Torres del Paine

Fala Viageiros!!!!!

 

Voltei de uma viagem sensacional para a Patagônia e vou compartilhar aqui com vocês um pouco dessa experiência!

 

Mas antes, quem puder, segue no Instagram: @profissaoviageiro

 

Bom, hoje além de passar minhas impressões de Torres del Paine, vou tentar deixar algumas informações básicas para quem quer ir e ainda está cheio de dúvida, como eu estava quando ainda planejava a viagem.

Tem coisa que parece óbvia quando se conta de uma viagem para as outras pessoas, mas que no fundo se você não sabe o funcionamento das coisas no lugar, fica impossível saber se seu roteiro vai dar certo ou não… E foi nisso que eu esbarrei na montagem do roteiro.

Como sempre em meus roteiros, eu tenho pouquíssima margem de erro e isso me fez perder um bom tempo na pesquisa. Vou tentar deixar algumas informações aqui para quem quer visitar esse lugar maravilhoso!

 

Vamos lá!

 

– O que é?

O Parque Nacional de Torres del Paine foi criado em Maio de 1959 e está localizado na Pataônia Chilena, na região de Magallanes.

As suas torres principais dão nome ao parque, que são imensas torres de granito modeladas pelo gelo glacial.

Mas as belezas do parque não se resumem a suas torres. O lugar inteiro é sensacional!

 

– Como chegar?

Existem dois aeroportos próximos de Torres del Paine:

– Um fica em Puerto Natales, que é a cidade base para a maioria das pessoas que visitam Torres del Paine. A cidade está localizada a 80km do Parque.

O problema é que só existem voos para Puerto Natales no verão, e mesmo assim não é todo dia.

Isso faz com que contar com um voo para lá seja praticamente descartado logo de cara.

 

– A melhor opção então é voar para Punta Arenas.

Existem voos regulares de Santiago para Punta Arenas.

Inclusive, se não me engano, lá é destino mais barato para se chegar na Patagônia (Argentina ou Chilena)

Eu fiz isso. Saí de São Paulo em um voo com conexão em Santigo e chegada em Punta Arenas. Tudo bem tranquilo!

 

-Para quem não for utilizar avião, tenha Puerto Natales como sua referencia de destino.

 

 

Onde ficar?

– Punta Arenas:

A porta de entrada da maioria das pessoas que vão para TdP via o próprio Chile (Muitas outras pessoas vão para TdP via El Calafate, na Argentina)

Cidade grande, com vida própria. Possui muitas atrações turísticas, shoppings, hotéis, hostels, restaurantes e tudo mais.

Fica a 3 horas de ônibus de Puerto Natales.

 

– Puerto Natales:

Cidade pequena que gira em torno do turismo de TdP.

Muitos turistas o ano inteiro por lá, consequentemente muitos restaurantes e vendinhas para as compras da galera que vai fazer os trekings.

Como já falei é a base para a maioria das pessoas, pela sua proximidade e preços acessíveis. Comparado às hospedagens dentro ou ao lado do parque é muito mais barato ficar em Puerto Natales.

 

– Hospedagens dentro do Parque:

Existem muitas opções de hospedagem dentro do Parque, desde áreas de camping onde você é responsável por ter com você absolutamente tudo que vai usar e comer, até luxuosos hotéis com vistas deslumbrantes.

Tudo dentro do parque é caro. Transporte, hospedagem, comida… Tudo!

São três “empresas” que possuem hospedagens dentro do parque, e para dormir lá dentro você precisa ter reservado antes de chegar (mesmo que esteja levando todo equipamento com você e queira apenas reservar um espaço de camping), pois não se pode entrar sem reserva prévia. As empresas são:

CONAF;

Fantástico Sur; e

Vertice.

 

 

Quando ir?

Torres del Paine pode ser visitado o ano inteiro, mas a alta temporada é no verão, quando as temperaturas estão mais agradáveis e as paisagens mais coloridas.

Eu fui na primavera. Dei muita sorte com o tempo e achei que valeu muito a pena. Não estava lotado e não passei nenhum perrengue de frio ou vento a ponto de transformar algum rolê em algo penoso.

Se tem alguma coisa que eu mudaria no meu rolê para deixar ele ainda mais perfeito, é que eu preferia ter visto o lago no Mirador Base de Torres del Paine descongelado. Quando eu fui ainda estava congelado. Não que eu ache isso um problema, mas acho que descongelado seria muito lindo também.

 

Quanto custa?

Caro!    Hahaha!

Não é um passeio barato. Mesmo fugindo o máximo que pude das hospedagens dentro do parque, é um passeio caro. Mas não é nada que não se possa dar um jeito.

Aqui alguns exemplos de preços aproximados:

– Entrada no Parque, válida por 3 dias de entrada: US$ 35,00 (se já estiver dentro do parque, não tem problema, pode ficar mais que 3 dias)

– Aluguel de barraca completa no parque: US$ 70 – para 2 pessoas, por noite

– Catamarã para Paine Grande: US$ 35,00 por pessoa, por trecho (Comprando ida e volta junto fica um pouquinho mais barato). IMPORTANTE: Não aceita cartão! Só dinheiro.

– Ônibus interno do Parque: US$ 10,00 ida e volta

– Ônibus Puerto Natales – Torress del Paine: US$ 25,00 ida e volta

 

E por aí, vai…

 

O que fazer??? Bate e volta, Circuito W, ou Circuito O?

Eu escolhi o W!

 

– No circuito W estão as principais atrações do parque na minha opinião.

Claro que quem faz o Circuito O vê muito mais coisa, mas para isso é necessário muito mais tempo e preparo, pois as partes do parque que estão fora do W, são bem menos estruturadas, então depende muito mais de você e do equipamento e mantimento que você carrega.

 

– No bate e volta de Puerto Natales, você consegue fazer o Mirador Base, que é a vista mais famosa de lá, mas depois que se faz o W, você vê que aquilo é só um pequeno pedaço das belezas daquele lugar.

Também dá para fazer o lado do Glaciar Grey, ou até um trecho da trilha beirando o lindíssimo Lago Nordenskjold.

IMPORTANTE!

Nesses casos de bate e volta, você sempre vai ter seu tempo limitado ao horário dos transportes internos do parque, seja do ônibus ou do catamarã. Então controlar o tempo e seus objetivos no dia será algo muito importante. Os horários são fixos e limitados, não deixando margem para erros.

 

 

– Uma outra opção, que eu jamais faria, é um bate e volta de El Calafate, como muitas agências de lá oferecem… Me parece um grande programa de índio.

 

– Fazer um mix disso tudo aí também é possível! É só estudar direitinho o roteiro e partir para cima!!!!

 

 

Bom, esse é o básico. Vou contando agora como foi o meu rolê e tentando explicar como tudo funcionou para mim!

 

Vamos lá!!!!!!!!

 

Dia 1:

Bom, eu decidi fazer o W da seguinte forma… Fazer as 2 pernas externas no esquema de bate e volta, e a parte central do W dormindo uma noite no camping Francês.

Dessa forma faria o rolê em 4 dias, que é bem puxado. A maioria das pessoas faz em 5 dias o W, que depois eu entendi o por quê!

Como a entrada do parque vale por 3 dias, eu fiz as 2 pontas primeiro, e depois a parte interna, que daria certinho os 3 dias de entrada no parque.

Para mim não fazia diferença por onde começar, então deixei o dia que a previsão do tempo estava melhor para fazer o Mirador Base e fui no primeiro dia, que o tempo estava pior, na perna do Glaciar Grey.

