou muito… Aí uma mulher que viu ela se contorcendo de dor foi lá e também falou para atender a Dé primeiro… Aí então eles foram lá e pegaram ela… Foi um alívio…

Agradeci a mulher, deixei as coisas atrás de um balcão e fui lá com ela… Nossa, ela estava mal! Gemia sem parar! Tinha uma mãe com a filha nessa mesma sala de pré atendimento… A menininha ficou olhando com uma cara de assustada… Perguntou para a mãe o que ela tinha… “Estás enferma!” Hahaha!

Foi examinada e colheram sangue para analises. O medico era bom… Deu toda atenção para ela… Depois teve troca de turno… Explicamos para o outro medico de novo as coisas, ele recebeu os exames e concluiu o que eu imaginava… Era pedra no rim!

No final das contas, foi um alívio para mim… Temia que poderia ser algo pior…

Bom, mandaram um monte de remédio para a veia dela, principalmente para controlar a dor, e receitou mais uns para comprarmos na farmácia para ela aguentar até chegarmos no Brasil.

Quando ela estava quase para ser liberada, ela ainda estava com dor e pediu mais remédio… Bom, o cara então deu!!!!

Ela ficou grogue!!!!! Lesadinha!!!!!! Haha!
Foi de cadeira de rodas até a recepção do hospital e não conseguiu levantar da cadeira… O médico se despediu, mandou o tradicional “soerte” e esperou ela sair da cadeira para voltar para dentro… E quem disse que ela levantava!!!!!! Hahahaha!
Não sabia nem onde estava!!!!

Demorou, mas tirei-a da cadeira de rodas e coloquei-a na recepção do hospital.

Nisso tudo já se passaram umas 6 horas… Já era madrugada, nosso vôo já tinha pousado em Santiago há tempos e eu não tinha a menor ideia do que iria fazer…

Saí então pela avenida deserta no meio da madrugada em busca de um taxi… Andei um pouco e achei um terminal rodoviário que tinha só um taxi parado na frente. Não tinha escolha… Fui lá falar com o cara… Era um cara meio estranho, mas estava valendo… O taxi dele era todinho revestido por dentro com uma espécie de carpete peludo, tinha luz negra e um mini globo giratório de vidro dentro…

Foi treta, mas não tinha escolha. Arrastei namorada e bagagem para dentro e pedi que me levasse para qualquer lugar que tivesse um quarto para passar a noite…

Deveria ter pensado em algo mais criativo para falar………

Ele me leva em uma pousada bem zuada perto do centro da cidade… Bom, sem escolhas, lá vamos nós.

Nesse momento passei a me sentir em um filme desses classe C que passam na Band na madrugada…
Desci de um taxi daquele e entrei na pousada arrastando a Débora e nossas coisas… O cara da pousada não era nada menos estranho que o cara do taxi… Acomodei a Dé em uma única cadeira que tinha na recepção e fui falar com ele… Parecia aquelas cenas do cafetão com uma mina drogada parando naqueles motéis de beira de estrada na Route 66.

Peguei um quarto e lá fomos nós… Claro que era no andar de cima!!! Lá fui eu e minha “bagagem” completa pela escada!

Nem sei que horas já era isso… Enfim dormimos…

 

 

08/06/2009 – Dia 24 – Calama

De dia a pousada nem pareceu tão macabra assim, mas longe de ser um primor também! Passei um frio desgraçado nessa noite… Não foi brincadeira!

Fomos então à farmácia comprar os remédios para ela e depois para o aeroporto tentar embarcar no próximo vôo para Santiago. Ainda tínhamos esperança de pegar nosso vôo para SP nesse dia.

No aeroporto descobrimos que não havia mais vôos para Santiago naquele dia e não seria possível remarcar a passagem por lá. Teríamos que ir até a loja da Lan no centro de Calama e ver se conseguiríamos marcar nossas passagens para o dia seguinte.

O pior é que como não iria ter mais vôos lá até de noite, o aeroporto ficou vazio em questão de minutos… Não tinha mais ninguém! Encontramos então uma menina que trabalhava lá e ela tinha o numero de um taxista que chamou para ir nos tirar de lá!!!!

Nesse dia arrumamos uma pousada melhor para ficar, remarcamos nossas passagens na Lan e fomos conhecer a cidade. Lá não tem nada para fazer, apesar de ser uma cidade arrumadinha, com algumas opções para comer e fazer compras.

 

09/06/2009 – Dia 25 – Calama / Santiago / São Paulo

Estávamos tranqüilos em relação a dor da Débora, pois o remédio era muito forte e estava fazendo o efeito esperado. Ela ficava tranqüila enquanto sob efeito do remédio… Não precisava nem ajustar o despertador para lembrar a hora de tomar… Chegava na hora do remédio e ela já começava a sentir a dor voltando… Batia certinho com a hora de tomar outro comprimido!

Infelizmente não pude ficar um dia em Santiago como havia planejado… Já estive lá, mas existem alguns lugares que não conheci e gostaria de conhecer. Bom, vai ficar para a próxima.

Nesse dia pouco fizemos… Foram só aeroportos, morfina em comprimido e chegar em casa de noite, completamente esgotados, desidratados, com a saúde abalada e certos de que foi uma das viagens mais especiais que fizemos!

Precisava de umas férias quando cheguei…

The End!

PS.: A Débora tinha 3 pedras em seu rim. Uma foi expelida e outras duas ainda estão lá com ela até hoje… Enquanto não se mexem, vão ficar por lá mesmo!!!