Cachoeira da Fumaça e Cachoeira do Riachinho – Palmeiras – Chapada Diamantina

Fala Viageiros!

Fui agora em Setembro para a Chapada Diamantina e vou contar aqui um pouco das histórias, deixar umas dicas e o principal, mostrar umas fotos daquele lugar espetacular que passei!

Vai ter bastante foto no meu Instagram: @profissaoviageiro

Não esqueçam de seguir lá! Obrigado!

E dessa vez no YouTube do Profissão Viageiro vai sair mesmo o vídeo da viagem! Quem puder dar uma força lá, agradeço! Começando a página do zero!

Essa viagem foi adiada 3 vezes por conta da pandemia e foi um terror conseguir remarcá-la. Mas finalmente conseguimos embarcar e deu tudo certo.

Foram 8 dias de viagem e o roteiro ficou assim:

SP – Salvador de avião e aluguel de carro em Salvador;

Daí foi de carro: Salvador – Palmeiras – Lençóis – Igatú – Ibicoara – Salvador.

E foi assim:

Dia 1

Nosso voo saia cedo de São Paulo e na hora do almoço já estávamos em Salvador.

Pegamos o carro na locadora do aeroporto mesmo e já caímos na estrada. Como não havíamos almoçado, paramos em um posto para comer alguma coisa só para aguentar até o final do dia.

Daí pegamos a BR e viajamos a tarde inteira em direção à Palmeiras.

Paramos só para um açaí mesmo, porque estava um calor forte por lá!

A estrada é ruim, mesmo no trecho entre Salvador e Feira de Santana, apesar de ser uma estrada pedagiada. Depois de Feira ainda piora um pouco. Muito caminhão e muitos dos caminhoneiros não se preocupam muito com leis de trânsito. Dá para entender o tanto de acidentes que vemos na estrada.

Chegamos já estava escuro e não tinha muito o que fazer. Por sorte nossa pousada servia uma pizza bem gostosa e ficamos por lá mesmo curtindo nossa primeira noite.

Dia 2

Sem muita pressa tomamos nosso café da manhã na pousada. Tivemos que arrumar as coisas e já fazer o check out, pois era a única noite que passaríamos em Palmeiras.

Seguimos então em direção à Cachoeira da Fumaça, que era nossa primeira atração do dia. Saindo de Palmeiras vamos na direção do Vale do Capão. Muita poeira na estrada de terra, mas ela estava ok.

No caminho vimos um cara já mais velho pedindo carona e paramos. Ele era americano e estava no Brasil já há algum tempo. Não falava muito português.

É engraçado ver esses gringos que se mudam para um lugar desses. Imagina a mudança de vida dele… Agora o cara anda com penas e colares!

Acabamos perdendo a entrada da Cachoeira da Fumaça e chegando no Vale do Capão, ou em “The Village”, como o gringo chamava! Estava rolando uma feirinha no centro do lugar. Várias barraquinhas.

Bom, deixamos o nosso amigo lá e voltamos para achar a entrada da cachoeira. Ainda nos perdemos um pouco porque o Google não sabe onde fica a entrada, então ele queria nos mandar para um outro lado que não tinha nada a ver. Ainda bem que perguntamos.

A entrada da Cachoeira da Fumaça fica em uma entradinha meio “disfarçada”. Parece mais a entrada para a casa de alguém do que a entrada para a principal atração da região.

Para entrar na trilha, não existe uma cobrança obrigatória, mas eles pedem uma doação voluntária para ajudar com a preservação do lugar e no combate a incêndios.

Não é obrigatório entrar com guia. Nós fomos sós e foi bem tranquilo.

Bom, aí vem a trilha…

O começo é uma subida sem fim que você já deixa 80% da sua energia do dia nela!

Quando essa etapa é vencida, todo o resto da trilha é plana.

É um passeio bem bonito.

Quando se chega ao final, existem algumas opções para ver a cachoeira de lugares diferentes. Cruzamos o rio e fomos no lugar que é o mais famoso.

Boa parte das pessoas que estavam fazendo a trilha nesse dia estava nesse lugar, que o pessoal aproveita para descansar e comer, enquanto tira as fotos.

Acho que única vantagem de ter guia nessa trilha é que tem o cara para tirar suas fotos lá. Mas como eu levei meu tripé, consegui fazer umas fotos!

A cachoeira estava quase seca. Foi uma época de muita seca na região.

O mais legal disso é que a cachoeira “caia para cima”! Assim que a água começava a cair, o vento já a jogava para cima. Certamente quem estava lá em cima se molhava muito mais do que quem eventualmente estivesse lá embaixo.

Lá é bem bonito, mas certamente estaria mais bonito ainda se a cachoeira estivesse mais carregada.

Depois que tínhamos tirado todas as fotos que queríamos, fomos para o outro lado ver por um ângulo diferente.

Acabamos nem indo até o final aonde o pessoal chegava. Depois de um tempinho ali já iniciamos a volta.

Não esperava que fosse tão cansativo assim. Ainda bem que a paisagem ia nos distraindo. Mas quando chegou o trecho final, e meu joelho já não estava muito contente, aquela descida veio para dar uma castigada.