E a parte interna eu fiz saindo de Las Torres e chegando no outro dia em Paine Grande.

No final, deu tudo certo!!!!

 

Como comentei, eu cheguei em Puerto Natales vindo de Punta Arenas. Como não sabia da estrutura da cidade, acabei fazendo compras do que iria comer no parque no dia seguinte em Punta Arenas mesmo.

A viagem de ônibus entre Punta Arenas e Puerto Natales demora 3 horas. A passagem é bem fácil comprar. Os ônibus que fazem esse trajeto têm seus terminais no centro da cidade e todo mundo lá sabe indicar onde ficam esses terminais. Existem diversos horários de saída, então não precisa de stress quanto a reserva antecipada ou qualquer coisa.

 

Em Puerto Natales as coisas são perto da rodoviária. A maioria dos lugares nem precisa de taxi… Dá para chegar andando.

Já aproveitei que estava na rodoviária na chegada e comprei a passagem de ônibus para o dia seguinte de ida e volta para o parque.

São algumas empresas que fazem o trajeto e todas fazem mais ou menos no mesmo horário, pois os transportes internos no parque são sincronizados com as chegadas dos ônibus de Puerto Natales.

O horário de saída é por volta das 7 da manhã e o retorno por volta das 7:30 da noite saindo da Laguna Amarga (entrada do parque). São quase 3 horas de trajeto entre o parque e Puerto Natales.

 

No dia seguinte estava lá bem cedinho na rodoviária aguardando meu ônibus sair.

 

Chegando em Torres del Paine, a primeira coisa a se fazer é comprar o ticket de entrada. Havia uma pequena fila mas não demorou muito todo o tramite. Eles aceitam Pesos Chilenos e Dólares. Talvez aceitem Euros também, mas não tenho certeza.

 

Depois é aguardar o ônibus interno que vai te levar para o Refúgio Las Torres (De onde sai a trilha para o Mirador Base e também a trilha em direção ao Refúgio Francês) e depois segue para Pudeto, de onde sai o Catamarã para Paine Grande (Onde começa a trilha para o Glaciar Grey).

 

Como fui em direção ao Glaciar Grey nesse primeiro dia, segui no ônibus até Pudeto. Cheguei lá por volta das 10:30 e o catamarã só sai as 11hs.

Assim aproveitei e tomei um reforço do café da manhã por lá enquanto aguardava a saída para Paine Grande.

 

O catamarã é espaçoso e possui um deck em cima para quem quer ver a paisagem e tirar umas fotos. Duro é aguentar o frio, mas vale a pena!

 

O trajeto é curto e em pouco mais de 20 minutos já estava em Paine Grande

 

Muitas pessoas se hospedam no refugio, então já entram para seu check in. Eu não ia ficar lá, então só me arrumei, usei o banheiro e saí.

 

Primeiro grande desafio da viagem: Aprender a usar os sticks de caminhada!

 

Eu sei que parece ridículo, mas no começo é difícil coordenar! Mas depois de alguns minutos, vai que vai!

Não sei como eu consegui voltar a andar sem eles quando voltei de viagem! Esse treco é bom demais!!!!!

 

Bom, foi nesse primeiro dia que eu entendi por que a maioria das pessoas faz o W em 5 dias e não em 4… É porque o refúgio Grey é longe que dói!

Eu tinha o meu tempo de trekking limitado pelo horário do catamarã. Não podia estar de volta depois das 18:30hs, que é o último horário de saída do catamarã no dia.

As pessoas normalmente dormem no refúgio Grey e depois voltam no dia seguinte. Ou também vão até o refugio Grey e voltam para dormir em Paine Grande, sem grandes compromissos com o horário. Aí tudo faz mais sentido.

No meu caso eu tive que ir até onde o relógio permitiu, e não consegui chegar até o refugio. Mas isso não tem muita importância… Pude apreciar a beleza do glaciar durante minha trilha sem nenhum problema!

 

A trilha desse trecho não foi das piores do W. Existem outras partes com muito mais subidas e descidas. Isso foi bom, pois estava ainda aquecendo os motores!

Eu que já tenho dois joelhos completamente destruídos, que me impedem de fazer algumas coisas, estava, para piorar, vindo de uma lesão no ligamento. Consequentemente minha condição física não era das melhores, vindo de um período de um mês sem poder exercitar minhas pernas.

 

Bora caminhar!!!!

 

A primeira parada, já para o almoço, foi na Laguna Los Patos.

Uma lagoa bonita, que apesar do nome, não tinha tantos patos assim quando passei por lá!

 

Sigo então em direção ao glaciar, tentando aproveitar o máximo essa paisagem linda!

 

Daí a recompensa… O Glaciar Grey!!!

Encontro um lugar para parar e apreciar essa vista!

 

Depois de um tempo por lá o relógio me lembra que era preciso voltar, sem grandes possibilidades de paradas.

 

A volta foi bem tranquila e cheguei a tempo inclusive de fazer um lanche e tirar umas fotos antes de embarcar

 

Na fila do embarque percebo esse cara indo para um mergulho bem tranquilo nesse lago de degelo!!!

Um mergulho com uma vista dessa não é nada mal!!!!

 

Daí foram só mais uns 30 minutos de catamarã até Pudeto e já o imediato embarque no ônibus para Laguna Amarga.

 

Dalí peguei o ônibus de volta para Puerto Natales.

Chegando em Puerto Natales, foi só o tempo de passar em uma vendinha para comprar os mantimentos para o dia seguinte e correr para tomar banho, comer e dormir, pois sobram poucas horas de sono para quem tem que pegar o ônibus no outro dia as 7 da manhã!!!

 

 

Dia 2

E lá vamos nós!!!! Acorda de madrugada, toma banho, toma café, corre para a rodoviária e tenta descansar um pouco no ônibus no caminho…

No parque foi só mostrar que já tinha o ingresso e aguardar pela saída do ônibus para Las Torres.

Lá em Las Torres se faz um breve registro de entrada para controle e já pode sair para a caminhada.

 

Esse dia era o primeiro grande desafio. São 20km ida e volta, com muita montanha, incluindo um trecho matador no último quilômetro que faz você pensar seriamente que não vai conseguir!

Mas consegue!!!!

A caminhada começa com 2km bem tranquilos e planos ainda em uma área dentro do complexo de Las Torres.

Depois…… Bom, depois é bom estar com a saúde em dia, porque não é fácil a brincadeira.

 

O que sempre te dá forças em um lugar como esse são as paisagens… Elas vão nos lembrando por que estamos lá!!!!

Vale cada gota de suor!

 

E vai subindo…

Subindo…

Subindo mais…

 

Até que chega no Km 9 e eu já estou esgotado, com muita dor e cansaço.

E aí o negócio começa a ficar sério. A subida é bem no limite entre caminhar e escalar, inclusive passando pelo espaço onde a água do degelo desce, para ajudar ainda!

Pelo menos quando dava sede era só abaixar e beber água!

 

Eu acho que eu bobeei… Acho que tem um lugar para deixar o peso extra ali no km 9 antes de começar a subida. Eu não fui atrás disso e acabei subindo com tudo nas costas… Foi treta!

 

Como eu não tinha forças nem para tirar foto, tenho poucos registros desse dia. Uma pena, porque o lugar é maravilhoso.

 

Essa subida é terrível, e quando se acha que acabou você descobre que ainda falta um tanto! Todos os lugares por lá são assim… Você acha que chegou no final, mas não chegou!!!!

Para de reclamar e continua andando!!!!!

Realmente nem acreditei quando cheguei lá!!!!

 

Mas o visual vale qualquer esforço!!!

 

Infelizmente cheguei lá 15 minutos depois do horário que tinha que iniciar a descida! Isso limitou muito o quanto eu pude aproveitar lá em cima.

Foi o tempo de comer alguma coisa, tirar meia dúzia de fotos e sair desesperado para baixo, quase com a certeza que não daria tempo.

 

Isso foi a pior parte do rolê… Não consegui aproveitar quase nada a descida, forcei meus joelhos de um jeito que não poderia ter forçado e fiquei horas no stress de não ter ideia do que iria fazer se perdesse o transporte.

 

Não sei explicar como, arrumei forças não sei da onde para sair em uma disparada nos últimos 2 quilómetros para tentar chegar no ônibus…

E não é que consegui!!!!!!! O pessoal já estava quase todo embarcado! Aí pedi para o motorista para esperar uns 2 minutos até a Tati chegar e ele falou que beleza!

 

Nossa, foi por pouco!

Eu sentia tanta dor no meu corpo depois disso que nem sei explicar… Doía pé, tornozelo e principalmente meus joelhos… Achei que tinha comprometido todo o rolê…

 

Chegando em Puerto Natales foi só a correria para deitar logo, depois do mercadinho, banho e janta.

 

 

Dia 3

Esse dia tinha a ideia que seria mais tranquilo, pois além da distancia a se caminhar ser menor, não precisava me preocupar com horário, pois poderia chegar a qualquer hora no Camping Francês.

Mas eu me enganei… Foi mais um dia puxado que no final minhas pernas já estavam esgotadas.

 

Já no refugio Las Torres, comecei a caminhar para o Acampamento Francês. O inicio é tranquilo e ainda estava com a sensação que seria um dia de recuperação, e não de grandes esforços.

Começo a encontrar alguns morros, mas nada de mais… A caminhada ainda está sob controle.

 

Passados alguns quilômetros eu encontro um novo caso de amor!!!!!

Se trata do Lago Nordenskjöld!

Que visual maravilhoso! Andar com esse lago ao seu lado o dia inteiro foi lindo demais!

 

As paradas para comer sempre eram em pontos estratégicos para comer apreciando aquele azul espetacular!

 

O problema é que esse trecho tem muita montanha, subindo e descendo toda hora… Eu fui me cansando e já ficava perguntando pra galera que cruzava no caminho se estava muito longe ainda!

Isso é claramente sinal de desespero!!!!

       

E então já no final do dia chego no Acampamento Francês!

O acampamento é bem bacana. O banheiro é bom e a água para tomar banho bem quente! Isso foi maravilhoso!

Lá eles também têm um pequeno restaurante e uma “vendinha” que você pode comprar um refrigerante, por exemplo.

Na recepção do camping eles tinham ovos para vender. Não estava tão caro. O problema é que eu não tinha onde cozinhar os ovos, pois não estava carregando um fogareiro comigo. A menina que estava lá foi bem gente boa e ofereceu de cozinhar os ovos para nós no fogareiro dela! Então já fechei negócio e consegui comer algo quente nessa noite, que estava programado apenas comida fria.

Então depois de um ótimo banho já fui jantar meu sanduiche, ovos e um vinho que estava carregando para saborear na noite!

A barraca estava montada. Não tive trabalho nenhum. É chegar, pular para dentro do saco de dormir e até amanhã!!!!!

 

Dia 4

Depois de uma boa noite de sono que não passei nenhum tipo de problema na barraca, me preparei para partir.

Nesse dia os objetivos eram Mirador Francês, Mirador Britânico e a chegada em Paine Grande para tomar o catamarã de volta no final da tarde.

Então tomei meu ziriguidum e pé na estrada!

 

Até o acampamento Italiano o caminho é curto mas já com algumas subidas chatinhas.

No acampamento Italiano você pode deixar seu equipamento para fazer a subida para o Mirador Francês e Britânico só com o necessário.

A subida até o Mirador Francês é de um nível médio… Dá para ir na boa.

Acabei me perdendo um pouco no caminho… Ainda bem que olhei para trás e vi umas pessoas passando por outro lugar. Percebi que o errado era eu e voltei para a trilha certa!

Lá é um lugar bem interessante. Existe uma geleira com pequenas avalanches a cada 10, 15 minutos…

É muito legal ficar um tempo por lá vendo as avalanches e principalmente escutando os estrondos do gelo se rompendo. É um barulho de trovão bem alto! Muito bacana!

 

 

Fiquei lá um tempo, fiz meu lanche e olhei para o caminho do mirador Britânico…………

Que caminho????

O tempo fechou e não dava para ver nada lá para cima…..

Então após algumas considerações decidi desistir de ir até o mirador Britânico. Ainda faltava uma boa pernada até lá e eu não queria gastar esse tempo e essa energia para ir até um mirador de onde não haveria nada para “mirar”.

Bom, com isso pude desfrutar mais algum tempo no mirador Francês e fazer meu caminho de volta sem stress por conta do horário do catamarã.

 

De volta ao acampamento Italiano não estava muito bem… Não sei bem o que era, mas preferi ficar por lá um tempo até me recuperar.

 

Daí peguei minhas coisas e segui…

O caminho a partir de lá é bem mais tranquilo. Não me lembro de ter nenhuma montanha bizarra para subir e descer depois de lá. Isso foi ótimo… Já estava cansado!

Calafate

Um dos pontos altos desse trecho da caminhada é o Lago Skottsberg! O mirador do lago tem uma vista que chega a ser indecente!

 

Depois dessa parada, já estamos quase lá!

É um trecho cheio de emoções boas! De que consegui cumprir o objetivo… De que vou completar o W!

Isso parecia tão longe na minha vida há 6 meses atrás….

Pensar em cada pedra, cada montanha, cada arbusto, cada pássaro, cada lago, cada pessoa que cruzei, cada parte do meu corpo que doía, cada gole de água de cachoeiras de degelo, e cada sentimento delicioso de conquista com o visual que se abria na minha frente por tantas e tantas vezes nesses dias……..

Foi bom demais!

 

Então a última parada antes da chegada triunfante!

Dessa vez para admirar o Lago Pehoé, a poucos metros de chegar em Paine Grande.

Não tem lugar melhor para comemorar a vitória!!!!!!

 

E então a chegada!

Exausto;

Com dor;

Realizado!!!

Consegui, porra!!!!!!

 

Daí foi o roteiro já conhecido…

Catamarã de Paine Grande para Pudeto, ônibus interno de Pudeto para Laguna Amarga (com parada em Las Torres), ônibus para Puerto Natales, pousada e cama!

Hora de descansar, mas não muito, porque no dia seguinte embarcaria para El Chaltén pela manhã.

Mas essa história fica para depois!

 

É isso!!!! Quem quiser qualquer ajuda, pode escrever aqui que vou ajudar com todo prazer no que for possível!

Críticas e elogios também são bem vindos!!!!!

 

Não esqueçam de seguir lá no Instagram!

@profissaoviageiro

 

Valeu!!!!!!!!!!!!!

 

Abraço,

 

Felipe

 

Riga, capital da Letônia

Olá Viageiros!!!

 

Vou contar um pouco da minha passagem por Riga, capital da Letônia, que foi o início da minha viagem pela Europa, que ainda teria Ucrânia, Polônia, Alemanha e Holanda.

 

Eu não sou um cara muito Europa para falar a verdade… Acho que lá o turismo é mais fácil e tudo que eu faria lá agora, posso fazer quando estiver mais velho.