Quando chegamos lá em baixo paramos em uma vendinha para tomar água de coco e comer um pastel de jaca.

Como ainda estava claro, decidimos ir pegar o pôr do sol na Cachoeira do Riachinho.

Aqui a entrada já é paga. Acho que foi R$ 12 por pessoa. Tinha até que bastante gente lá para ver o pôr do sol, que de fato foi muito bonito.

Eu ainda me arrisquei no poço da cachoeira, mas tem muita pedra. Meio desconfortável andar por ali.

Depois do espetáculo, seguimos para Lençóis.

Continua – Pratinha e Gruta da Fumaça

Pratinha e Gruta da Fumaça – Lençóis – Chapada Diamantina

Dia 2 – Continuação

Chegamos em Lençóis já era meio tarde, mas conseguimos nos arrumar e ir jantar na cidade. Bem charmoso o lugar. Comemos uma carne e estava bem gostosa.

E de barriga cheia, fomos descansar.

Dia 3

Nesse dia o único lugar no roteiro era a Pratinha, mas como tínhamos bastante tempo, após conversar com o pessoal do lugar que estávamos, decidimos ir para a Gruta da Fumaça (ou Gruta da Fumacinha).

A Gruta da Fumaça fica perto da estrada de acesso para a Fazenda da Pratinha, então era bem tranquilo.

A entrada custou R$ 80 para os 2, mas fizemos questão de irmos apenas nós 2 com o guia. Queremos tranquilidade para ver as coisas e tirar as fotos.

Demoramos umas 3 ou 4 vezes mais que o pessoal costumas demorar lá dentro e valeu muito a pena!

No final o nosso guia ainda nos levou em uma parte para relaxar antes de sairmos. Apagamos a lanterna e ficamos sentados no meio daquela escuridão só curtindo o silêncio e os sons da caverna! Foi muito show!!!!

De lá, seguimos para a Pratinha

A Pratinha é sem dúvida o lugar com mais estrutura da região. E tudo é muito bonito por lá.

A entrada estava R$ 60 por pessoa. Ainda pagamos mais R$ 60 para fazer a flutuação dentro da Gruta da Pratinha.

Bom, a primeira coisa foi almoçar antes de seguir para os passeios. Tomamos depois um açaí na companhia dos micos da região!

Fomos então para a Gruta Azul.

No caminho para lá havia alguns guarda-sóis que depois que fomos entender que eram para a galera que fica na fila… Aquele lugar na temporada deve ferver de um jeito insano, que o pessoal colocou até guarda sol para proteger o povo. A ideia foi ótima, mas eu tenho pena de quem fica em uma fila daquele tamanho para entrar na gruta.

Chegamos e não tinha ninguém lá. Foi bom porque pude arrumar o circo para tirar umas fotos.

Quando deu 2 horas a galera começou a chegar, porque é o horário que o raio de sol começa a entrar melhor na gruta. Mas nessa hora a gente já estava quase acabando.

Depois ficamos passeando um pouco por lá antes de descer para a Gruta da Pratinha para fazer nossa flutuação.

Quando descemos para a Pratinha, ainda aproveitei para fazer umas fotos de lá. Aquele lugar é lindo.

Na hora eu não tinha ficado muito feliz com o resultado das fotos, mas chegando em casa uma foto de lá que acabou sendo escolhida para imprimirmos em Fine Art um quadro de mais de 1 metro de largura!

Algumas fotos de lá já foram selecionadas e vão estar à venda no meu site de fotografia! Tem cada foto show!

Aí fomos para a flutuação. Achei bem legal! A caverna é grande e a gente vai nadando até ficar bem escuro.

Vimos peixes grandes, caramujos e muitas formações.

Bem bonito!

Depois ainda fui tirar umas fotos de um mirante, antes de darmos a volta para o outro lado do lago.

Esse outro lado do lago também é lindo! Um visual deslumbrante do pôr do sol!

Como nossos planos de ver o pôr do sol nesse dia no Morro do Pai Inácio já haviam ido pelo ralo, continuamos por lá e acabamos jantando lá mesmo.

Pedimos uma carne de sol e estava muito boa!

Um dos proprietários foi lá conversar com a gente e ficou nos contando das coisas de lá. Bem legal.

Inclusive conversamos que eu não havia encontrado o hotel que fica lá dentro nos sites que eu procurei hospedagem. Eles têm um hotel lá dentro da fazenda e deve ser bem bacana passar a noite lá!

Ficou para a próxima.

Dia 4

Já era o dia de deixar Lençóis.

Vou falar que no final das contas, apesar de Lençóis ser a principal cidade da Chapada, eu achei que foi a mais dispensável de todas. Todas as principais atrações estão mais perto de alguma outra cidade. Lençóis tem a vida noturna mais agitada e mais opções de restaurantes, mas honestamente, é completamente possível fazer o rolê todo sem ficar lá.

E eu fico pensando no pessoal que faz tudo saindo de lá… Que tempo mais mal gasto em estrada que vira o passeio dessas pessoas.

Mas a cidade é bem bonitinha, sem dúvida. Gostamos bastante de lá.