Já outros lugares do mundo, ou é agora, ou provavelmente não vai rolar, pois exigem mais do meu físico e capacidade de me adaptar aos lugares.

 

De qualquer forma, não preciso dizer o quanto a Europa é linda e em cada esquina tem algo bonito para ver ou fazer.

 

Riga é assim, uma cidade muito bonita, cheia de prédios antigos e cheios de história.

 

Vamos lá…

 

Cheguei em Riga no início da noite em um voo da Air Baltic vindo de Amsterdã. O voo durou pouco mais de duas horas e foi bem tranquilo.

 

Transporte

Riga é bem tranquilo de se locomover. Eles têm muitos ônibus, metrô e bondes. Certamente você irá encontrar uma linha que te atenda

Eu fui do aeroporto ao centro da cidade, perto de minha pousada, em um ônibus de linha que sai do Aeroporto e chega em poucas paradas no centro da cidade. O ponto de partida fica logo atrás do estacionamento do Aeroporto, bem tranquilo de encontrar.

 

Hospedagem

Bom, como em quase todos os lugares tem opções para todos os bolsos.

Como meu orçamento é bem apertado, fiquei em uma pousada em um prédio no centro da cidade. Nesse prédio tem um McDonald’s e uma “padaria” no térreo! Bem cômodo, principalmente porque era um dos poucos lugares abertos no final da noite.

 

O Rolê

Quando eu fui era Outono, final de Novembro, e já estava muito frio! E para piorar o sol nascia altas horas.

Foi bem estranho isso… 8 da manhã ainda era noite e não tinha ninguém na rua. Nenhum comércio aberto e sequer um lugar para tomar café da manhã. Se não me engano a maioria dos lugares abria depois das 8:30.

Bom, saí para andar no centro antigo, no escuro, com frio e fome!

Era muito curioso… Não tinha quase ninguém na rua! Era dia de semana, mais de 8 da manhã e ninguém fora de casa ainda! Tudo vazio!!!!

0001

0002

0003

0005

0006

0007

0008 Monumento da Liberdade

0009

0010

0011 Powder Tower

0013

0014

0016

0017

0018 (2)

0018

0019 (2)

0020

 

Depois de andar um pouco achei um lugar bem bacana que já estava aberto para tomar meu café.

0021

0022

0023

 

Alimentado, segui o rolê pelo centro…

0025 Igreja de São Pedro

0027

0028

0031

0032

0034

0037

0038

0040

 

Aí fui em direção ao Rio Duína Ocidental, que corta a cidade. Ali que eu vi uma movimentação maior de gente. A avenida estava bem carregada.

0042

0044

0046

0047 Vanšu Bridge

0048

0049

0051

0052

 

Voltei então para o centro para curtir aquele lugar lindo!

0054

0055

 

Aqui meu conceito das pombas mudou! Estava -1 grau e as pombas estavam tomando banho na poça praticamente congelada…

 

0056

0057

Vou falar, chamar de sujo um bicho que toma banho nesse frio me parece algo bem errado!!!!

 

0058

0060

 

Aqui é uma das áreas mais charmosa que achei…

0061

0063

0065

0066

0067

0068

0069

0072

0074

0075

0076

0078

0079

0080

0083

 

E foi isso! Bora pegar o ônibus de volta para o aeroporto! A próxima parada é Kiev!

 

Hawaii – 2009

Olá amigos viageiros!!!

 

Aqui vai um pouquinho da minha primeira visita ao Hawaii, que foi em Junho de 2009

 

Fui para a Big Island, casa do feroz vulcão Kilauea.

 

Aproveitei que meus pais estavam indo para lá e arrumei um sofá para mim no hotel que estavam!

Foi uma hospedagem mais confortável das que costumo pegar por conta própria!!!!!

 

Cada uma das ilhas do Havaí tem sua característica: Oahu tem a estrutura de Honolulu e as ondas de North Shore; Maui (que ainda não conheço) tem suas lindas praias; E a Big Island tem a natureza abundante e a fúria de seus vulcões!

A Big Island é linda!!!!! Os pássaros, a paisagem, a vida marinha, as praias, enfim, absolutamente tudo é lindo lá!

Como não é a ilha mais habitada, essas belezas naturais são muito preservadas, mas vendo também a parte das facilidades, as vezes não era fácil achar um restaurante aberto de noite para jantar um pouco mais tarde, por exemplo.

Fiquei hospedado na cidade de Kailua.

 

E assim foi…

 

 

20/06/2009

 

Depois de encontrar meus pais no aeroporto de San Francisco, eu vindo de Los Angeles e eles de algum outro lugar que não me recordo agora, pegamos o voo juntos para Kailua. São aproximadamente 5 horas de voo.

025b -

 

Chegamos, pegamos o carro alugado e fomos para o hotel.

Esse primeiro dia não fizemos muita coisa e ficamos curtindo o hotel mesmo. Era um lugar bem bonito com muita coisa para fazer.

026 - DSC06207

027 - DSC06209

029 - DSC06387

031 - DSC06389

035 - DSC06394

038 - DSC06398

041 - DSC06399

 

Será o São Benedito?!?!?!

042 - DSC06403

 

De tarde teve uma cerimonia havaiana para os hospedes e depois eu tratei de reservar os mergulhos que queria fazer lá para os dias seguintes.

039 - DSC06212

040 - DSC06213

 

21/06/2009

 

De manhã fomos visitar uma praia de areia preta.

A areia é assim por conta de pequenos fragmentos de lava que se acumulam nessas praias.

 

043 - DSC06404

045 - DSC06406

046 - DSC06407

 

De tarde eu saí para meu primeiro mergulho.

047a - 100_2930

 

A visibilidade estava muito boa e tinha muita vida lá!!!

049 - DSC06215

051 - DSC06218

053 - DSC06223

054 - DSC06224

056 - DSC06231

057 - DSC06232

058 - DSC06233

060 - DSC06235

061 - DSC06236

064 - DSC06242

065 - DSC06243

068 - DSC06248

070 - DSC06250

071 - DSC06251

072 - DSC06252

076 - DSC06256

078 - DSC06259

080 - DSC06266

081 - DSC06267

082 - DSC06268

085 - DSC06273

 

Depois um tempinho na superfície para comer alguma coisa, assistir o lindo por do sol e se preparar para o mergulho noturno com as Raias Mantas!

087 - DSC06276

 

O mergulho é específico para ver as raias se alimentando durante a noite.

São colocadas lanternas no fundo do mar para atrair o plancto, e, consequentemente, as raias!

Elas ficam muito perto de nós e passam sempre encostando em nossas cabeças! Por isso nesse mergulho nem pode descer com snorkel acoplado na mascara, pois pode pegar nelas.

100 - DSC06303

089 - DSC06286

091 - DSC06289

105 - DSC06308

107 - DSC06310

 

São animais maravilhosos!

093 - DSC06291

108 - DSC06312

 

Elas ficam dando um looping para pegar o plancto que é espetacular de assistir!!! Aquele bixo monstruoso dando voltas e mais voltas, comendo um bichinho que a gente nem consegue ver!

092 - DSC06290

095 - DSC06295

096 - DSC06296

097 - DSC06297

098 - DSC06299

099 - DSC06300

101 - DSC06304

102 - DSC06305

 

Ainda consegui ver alguns peixes, uma moréia e uma linda Siba!

103 - DSC06306

104 - DSC06307

109 - DSC06313

110 - DSC06314

111 - DSC06315

112 - DSC06316

 

Missão cumprida! Bora descansar para o outro dia!

 

 

22/06/2009

 

Esse dia fomos passear pela ilha, parando em alguns lugares, incluindo o jardim botânico.