Nesse dia antes de partir ficamos andando pela cidade. Tudo muito bonitinho!

Então já com as malas no carro partimos para o Poço Encantado.

ContinuaPoço Encantado e Poço Azul

Poço Azul e Poço Encantado – Chapada Diamantina

Dia 4 – Continuação

Preferi ir ao Poço Encantado antes do Poço Azul pois o horário do raio de Sol do Poço Encantado acaba antes do que no Poço Azul. Mas não adiantou… O raio de Sol parou de entrar na caverna 5 dias antes. No Poço Encantado ele só entra até meados de Setembro e eu cheguei uns dias atrasado.

Esses eram os dois passeios do dia, antes de chegarmos em Igatú.

Esses dois poços, e a Pratinha também, são os passeios mais tranquilos que fui, e consequentemente, os mais lotados. Tinha muita excursão lá nesse dia. Demoramos mais de 2 horas para chegar nossa vez de entrar no poço. Imagino o que deve ser esse lugar durante a temporada…

Era uma galera que certamente não encontraríamos em uma trilha como a da Fumacinha, por exemplo. Muita selfie e pouca trilha!

Acabamos encontrado um lugar mais silencioso e ficamos esperando nossa vez. Aproveitei e fiz umas fotos dos pássaros por ali.

Finalmente chegou nossa vez! Tem uma pequena caminhada e uma entrada meio apertada na caverna. Lá dentro é um show!

Aqui no Poço Encantado não é permitido entrar na água. Só podemos apreciar a beleza de longe.

Valeu bastante o passeio!

Partimos para o Poço Azul então! Pegamos umas dicas para ir por um caminho por dentro e cortar uma boa pernada de estrada.

Achamos bem o caminho e paramos o carro na abeira do rio. Atravessamos o rio a pé e fomos comprar nosso ingresso.

Mas lá tinha o mesmo problema… Era muita gente antes de nós e iria demorar muito.

Eu vi que eu iria perder aqui também o raio de sol entrando na caverna, mas então fui falar com o pessoal lá.

Pedi para descer apenas com minha câmera e fazer umas fotos antes do raio ir embora. O pessoal foi muito gente boa e liberou!

Aliás, o tempo inteiro fomos muito bem tratados pelo pessoal de lá! Estão de parabéns!

Depois das fotos eu voltei lá para cima para esperar minha vez de descer. Foi bom que deu tempo de almoçar e sair para fazer umas fotos.

No Poço Azul podemos entrar na água e ficar lá uns 15 minutos fazendo flutuação naquele lugar lindo!!!!

Na hora de ir embora ainda paramos para curtir o pôr do Sol na beira do rio.

Partimos então para Igatú.

ContinuaIgatú

Pantanal de Marimbus e Cachoeira do Roncador – Igatú e Mucugê – Chapada Diamantina

Dia 4 – Continuação

Não tínhamos ideia de que Igatú era tão fora das vias principais. A cidadezinha tem dois acessos e com uma estrada bem complicada. Uma delas é inteira de pedra, e outra uma boa parte de pedra. Tem que andar muito devagar, se não é capaz do carro desmontar ali. E a última coisa que a gente precisa nessas viagens é um carro quebrado em um lugar isolado.

Bom, chegamos já era meio tarde, mas ainda deu tempo de tomar um banho e sair para comer.

Não tinha muita opção ali. Acabamos parando para comer em um lugar de açaí. Estava bem gostoso!

Dia 5

Acordamos com calma, fui andar um pouquinho na pousada e depois tomar café.

A primeira parada do dia era o Pantanal de Marimbus. Depois da viagem a 20km/h na estrada de pedra, pegamos a estrada principal e logo chegamos lá.

Pagamos o ingresso logo na entrada e descemos até a beira do rio para encontrar nosso guia.

Estava bem tranquilo esse dia. Tinha pouca gente ali.

Encontramos o guia e fomos para a água!

O lugar é bem bonito! É impressionante aquele tanto de água em um lugar tão seco!

Depois de um tempo paramos em uma parte mais rasa para ficar curtindo e tomando banho no rio.

Depois iniciamos a volta por um caminho um pouco diferente.

E foi isso! Um passeio diferente. Lá não é tão bonito como outros mini pantanais que existem por aí (Como o Tanquã aqui em Piracicaba, por exemplo), mas mesmo assim valeu muito o passeio! Certamente voltaria.

Na saída paramos para comer um pouco na vendinha que tem na entrada e pegamos as dicas de como chegar na Cachoeira do Roncador.

Existia uma chance de atolar o carro nesse caminho e era necessário prestar muita atenção para não errar o caminho…

Infelizmente algo não saiu como o planejado, e o carro atolou……………

Eu fiquei enfurecido na hora. A entrada para desviar da areia fofa não era tão clara e eu como estava prestando atenção no chão para não cair em um buraco, acabei não vendo a entrada e o carro imediatamente atolou.

Foi treta essa hora. A gente já tinha andado bastante e não tinha muita opção a não ser voltar tudo aquilo até a estrada e tentar pedir alguma ajuda lá. Celular ali não pega nem em sonho.