114 - DSC06411

115 - DSC06412

118 - DSC06415

119a

120 - DSC06417

126 - DSC06423

129 - DSC06426

130 - DSC06427

131 - DSC06428

132 - DSC06429

133 - DSC06430

 

Aqui já dentro do Jardim Botânico

134 - DSC06431

136 - DSC06433

140 - DSC06437

140a -

145 - DSC06443

147 - DSC06445

149 - DSC06447

152 - DSC06451

156 - DSC06455

157 - DSC06456

158 - DSC06457

159 - DSC06458

161 - DSC06460

164 - DSC06465

166 - DSC06467

167 - DSC06468

168 - DSC06469

169 - DSC06470

171 - DSC06472

172 - DSC06473

174 - DSC06475

176 - DSC06477

178 - DSC06479

179 - DSC06480

181 - DSC06482

182 - DSC06483

183a -

184 - DSC06485

185 - DSC06486

186 - DSC06487

188 - DSC06489

189 - DSC06490

192 - DSC06493

194 - DSC06495

195 - DSC06496

196 - DSC06497

197 - DSC06498

198 - DSC06499

199 - DSC06500

202 - DSC06503

203 - DSC06504

204 - DSC06505

205 - DSC06507

206 - DSC06508

208 - DSC06510

209 - DSC06511

213 - DSC06515

216 - DSC06518

219 - DSC06521

221 - DSC06523

222 - DSC06524

223 - DSC06525

224 - DSC06526

227 - DSC06529

228 - DSC06530

229 - DSC06531

230 - DSC06532

232 - DSC06536

234 - DSC06538

236 - DSC06540

237 - DSC06541

238 - DSC06542

239 - DSC06543

240 - DSC06545

241 - DSC06546

248 - DSC06553

249 - DSC06554

251 - DSC06557

252 - DSC06558

253 - DSC06559

254 - DSC06560

259 - DSC06565

261 - DSC06567

262 - DSC06568

267 - DSC06574

268 - DSC06575

269 - DSC06576

270 - DSC06577

271 - DSC06578

272 - DSC06579

274 - DSC06581

275 - DSC06582

277 - DSC06584

279 - DSC06587

282 - DSC06591

 

Depois fomos conhecer o norte da ilha

283 - DSC06592

286 - DSC06595

287 - DSC06596

289 - DSC06598

291a -

293 - DSC06602

295 - DSC06606

 

 

23/06/2009

 

Logo cedo já saí para mais 2 mergulhos.

296a -

 

Mais uma vez as condições estavam muito boas e foram dois ótimos mergulhos!

 

 

303 - DSC06329

304 - DSC06331

305 - DSC06332

306 - DSC06333

307 - DSC06337

309 - DSC06339

318 - DSC06345

320 - DSC06347

321 - DSC06350

325 - DSC06358

326 - DSC06359

329 - DSC06365

340 - DSC06366

341 - DSC06367

 

Aqui mais um exemplo da diferença de fazer isso em países de primeiro mundo… Um cardume de golfinhos cruzou nosso barco e o instrutor disse que quem quisesse cair para nadar com eles, estava liberado… Ele apenas passou algumas rápidas instruções e estávamos liberados!

296 - DSC06321

 

Aqui no Brasil os caras nem sonhariam em permitir isso, como eu já presenciei.

Bom, claro que peguei minha máscara e me joguei na água.

Foi sensacional!

342 - DSC06368

298 - DSC06324

 

Depois Descemos para o segundo mergulho

343 - DSC06373

344 - DSC06376

346 - DSC06380

349 - DSC06383

350 - DSC06385

353 - DSC06388

354 - DSC06389

356 - DSC06392

357 - DSC06393

358 - DSC06394

361 - DSC06398

362 - DSC06401

364 - DSC06404

365 - DSC06405

366 - DSC06406

367 - DSC06408

367a -

E assim encerrei meus mergulhos na Big Island!!!

 

De tarde ficamos curtindo o hotel e a região por ali.

368 - DSC06607

370 - DSC06609

371 - DSC06610

373 - DSC06614

374 - DSC06615

377 - DSC06618

378 - DSC06619

380 - DSC06621

381 - DSC06622

383 - DSC06624

386 - DSC06627

387 - DSC06628

389 - DSC06630

389a -

390 - DSC06631

394 - DSC06635

396 - DSC06637

399 - DSC06640

400 - DSC06641

401 - DSC06642

402 - DSC06643

403 - DSC06644

407 - DSC06649

408 - DSC06650

412 - DSC06655

413 - DSC06656

414 - DSC06657

415 - DSC06658

 

24/06/2009

 

Tiramos esse dia para conhecer o Parque Nacional dos Vulcões.

420 - DSC06667

422 - DSC06669

 

Um lugar impressionante com vários vulcões ativos e um cenário maravilhoso!

423 - DSC06670

424 - DSC06671

426 - DSC06673

428 - DSC06675

 

Também caminhamos pelos túneis de lava (Lava Tubes), que são túneis esculpidos pela lava procurando um lugar para sair!

429 - DSC06676

433 - DSC06680

 

A natureza no local é impressionante, especialmente por pensar que estamos basicamente em cima de pedra!

437 - DSC06684

440 - DSC06687

441 - DSC06688

442 - DSC06690

443 - DSC06691

445 - DSC06693

449 - DSC06697

450 - DSC06700

451 - DSC06701

452 - DSC06702

 

Aqui estamos dentro da cratera de um vulcão ativo…

455a -

459 - DSC06709

461 - DSC06711

 

Quando de repente surge esse arco íris que fica somente dentro da cratera

457 - DSC06707

463 - DSC06713

 

Realmente isso é quando a natureza sorri para você!!!!!

464 - DSC06714

465 - DSC06715

469 - DSC06719

 

Passamos praticamente o dia inteiro dentro do parque

475 - DSC06728

476 - DSC06729

477a -

 

De noite fomos ver a lava de um vulcão em erupção que fica constantemente derramando lava na ilha.

 

478 - DSC06732

478c -

 

As fotos ficaram muito ruins, mas a cena de ver a lava descendo do vulcão é espetacular!

 

480 - DSC06736

481 - DSC06738

484 - DSC06747

 

Impressionante e lindo!

486 - DSC06751

487 - DSC06752

488 - DSC06753

489 - DSC06754

493 - DSC06772

494 - DSC06773

 

25/06/2009

 

Era nosso último dia inteiro e decidimos sair para explorar as praias da ilha.

 

Saímos rodando curtindo a natureza!

São muito pássaros por lá!

500 - DSC06780

501 - DSC06781

502 - DSC06782

505 - DSC06785

506 - DSC06786

507 - DSC06787

510 - DSC06791

512 - DSC06793

515 - DSC06796

516 - DSC06797

517 - DSC06798

518 - DSC06799

519 - DSC06800

521 - DSC06802

522 - DSC06803

524 - DSC06805

527 - DSC06808

528 - DSC06809

530 - DSC06811

544 - DSC06827

547 - DSC06830

543 - DSC06825

549 - DSC06833

551 - DSC06835

555 - DSC06840

556 - DSC06841

557 - DSC06842

 

Praias de pedras vulcânicas de todas as cores!

535 - DSC06816

534 - DSC06815

536 - DSC06817

525 - DSC06806

526 - DSC06807

526a -

 

Bichos…

532 - DSC06813

563 - DSC06848

566 - DSC06851

 

Árvores…

533 - DSC06814

554 - DSC06839

 

Um lugar para ver os Petroglifos das civilizações que viviam lá há centenas de anos atrás.