Depois de algumas tentativas frustradas de mover o carro, já estávamos nos arrumando para andar quando um cara com uma 4×4 passa por esse caminho que estávamos. O cara não queria muito parar para não correr o risco de atolar também, mas acabou parando. Ele acabou falando que iria tentar tirar o carro com uma corda que ele tinha e se não desse certo ele iria ver se nos dava uma carona até algum lugar para pedir ajuda.

Na primeira tentativa a corda quebrou….. PQP!!!!!!!

Mas o que sobrou ainda dava para mais uma tentativa… Arrumamos o nó direitinho em baixo do carro para ver se dessa vez não dava zica e fomos para a última tentativa…

E inacreditavelmente o carro saiu!!!!

Nossa senhora, foi um alívio que eu nem consigo explicar.

Esse cara deve ter sido provavelmente a única pessoa que possou por aquele caminho no dia inteiro… Talvez em mais de um dia… Foi um negócio divino!

Depois disso, já pelo caminho certo, decidimos continuar o rolê até o Roncador.

Por esse caminho, temos que parar o carro 6km antes da cachoeira e seguir a pé, pois não tem como cruzar o rio de carro (Já bastava um atolamento no dia).

Bom, lá vamos nós…

Foi bem cansativo. Chegamos já pedindo arrego no restaurante que é a porta de entrada da cachoeira.

Antes de seguirmos, decidimos almoçar ali.

Eu estava só o pó.

Bom, fomos então para a cachoeira!

O lugar é bem legal. Vários poços se formam que dá para ficar curtindo igual uma jacuzzi natural.

Tudo ali é muito escorregadio e não é tão simples ficar andando por ali, mas com cuidado dá para ver tudo!

O sol já estava se pondo e, “pra variar”, fomos os últimos a ir embora!

Só que aí vem aquela lembrança… São 6km de volta até o carro que nenhum de nós 2 estava a fim de andar. A Tati já logo lançou uma ideia nos caras do restaurante e arrumamos um cara de moto para nos levar até a margem do rio!

Pqp, ela conseguiu e isso salvou o dia!!!!!!

Eu fui primeiro e depois ele foi buscar a Tati. Ele cobrou R$ 70 para levar nós 2. Foi um ótimo negócio para nós 3!!!!

Tocamos de volta para Igatú, ainda com medo do carro atolar, pq tem trecho que se bobear, carro comum atola, mesmo não sendo a parte que já é proibitiva. Teve uma hora que o carro embicou na areia que subiu areia até pelo teto do carro!!!! Hahahaha! Foi treta! Não sei como não deu nenhuma merda!

Daí fizemos a estrada de pedra de noite. É legal como passeio! Tem muito animal na beira da estrada!

Já na cidade fomos jantar em um restaurante bem legalzinho!

Nós ficamos nas mesas do lado de fora e em um determinado momento a gente vê um reboliço em uma das mesas……

Era uma cobra que tinha passado por cima do pé de um dos clientes! Hahaha!

A galera começou a correr de lá, e eu correr para lá! Eu queria uma foto da cobra!

E consegui!!!

Depois da aventura eu só fica chamando o gato para ficar do meu lado lá!!! Hahaha!

Aí depois o dono foi sentar lá conosco para conversar um pouco! Foi bem bacana e a comida estava ótima!

Dia 6

Acabei acordando super cedo e fiquei esperando a hora do café tirando umas fotos no hotel. Era um lugar bem legal!

Daí saímos para conhecer a cidade.

Igatú é conhecida como a cidade de pedra e realmente foi uma ótima ideia ter conhecido a cidade. É diferente de tudo e muito charmosa! O nosso hotel era ótimo e tivemos tempo de andar por lá. Valeu mesmo!

Então fechamos as malas e saímos em direção à Cachoeira do Buracão. De lá iríamos para Ibicoara, que é a cidade mais estruturada ali da região.

No caminho paramos no Cemitério Bizantino de Mucugê.

ContinuaCachoeira do Buracão

Cachoeira do Buracão – Ibicoara – Chapada Diamantina

Dia 6 – Continuação

Depois que chegamos em Ibicoara, ainda pegamos um belo chão até a entrada do Parque Municipal onde fica a Cachoeira do Buracão. Mas no final estava certo o caminho, porque cheguei a duvidar disso. Muito isolado e sem absolutamente nenhuma indicação de placas ou qualquer coisa.

Lá pagamos a taxa de entrada (R$ 15 por pessoa) e como não tínhamos guia, a menina da recepção chamou um para nós.

O guia chegou e fomos estacionar o carro para iniciar a trilha.

Ali tudo é muito bonito. É uma trilha muito legal.

No caminho paramos para ver a cachoeira de cima! É bem legal ali!

Depois uma bela descida e mais uma caminhada até o ponto de deixar as coisas e cair na água.

Temos que deixar todo o equipamento extra lá e ir até a cachoeira por dentro da água! É bem legal!

O guia vai por fora se agarrando nas pedras com uma bolsa estanque levando máquina fotográfica e carteiras.

Vamos nadando no meio daquele canyon maravilhoso!

E no final, quando a cachoeira finalmente aparece, e um negócio irado!!!!

Fomos até debaixo da cachoeira para recarregar todas as energias possíveis…

Depois ficamos nas pedras apreciando aquela cachoeira linda, nos recuperando e tirando umas fotos.

Na volta fomos pelas pedras também.

Paramos então na Cachoeira das Orquídeas.

Curtimos um pouco antes da última pernada até voltar para o estacionamento.

Então tomamos mais um suco por lá e seguimos para nossa pousada. A pousada ficava em um lugar bem bonito, um pouco antes de chegar no asfalto.

De noite fomos até a cidade. Não encontramos muitas opções e a cidade estava com umas obras gigantes e então estava até meio complicado de rodar por lá. Fomos em um restaurante mais arrumadinho que encontramos e tivemos uma janta muito boa!

Como não encontramos mercado aberto, pegamos uma pizza para viagem que seria nosso almoço do dia seguinte. Passaríamos o dia inteiro na Cachoeira da Fumacinha e não tínhamos nada para comer. A pizza foi a melhor ideia!

ContinuaCachoeira da Fumacinha

Cachoeira da Fumacinha – Chapada Diamantina

Dia 7

Acordamos de madrugada para a trilha mais pesada da viagem. O pessoal da pousada foi muito gente fina e colocou café da manhã só para nós muito cedo ainda!

Nesse dia fomos acompanhados pelo guia Murilo (Bizil) e achamos ótimo.

Chegamos cedo e começamos nossa caminhada… No nosso ritmo, tirando fotos, olhando a paisagem… Tudo bem tranquilo!

Como é época de seca fizemos uma boa parte do caminho dentro do leito do rio.

É tudo muito lindo por lá.

No caminho vamos fazendo algumas pequenas paradas para recuperar o fôlego.

Todo o tempo com novas aventuras!

Inclusive uma parte temos que escalar uma parede de pedras para continuar.

No caminho existe uma fonte de água mineral que com ajuda de algumas folhas podemos nos refrescar pelo caminho!

E o caminho vai ficando cada vez mais lindo!

E então passa por nós a primeira revoada de andorinhas, que na verdade se chamam Taperuçu de Coleira Branca (Streptoprocne zonaris). Nossa, foi muito bacana! Elas vivem na fenda da Cachoeira da Fumacinha, mas conforme as primeiras pessoas vão chegando lá, elas saem em bandos e passam o dia fora, voltando só no final da tarde.

Elas passam por nós resgando! Fazendo aquele barulho de vento! É muito bonito assistir isso!!!!!

Então caminhamos mais um pouco e chegamos na entrada da fenda onde fica a cachoeira. Que lugar!!!

Sempre Vivas

Para entrar aí sem ser nadando, tem que se agarrar nas pedras e ir fazendo um malabarismo ali… Complicadinho o negócio!

Mas depois disso tudo, vem a recompensa!

Uma das cachoeiras mais lindas que eu já vi em toda minha vida! Sem dúvida nenhuma!

Depois de um tempo contemplando essa obra divina, a Tati criou coragem de entrar na água. Coragem porque é uma das águas mais geladas que eu já entrei. É muito fria mesmo!!!

Depois foi minha vez de encarar.

Eu acabei criando coragem e fui até de baixo da cachoeira. Que experiência maravilhosa!!!

Na volta estava tão frio que cheguei a ficar preocupado… Mas foi tudo bem!

Quando voltamos o Murilo havia feito um delicioso café para nós que foi a melhor coisa para esquentar!

Ainda ficamos um bom tempo por lá e depois fomos tirar umas fotos instagramers na tradicional pedra que fica na frente da cachoeira.

O Murilo é tão preparado que até uma escadinha para ajudar na subida da pedra ele tem!

E aí, toma-lhe foto!

E então chegou a hora triste do passeio… A hora de ir embora.

Juntamos nossas coisas e partimos. Uma longa caminhada nos aguardava

Logo que saímos da parte mais fechada do canyon, o Murilo já avistou uma linda moradora local…

Seguimos então nosso caminho.

Mas pouco tempo depois, a botinha da Timberland da Tati abriu inteira no meio da trilho. Era uma bota com pouquíssimo uso e simplesmente se abriu inteira.

Como pode uma bota dessa que custa uma fortuna simplesmente perder a sola no meio de uma trilha dessas?

Por sorte o Murilo tinha uma cola justamente para situações como essa e consertou a sola da bota dela.

Foi muita sorte estarmos com ele, porque ainda faltavam muitos quilômetros e sem a sola da bota ela estaria em apuros num lugar como esse.

Com a botinha reparada, seguimos nessa trilha incrível.

Paramos então para um último banho de cachoeira na Cachoeira do Encontro. É um lugar lindo que fechou com chave de ouro essa trilha!

Ficamos lá o quanto foi possível! E ainda ganhamos mais um café, que caiu muito bem com o resto da nossa pizza!!!!!

Tínhamos que partir, mas não antes sem tirar uma última foto… E a foto acabou sendo uma das minhas fotos preferidas!

Essa aí vai virar um enorme quadro em casa e na casa de quem mais quiser uma cópia! Já foi direto para minha galeria de Fine Art à venda.