537 - DSC06818

538 - DSC06819

539 - DSC06821

 

Paramos em praias de areia branquinha e água muito gostosa.

540 - DSC06822

541 - DSC06823

545 - DSC06828

 

São muitas por la!!!

565 - DSC06850

550 - DSC06834

553 - DSC06837

 

Aqui uma praia de pedras vulcânicas bem branquinhas!

560 - DSC06845

561 - DSC06846

 

Essas “lagoas” são áreas preservadas que possuem ligações subterrâneas com outras lagoas.

558 - DSC06843

559 - DSC06844

562 - DSC06847

 

E por fim ainda vi algumas ondas havaianas que são bem mais raras nessa época do ano!

569 - DSC06854

570 - DSC06855

 

 

26/06/2009

 

Dia de se despedir do Hawaii!

A Big Island é um lugar único! Lugar onde a natureza não está para brincadeira!!!!

Espero voltar um dia!

571a -

 

Chernobyl

Olá amigos viageiros!

 

Aqui vai o relato de minha visita à Chernobyl!

 

Para me seguir lá no Insta…

Instagram: @profissaoviageiro

 

 

Só um aviso, se apagar a luz você vai perceber que esse relato brilha no escuro!!! Hahaha!

 

Visitar Chernobyl foi algo sensacional! Um passeio único com muitas experiências diferentes e histórias da União Soviética que são incríveis!

 

O que me levou a visitar um lugar desse?

Tudo começou com uma conversa com um amigo inglês. Ele mencionou e eu já adorei a ideia!

Aquilo é uma amostra do que aconteceria com a Terra se do dia para a noite os humanos simplesmente fossem embora daqui. A natureza voltaria a tomar conta do que é dela, engolindo a bagunça que deixamos para trás.

Impressionante ver um lugar daqueles e ouvir tantas e tantas histórias do que rolou naquele lugar.

 

Essa visita foi feita em 23/11/2017

 

Esse tour só é permitido com uma agência de turismo regulamentada. Existem algumas que oferecem o passeio. Não tem tanta diferença de uma para outra e a maioria delas oferece a opção também de passar a noite dentro da zona de exclusão.

 

Bom, vamos lá…

 

Para quem não sabe, em 26 de Abril de 1986 o reator 4 da Usina Nuclear de Chernobyl explodiu e causou o pior acidente nuclear do mundo até hoje.

O governo soviético tentou esconder o ocorrido até que outros países da Europa, como a Suécia (beeeem longe de lá), por exemplo, perceberam que algo estava bem errado. Só aí eles admitiram o acidente.

Tinha muita coisa acontecendo completamente fora do controle deles. Após alguns dias eles evacuaram as cidades vizinhas à usina e posteriormente criaram 2 áreas de exclusão.

Em um raio de 30km da usina inicia a primeira área de exclusão. A segunda a 10km da usina, com uma contaminação bem pior.

 

São tantas histórias insanas que escutamos lá que nem sei se consigo reproduzir todas aqui… Mas o negócio foi bem tenso.

A usina ficava a menos de 3km da cidade de Pripyat, uma cidade modelo que a União Soviética usava como exemplo de como o patético regime socialista “funcionava muito bem”. O Governo sempre levava delegações de outros países para se hospedarem lá, tentando impressionar com a estrutura da cidade.

Morar em Pripyat era muito bom mesmo. Segundo a nossa guia, lá surgiu o primeiro supermercado da União Soviética inteira e era o único lugar que o governo sempre abastecia para não deixar faltar alimentos e outros itens. Inclusive isso estava causando algum desconforto para os moradores de Pripyat, pois pessoas de outras cidades da União Soviética viajavam centenas de quilômetros para fazer compras lá, o que gerava filas intermináveis nesse mercado que se alongavam pelo meio da cidade! Como em todo bom regime socialista/comunista as pessoas não tinham nada em suas cidades e preferiam isso a passar fome ou necessidade de itens básicos.

O governo demorou mais de 24 horas para iniciar a evacuação de Pripyat, e só fez isso quando a radiação já estava em níveis absurdos.

O governo preferiu não falar a verdade para a população. Os moradores foram informados que a evacuação era temporária e por isso alguns não levaram muito mais do que a roupa do corpo… Nunca mais voltaram para casa. Por isso que ainda se vê muitos itens pessoais nas casas do jeito que foram deixados a mais de 30 anos atrás.

 

As histórias do que se refere ao controle do acidente, como conter as chamas do reator e isolar a radiação, são bizarras.

As pessoas ainda não entendiam muito bem os efeitos da radiação. Esse trabalho foi feito por voluntários e membros do exército (que não tinham muita escolha). Impossível imaginar que algum deles saiu sem sequelas desse trabalho.

As pessoas responsáveis por esse trabalho receberam o nome de Liquidadores.

Diziam que a radiação era tão forte que até a cor dos olhos mudava nos trabalhadores que ficavam dentro da usina depois de algumas horas de trabalho.

Máquinas chegavam a quebrar devido a exposição da radiação.

Foi algo absurdo!

 

Bom, vamos à visita…

 

O Tour começa em Kiev logo cedo. Pegamos uma van e vamos em direção norte.

O primeiro check point é para entrada na zona de exclusão do raio de 30 Km. Temos que parar, descer e sermos identificados pelos membros do exército que ficam lá.

001

002

003

 

Dentro dessa parte da zona de exclusão a radiação ainda não muda muito no ar. O principal problema está no solo.

Durante todo o tour não podemos apoiar nossas coisas no chão, encostar em plantas ou qualquer outra coisa.

 

Vamos então parando em alguns vilarejos no caminho para ver o que sobrou deles.

005

007

008

010

011

013

015

016

019

 

Basicamente todas as casas que eram feitas de madeira foram demolidas e enterradas. Não é possível descontaminar madeira, então o jeito foi demolir e enterrar. As de alvenaria ainda estão de pé.

Existem alguns cachorros soltos dentro da zona de exclusão que são alimentados basicamente pelos turistas e trabalhadores de lá.

Também existem muitos outros animais soltos, inclusive se não me engano lá é um dos poucos lugares do mundo que existem cavalos selvagens.

Eu não vi nada além de cachorros e pássaros.

004

012

 

Aqui as tábuas de madeira foram arrancadas. Aparentemente até boas tábuas de madeira não era fácil de conseguir, então elas podem ter sido tiradas para serem reutilizadas em outro lugar.

Outra explicação é que as pessoas na época não colocavam seu dinheiro no banco, pois o justíssimo sistema socialista poderia confisca-lo sem grandes explicações. Então as pessoas escondiam o seu dinheiro em baixo do piso de suas casas. Como durante a evacuação muitos saíram correndo e nem levaram seus pertences, algumas pessoas voltaram paras as casas abandonadas e tentavam achar dinheiro em baixo dos pisos para roubá-lo.

018

 

Paramos em umas 2 ou 3 vilas antes de chegar na cidade de Chernobyl. Lá até que está conservada, porque as pessoas que trabalham dentro da zona de exclusão usam Chernobyl como base, além do hotel que se pode passar a noite também ficar lá. Então é um visual um pouco diferente do que se vê no resto do passeio. Chernobyl até que está “arrumadinha”.

021 (2)

023

027

029

 

A foto está péssima, mas esse é um monumento onde cada uma das vilas dentro da zona de exclusão está representada por esses círculos. Na verdade o resto do monumento está atrás de mim.

024

 

Aqui estão os nomes de todos os moradores de Chernobyl que tiveram que deixar a cidade durante a evacuação,

 

028 (2)

028

 

Nosso almoço foi servido aqui, no refeitório de uma “pousada”.

Não se pode comer nada ao ar livre aqui. Toda a comida que é servida tem que vir de fora da zona de exclusão.

Só por garantia deixei meu medidor de radiação (Contador Geiger) ligado do lado das coisas que estava comendo!

030

 

Depois do almoço fomos tirar umas fotos com os uniformes e equipamentos do pessoal da nossa agência.

031

032

033

 

No meu tour também estava incluído dirigir o carro deles, um Lada top de linha que um Ucraniano que estava no passeio contou que um modelo daquele na época da União Soviética tinha fila de espera de até 20 anos!!! Hahaha!!!!!!! Viva o socialismo!!!!

Bom, pisaram na bola e não teve o rolê no Lada. No final do tour eu reclamei formalmente sobre isso.

Mas pelo menos tirei umas fotos no carro!

038

043

 

Bom, depois disso que começa a parte mais tensa do passeio. Entrando dentro da zona de exclusão do raio de 10Km.

Mais um lugar que temos que sair do veículo e o pessoal do exército de novo confere um por um.

Desse ponto para frente a radiação no ar já aumenta, e sobe muito em determinados lugares. Muito mesmo!

 

Vamos em direção a Pripyat, fazendo algumas paradas no caminho.

 

Esse é um lugar bem famoso, onde sempre vemos fotos sobre Chernobyl. Aqui era uma escola primária. É um dos lugares mais tristes de se visitar.

 

 

047

051

053

057

058

059

060

061

044

046

 

Depois paramos em um lugar já pertinho de Pripyat onde conseguimos ver os reatores da usina que estavam em funcionamento e também do outro lado os 2 outros reatores que estavam sendo construídos.

069

Essa imensa estrutura metálica é o sarcófago novinho em folha que serve para conter a radiação do reator 4. Ele foi construído para substituir o primeiro sarcófago que havia sido construído para durar 30 anos.

066

Esse novo sarcófago foi criado para durar 100 anos e o que eles esperam é que até lá já se tenha descoberto novas formas de conter essa radiação de uma forma mais eficaz e definitiva. Com o conhecimento e tecnologia de hoje, acho que isso era o melhor que dava para fazer!

 

Aqui dá para ver as chaminés dos outros reatores… O 1 e o 2, da direita para a esquerda, são essas chaminezinhas lado a lado com uma chaminé grande entre eles.

O 3 está dentro dessa casinha e o 4 dentro do sarcófago.

065

068

 

Aqui as obras nunca terminadas dos reatores 5 e 6.

070

071

063

 

Chegamos então na entrada de Pripyat!

A cidade foi inaugurada em 1970 e evacuada em 1986. Tinha aproximadamente 48.000 habitantes na época.

 

073

075

 

Quando entramos na cidade é algo realmente muito louco. A guia ia mostrando as fotos de como era a cidade e nós vamos vendo como está agora… É impressionante!

077

078

079

081

082

083

 

Esse que é o primeiro supermercado da União Soviética!

084

085

 

Vamos entrando em diversos prédios com muito cuidado para não cair em um buraco ou o piso ceder com a gente em cima.

086

087

090

091

089

 

Aqui material político dos soviéticos!!!!

092

093

 

Imagina entrar em um lugar desses de noite!!!!!!!

094

 

Esse era o ginásio de esportes da cidade!

095

096

098

099

100

 

Fomos então para o famoso parque de diversões.

103

105

 

110 (2)

 

Essa é a roda gigante que nunca foi utilizada. Sua inauguração estava marcada para alguns dias após o acidente nuclear.

Hoje ela é um dos grandes símbolos de Pripyat e ninguém nunca deu uma volta nela!

107

111

112 (2)

113 (2)

113

114

115

116

118

 

Essa aqui é a avenida principal da cidade… Assistimos um vídeo dentro da van de como era isso aqui antes… Não dá para acreditar que estamos no mesmo lugar!

122

123

124

125

 

Aqui era um outro complexo esportivo.

127

130

132

133

134

 

Depois disso fomos para o ponto mais próximo do reator. Ficamos a 300 metros de distância da usina que causou o maior acidente nuclear da história!!!!!!

139

Isso é muito louco!!!!

135

137

138

 

Quando saímos de lá passamos pela área mais contaminada por radiação do planeta terra: A Red Forest.

Eu realmente não queria que nossa van quebrasse alí!

 

Quando estamos chegando perto, a nossa guia sem falar nada só liga o medidor de radiação dela e fica mostrando para nós. Meio que sem entender muito todo mundo deixa o próprio medidor ligado…

De repente ela começa a fazer a leitura e todos os alarmes dos nossos medidores começam a apitar… E ela vai lendo…

Dois ponto três… Cinco……. Doze……… Quatorze………. Dezessete…….. Dezoito……… Vinte e dois………..

E o negócio não parava de subir… Isso tudo no meio daqueles alarmes tocando sem parar.

Foi insano!

 

Só como referência, uma radiação considerada “normal” é de 0,1 nessa unidade que nossos aparelhos mediam.

 

Mas foi tudo muito rápido. De repente já tínhamos passado a Floresta Vermelha e tudo voltou ao normal!

Pena que ela não avisou antes e preferiu fazer o mistério, se não teria filmado isso! Sério, foi bem louco!

Mas foi bacana também o suspense!!!!!

 

Isso porque estávamos dentro da van. O veículo protege muito da radiação. As diferenças que eu media de dentro para fora da van eram imensas nos lugares que descíamos. Mesmo dentro das casas o nível de radiação já caía bastante.

Eu fico imaginando a radiação desse lugar, mesmo mais de 30 anos depois do acidente…..

 

De lá partimos para a última grande parada do tour… Uma antena!

 

Mas não era qualquer antena… Era a DUGA, ou DUGA 3!

175

 

Essa anteninha foi construída com propósitos militares em um esquema ultra secreto do governo soviético. O local nem endereço tinha e na estrada que levava até o local da antena eles tentaram dar a impressão que se tratava de um local de acampamento estudantil.

É como se aqueles filmes de espionagem começassem a ganhar vida!

Para eles aquela história toda era muito real…

Realmente se alguém descobrisse aquilo, ia ser difícil de convencer que era só uma anteninha tentando captar uma rádio de sertanejo universitário aqui no Brasil, por exemplo!!!!

 

Olha o ponto de ônibus perto de lá com um ursinho desenhado!

140

 

A entrada era só esse portão, para não chamar muito a atenção

 

141

143

 

Essa antena também ficou conhecida como o pica-pau russo, pois causava interferência de rádio em ondas curtas com um som parecido de um pica-pau por todo o hemisfério norte!

Algumas teorias de conspiração achavam que eram os russos tentando entrar na mente das pessoas!!!

144

 

Na verdade ela servia (ou deveria servir) para identificar lançamentos de mísseis de países inimigos a uma longa distancia, dando tempo de se prepararem para sua defesa.

Aparentemente ela não funcionava muito bem, dando alarmes falsos, por exemplo, o que não deixou o pessoal de lá nada satisfeito, uma vez que o custo para construir aquilo foi algo estratosférico!

Eu é que não queria ser o responsável pelo projeto em uma hora dessas !!!!!

 

No final das contas o que eles deixaram foi uma estrutura bem bonita e imponente, ainda mais em um dia ensolarado de outono!!!

148

149

150

152

153

157

158

159

160

Essa placa de radiação é só enfeite… O local não possui contaminação especialmente significativa!