Nosso caminho de volta ainda foi acompanhado do cachorro que mora na região e que todos os dias vai até a cachoeira para ganhar umas guloseimas dos turistas! Ele já é velhinho, mas pelo que contam, não falha nenhum dia!

Como éramos um dos últimos e ele já era conhecido do Murilo, ele foi nos acompanhando a volta inteira!

Ainda fizemos uma última parada antes do sprint final!

E no final das contas, fizemos o final da trilha no escuro. Não conseguimos chegar antes de anoitecer. Foi legal essa parte noturna do passeio, mas ainda bem que já era relativamente no final!

Como prêmio ainda paramos na casa de um conhecido do Murilo bem na saída da trilha para tomar um caldo de cana e comer ovos caipiras cozidos!

E foi isso. Não poderia ter sido melhor nosso último dia de passeios pela Chapada Diamantina!

Dia 8

Era o dia de voltar para casa. Era um longo caminho até Salvador para pegarmos nosso voo.

E foi isso, foram 1.700 km rodados de carro, mais uns 100 a pé!!!

Aproveitamos muito e esperamos algum dia poder voltar para fazer os passeios que não couberam nesse tempo.

E é isso! Se alguém tiver alguma dúvida e qualquer coisa que eu puder ajudar, é só falar!

Não esqueçam de seguir lá no insta: @profissaoviageiro.

Abraço viageiros!

Porto Seguro

Fala Viageiros!

Vou contar um pouco dessa deliciosa viagem para o Sul da Bahia no início do ano.

Mas antes, quem puder, segue lá a página no YouTube e no Instagram: @profissaoviageiro

Ficamos 15 dias entre o extremo sul, em Caravelas onde fui fazer o mergulho em Abrolhos, e Ilhéus, de onde meu voo retornava.

É a segunda vez que fui para essa região, mas dessa vez pude conhecer mais lugares lindos ainda pelo caminho, como Cumuruxatiba, que não tive a oportunidade de conhecer da primeira vez.

As principais cidades/praias que passamos foram: Porto Seguro – Caravelas – Prado – Cumuruxatiba – Caraíva – Trancoso – Arraial d’Ajuda – Ilheus.

A partir daí exploramos as principais praias e passeios dessas regiões.

E foi assim:

Dia 1

Cheguei em Porto Seguro já bem tarde. Fui direto para a pousada para descansar, o que não consegui fazer muito bem. O quarto não tinha nenhum isolamento acústico e os adolescentes durante a madrugada e os funcionários da pousada durante o início da manhã simplesmente não pararam de fazer barulho. Foi uma noite muito mal dormida.

Pela manhã tomei café, que estava ok, e saí para passear pela cidade. Fui andando até perto da balsa, passando pela Passarela do Álcool!

Fui para Porto Seguro na formatura do 3º colegial e aquele lugar só trazia lembranças boas!!!!

Na volta paramos em mercado e farmácia para comprar as coisas que precisavamos para seguir viagem.

Então fomos até o Aeroporto para pegar o carro e iniciar a viagem rumo ao sul. Acabei dando muita sorte e consegui um upgrade. Peguei uma Pick Up Toro que realmente foi muito melhor que o carro pequeno que havia alugado. As estradas são terríveis!

Bom, com tudo certo, parti para o sul! Amanhã é dia de mergulho em Abrolhos!!!

Continua: Caravelas (Abrolhos)

Caravelas (Abrolhos)

Dia 2

Era o dia do mergulho em Abrolhos.

Já havia deixado tudo organizado com antecedência com a operadora de mergulho que escolhi. Lá em Caravelas existem algumas que fazem o passeio.

O que acontece é que algumas não fazem o bate e volta no mesmo dia, e isso já limita um pouco a oferta. Outro detalhe é que não é todo dia que existem saídas para o bate e volta. Sendo assim, é importante para quem tem o tempo contado, fazer a reserva primeiro antes de organizar o roteiro, porque nem sempre vai encontrar saída no dia escolhido.

Para dormir embarcado lá em Abrolhos, existem opções de 2, 3, 4 dias. Até mais caso alguém queira é possível encontrar.

Quando fui da primeira vez para lá, fiz o de 2 dias. Dessa vez foi no bate e volta mesmo.

Bom, para chegar lá no horário, tive que acordar absurdamente cedo. A estrada estava linda com a névoa no meio dos coqueiros e o sol nascendo ao fundo… Lindo!!! Mas não tem nem acostamento na estrada, então não quis arriscar parar o carro no canto da estrada. O pessoal lá não é muito bom de volante e o horário ainda sugere gente com sono dirigindo!

Me encontrei com o pessoal da agência no píer de Caravelas e lá descobri que a menina que tinha feito minha reserva não tinha anotado que eu iria fazer o mergulho…… Inacreditável…

A sorte é que deu tempo do pessoal da agência ir buscar o equipamento e no fim eu consegui fazer o mergulho, mas fiquei bem puto na hora.

É um longo caminho até Abrolhos… Nessa lancha que é considerada rápida, foram 3 horas.

Andorinha do Rio – Tachycineta albiventer

Durante o trajeto não tem muito o que ver, especialmente em época que não é das baleias visitarem a região, mas quando chega lá, vale todo o cansaço!