161

163

164

167

169

 

173

171

179

180

 

Aqui a nossa guia e o atual guardião da antena!

177

 

Mesmo sendo Outono estava muito frio e já nevava bastante por lá.

181

 

Após as instalações ultra secretas do governo soviético, foram só mais duas paradas rápidas….

 

Uma para ver algumas máquinas utilizadas no trabalho de isolamento do reator na época da explosão:

182

 

E um monumento em homenagem aos liquidadores e bombeiros que foram responsáveis por todo o trabalho de combater o incêndio e conter a propagação da radiação:

183

 

Depois disso só paramos nos check points para medição de radiação em nosso corpo e roupas…

Eram máquinas muito velhas! Espero que estivessem funcionando bem e não deixaram eu voltar para casa com um tênis cheio de radiação!

185

186

 

E foi isso! Foi assim meu dia em Chernobyl. Um dia cheio de experiências, histórias e aprendizado! Valeu demais o passeio!!!!!!

Nota 10!!!

 

Se alguém tiver alguma dúvida ou quiser alguma dica, é só falar!

 

Abraço!!!!!

 

187

Enjoy Chernobyl…

… Die Later!

 

Galápagos

Olá amigos viageiros!

Aqui vai um breve relato da viagem que fiz sozinho para Galápagos agora em Fevereiro de 2018.

Qualquer dúvida é só mandar!

 

Então……

As coisas mudam tão rápido na vida…

Essa viagem não foi na data que planejei inicialmente, não foi do jeito que planejei inicialmente e nem rolou todas as coisas que sonhei no princípio, mas no final das contas fiz uma ótima viagem para Galápagos e voltei cheio de recordações incríveis!

 

Foram 8 dias em Galápagos, incluindo os de chegada e saída. Foi correria, principalmente porque conheci as 3 principais ilhas: Santa Cruz, San Cristóbal e Isabela.

 

Fiz tudo da forma mais econômica possível, sem deixar de fazer nada que queria.

 

E assim foi:

 

18/02/2018 – Santa Cruz

Cheguei no aeroporto de Santa Cruz que fica na Isla Baltra ao meio dia, depois de um voo de SP para Lima, Lima para Quito, Quito para Guayaquil e Guayaquil para Baltra. Estava meio cansado!

 

A essa altura já tinha pagado US$ 20,00 em Quito para pegar um formulário de entrada em Galápagos.

Quando chega, já mostra esse formulário e paga mais US$ 50,00 para entrar.

Então antes de ver um passarinho sequer, já se vão US$ 70!!!!

20180218_125014

20180218_130649

20180218_130805

 

Fiz então o caminho da boiada… Primeiro o cachorro do policial cheira algumas malas, dá o seu ok e vamos todos para fora do aeroporto. Quem não tem esquema já arranjado, precisa pegar um ônibus de graça até a travessia entre as ilhas Baltra e Santa Cruz. Faz a travessia de balsa por US$ 1,00 se não me engano e depois pega um ônibus até Puerto Ayora por US$ 2,00 (acho) em uma viagem de quase 1 hora.

Quem quiser pegar um taxi, existem muitas opções lá também. São sempre caminhonetes e se pode compartilhar com outras pessoas, mas se forem turmas diferentes, cada um paga a tarifa cheia e o cara deixa cada um em seu destino.

 

Chegando no terminal de ônibus, existem alguns taxistas lá esperando. Como eu não tinha reservado hotel, fiquei vendo a movimentação da galera… Mas foi tudo muito rápido… Cada um já se pirulitou para dentro dos taxis com os nomes dos hotéis que estavam indo e em menos de um minuto já não havia mais taxis lá.

Nesse momento dei a maior sorte que poderia ter dado nessa viagem. Conheci o César, que estava lá oferecendo o seu hotel para os passageiros que chegavam.

Só tinha ele lá e meio que sem opções aceitei ir com ele conhecer seu hostel. Ele foi muito simpático e disse que se não gostasse ele me deixaria no centro para eu procurar outro lugar.

Bom, cheguei lá e o lugar era muito bom além de que o César e a Alexandra, que eram os donos, eram sensacionais. Negociei uma suíte com TV e ar condicionado por US$ 25 por dia.

Disse que tinha dado sorte, porque o César me ajudou com absolutamente tudo na viagem e economizei uma grana com isso, sem contar que dava tudo certo, pois ele sabia os esquemas! Eles foram muito legais comigo, nem acreditei a sorte que dei!!!!

Deixo aqui os contatos do Cezar, que recomendo muito!

 

Nesse dia eu tentei organizar com eles tudo que queria fazer, descobri que tinha coisas lotadas que não conseguiria fazer (como Isla Bartolomé, por exemplo), e depois saí para o único rolê que dava tempo no dia: Las Grietas e Playa de los Alemanes.

Peguei uma carona com o Cezar até os restaurantes baratos que ele me indicou para comer alguma coisa e depois fui para o píer. Peguei um aquataxi por US$ 0,80 e caminhei até Las Grietas, passando pela Playa de los Alemanes.

Tinha um pessoal lá, mas sem muvuca. Me joguei na água fria e fui até onde dava no fim da formação rochosa.

20180218_155643

IMG_7099

IMG_7104

IMG_7110

 

Já na volta parei na praia Los Alemanes para curtir um pouco.

DSC_0019

DSC_0020

DSC_0023

DSC06494

DSC06496

DSC_0025

20180218_180830

20180218_180933

 

De noite voltei para a rua dos restaurantes para jantar.

20180218_195629

Comi todos os dias aqui. Pagava US$ 5,00 em uma refeição com sopa de entrada, um prato principal e um suco. Ótimo custo/benefício!

20180218_201121

 

 

19/02/2018 – Santa Cruz

 

Nesse dia pela manhã o Cezar me deixou em um lugar para tomar o típico café da manhã de Galápagos: Um Bolón com carne e ovo frito!

20180219_092704

20180219_093610

 

Daí peguei um taxi até a entrada da trilha para Tortuga Bay. É uma bela caminhadinha até chegar na praia…

DSC_0027

DSC_0028

DSC_0029

DSC_0030

DSC_0031

DSC_0032

Quando chega, percebe-se que valeu a pena! Uma praia linda!!!!

Lá se chega pela Playa Brava, e caminhando até o fim dessa praia se encontra a Playa Mansa, onde a maioria da galera monta acampamento.

20180219_104222

20180219_104230

DSC_0035

DSC_0039

DSC_0042

DSC_0057

DSC_0060

20180219_105412

DSC_0062

DSC_0066

DSC_0069

DSC_0072

20180219_110002

DSC_0075

20180219_110937

Eu fiquei a maior parte do tempo entre as duas praias, em uma piscina natural onde várias iguanas nadavam.

IMG_7123

IMG_7128

IMG_7138

IMG_7143

20180219_120138

20180219_120507

DSC06501

DSC06505

IMG_7145

IMG_7155

IMG_7159

IMG_7163

DSC_0094

DSC_0098

IMG_7169

 

De tarde fui fazer o tour nas terras altas com o Cezar. Paguei US$ 50,00.

Lá as tartarugas gigantes vivem em seu habitat natural. Nesse mesmo passeio se vê os Túneis de Lava, e os Gemelos.

Foi muito bacana o passeio… Muito mesmo. As tartarugas são incríveis e conseguimos ficar muito perto delas. Realmente um dos pontos altos da viagem! Queria ter ficado mais por lá.

DSC_0110

DSC06509

DSC06513

DSC_0114

DSC_0119

20180219_161619

20180219_161723

DSC_0120