A água do mar é maravilhosa! Todo o arquipélago é muito bonito! Um lugar especial!!!

A maioria das pessoas do barco não iria mergulhar, então logo que parou o pessoal já partiu para um snorkel perto de uma das ilhas, e eu me juntei a eles enquanto não chegava a hora do meu mergulho.

Estava cheio de tartarugas nesse lugar. Muito lindo!

Tartaruga Verde – Chelonia mydas
Peixe Cofre – Lactorrphyes polygonia
Peixe Frade – Pomacanthus paru
Arraia de Fogo – Dasyatis marianae

Depois fui chamado de volta ao barco para me arrumar para o mergulho. Diferente de muitos outros lugares, eles faziam apenas 1 cilindro o pacote. Mas beleza…

A parte ruim foi na hora que pulei na água… Minha câmera fotográfica travou e não funcionou o mergulho inteiro… Bem decepcionante!

Mas o mergulho foi lindo. Foi um mergulho raso, mas cheio de vida em uma água maravilhosa!

De volta ao barco o almoço estava pronto. Estava boa a comida.

Também fiz algumas fotos das aves do arquipélago:

Frente: Rabo de Palha de Bico Vermelho – Phaethon aethereus / Fundo: Atobá Pardo – Sula leucogaster
Atobá Grande – Sula dactylatra
Fragata – Fregata magnificens

Fomos então para perto de outra ilha onde um casal iria mergulhar novamente e enquanto isso fui fazer um snorkel. Mais uma vez muito bonito o lugar.

Peixe Bodião Azul (Papagaio Azul) – Scarus coeruleus

Depois o barco partiu lentamente passando pelas demais ilhas e aproveitei para tirar umas fotos.

Essas cabras que são algo muito louco lá!

Normalmente se pode descer em uma das ilhas para passear e ver as aves bem de pertinho, mas dessa vez por conta da pandemia a descida estava proibida.

Como tudo para empresas estatais é motivo para fechar, não trabalhar e não pensar, essa pandemia está ajudando muito nessas metas de empresas públicas. Então estava proibida a descida em uma ilha inabitada!

Bra zil zil zil!

E foi isso. Depois de algumas horas muito bem aproveitadas iniciamos nossa volta. Mais 3 horas até o píer de Caravelas.

Então seguimos para Prado, onde passamos os próximos dias.

Continua: Prado

Prado

Dia 3

Esse dia ficamos em Prado mesmo e pegamos praia na Praia Novo Prado.

A praia tem estrutura de restaurantes e uma longa faixa de areia. Passamos uma tarde bem gostosa lá.

A praia estava bem tranquila e fizemos até umas fotos mais bacanas por lá!

De noite fomos para o point de Prado, o Beco das Garrafas!

Andamos por lá e escolhemos um restaurante bacana para jantar.

E fomos pras cabeças! Pedimos um Camarão na Moranga para 4 pessoas! Hahaha!

A Tati come muito pouco, então minha missão era comer por 3 pessoas e meia! Hahahaha!!!!!

A missão foi árdua! Eu comi em um nível digno de programa de TV – Man X Food, versão Prado! Hahaha!

Bom, fiz o que podia, mas ainda sobrou um restinho. Sobrou bem pouco, mas foi realmente muita comida!

Eu tenho um bom histórico de suor de carne, mas hoje foi dia de suor de camarão!!!! Cheguei de volta à pousada molhado de suor e sem conseguir me mexer direito!!!

E foi isso, preciso me recuperar dessa orgia!

Dia 4

Esse dia era da visita ao Parque Nacional do Descobrimento, que fica em Prado.

Lá a visita é guiada e eu fiz a reserva com alguma antecedência com o pessoal. Foi bem tranquilo.

O parque estava deserto. Nós éramos os únicos visitantes do dia. Tudo bem que era época de pandemia e isso obviamente diminuiu muito as visitas, mas mesmo assim, o parque é muito pouco visitado em tempos normais. Não dá para entender…

Fora do Brasil, qualquer pracinha arrumadinha ganha divulgação e recebe um monte de visitantes. Aqui, esses locais são esquecidos, mesmo sendo tão bacanas.

O parque não tem uma estrutura boa, consequência óbvia de qualquer administração pública nesse país. Nem banheiro para visitantes tem. Tivemos que usar o banheiro dos funcionários.

Já as pessoas foram ótimas! Desde a reserva da data até depois da visita que ainda tive contato com eles. Todos muito simpáticos e prontos para nos ajudar.

Nosso guia foi o Márcio e adoramos ele! Foi muito legal ter feito o passeio com ele!

Fomos com meu carro parando nas atrações do parque.

Primeiro paramos na linda Gameleira e ficamos lá um tempo contemplando aquela linda obra da natureza!

Depois paramos na torre de observação de incêndios do parque, onde um elevador (que está quebrado) leva o pessoal da brigada de incêndio para um observatório bem alto onde se tem uma ótima visão do parque e de eventuais focos de incêndio.

De lá fomos para um mirante e ficamos curtindo um pouco aquele verde sem fim!

Iraúna de Bico Branco – Cacicus solitarius

Em seguida fomos para o lago que fica logo abaixo do mirante. O lugar é bonito e ficamos um tempinho por lá, aproveitando para tomar um lanche.

A partir de lá saí para andar um pouco pelo parque e tirar umas fotos.

Ariramba de Cauda Ruiva – Galbula ruficauda

Saímos para mais um trecho de carro onde também aproveitamos para descer um pouco e caminhar pela região.

Depois voltamos para o lago e ficamos por lá.

Voltamos então para a entrada do parque para a última trilha do passeio, a Trilha do Macaco.

No final ainda batemos um papo com o Marcio sobre o parque e ele nos contou a história dele como guia. Eu vou postar isso lá no meu YouTube em breve!

Eu ainda fiquei ali na região da entrada do parque tirando umas fotos de aves antes de ir embora. Até que rendeu algumas fotos!

Coleirinho – Sporophila caerulescens
Figuinha de Rabo Castanho – Conirostrum speciosum

E foi isso, fomos embora com a vontade de voltar em breve para explorar mais esse lindo parque!

Praia de Guaratiba – Prado

Como ainda tínhamos algumas horas de sol, fomos para a Praia de Guaratiba, no sul de Prado.

A praia é bonita e bem grande!

Eu cheguei pela entrada principal, que não fica dentro dos condomínios de lá, que são predominantes por ali.

Paramos no restaurante/barraca logo na entrada da praia para pedir algo para comer. O lugar já estava perto da hora de fechar e o cara era muito chucro. Eu quase tive que pedir desculpar por querer gastar meu dinheiro com ele! Inacreditável!

Aí como não tinha muita opção, fomos procurar outro lugar e recebemos a indicação que dentro dos condomínios havia restaurantes abertos na beira da praia.

Encontramos um lugar bem bonito e apesar do horário conseguimos comer e fomos bem atendidos.

De bônus estava rolando um Rock N’ Roll dos bons no som! Eu não gosto de música na praia, mas um bom Rock não tem como reclamar!

O peixinho estava ótimo!

Depois de comer fomos tirar umas fotos porque a luz já estava ficando ótima!

E assim encerramos o dia. De noite voltamos para o centrinho para jantar e passear um pouco.

Não foi das melhores experiências porque paramos em um barzinho fora do Beco das Garrafas, bem na praça principal da cidade.

A galera da cidade leva suas caixas de som para os bares e liga na maior das alturas, independente se outras caixas já estão ligadas e os carros na frente já estejam com seus porta-malas abertos com som no último volume.

Quando percebi estava no meio de um inferno sonoro e pedi para o pessoal do bar embalar para viagem minhas coisas e fomos embora o mais rápido possível.

Comi no hotel e já logo capotei!

Continua – Cumuruxatiba: https://profissaoviageiro.com/2021/10/02/cumuruxatiba/

Caraíva

Dia 8

Infelizmente já era hora de deixar Cumuruxatiba. Realmente adoramos Cumuru! Saímos já fazendo planos de quando voltaríamos!

Tomei café da manhã, dei uma última voltinha e parti!

Antes de cair na estrada, tive a experiência de usar um “posto de gasolina” local. Hahaha!

Esse era em uma mecânica. A gasolina vem em garrafas pet de 2 litros. Sensacional!!! Hahaha!

Não vou negar que para alguém que mora em São Paulo como eu moro, isso não seja um pouco impressionante… Abastecer o carro com garrafas pet e um funil no meio da cidade na porta de uma loja que armazena essa gasolina sei lá em que condições e por quanto tempo… É bem bizzaro! Um belo choque de realidade desse nosso Brasil.

O outro Brasil não consegue nem aprovar lei que libera o sistema de self service em postos oficiais e fiscalizados, igual é nos EUA…

Bom, vencida essa etapa, parti para Caraíva.

No caminho tive que parar para fotografar essa obra de arte!

Quando cheguei em Caraíva, fiquei assustado como aquele lugar mudou. Gente para todos os lados, estacionamento lotado, ônibus de excursão… Minha nossa!

Aí parei o carro, deixei algumas coisas que não iria usar dentro do carro e fui para a travessia. Existe uma casinha que cobra um ticket ecológico para entrar, mas não é obrigatório. Eu acabei pagando, mas não precisava.

Só tem que pagar a travessia para o pessoal já dentro do píer.

Quando chega do outro lado, o pessoal vem oferecer de levar as malas e as pessoas de charrete.

Eu sou absolutamente contra o uso de charrete. Tudo que escraviza um animal, eu sou contra. Decidi não pegar e levar eu mesmo. Foi uma decisão complicada… Minha pousada era meio longe e andar naquela areia fofa com a mala na cabeça foi muito complicado… Muito mesmo!

Para quem não sabe, Caraíva é uma vila de pescador que virou point. Pousadas para todos os lados. A vila não tem asfalto, é uma areia bem fofa por toda a vila, que as pernas ficam queimando se andar muito por lá.

Praticamente não existem carro na vila. O que tem além das charretes são os buggys que o pessoal usa como taxi, mas eles não ficam rodando por lá, então é bem difícil de pegar um se não for lá no centrinho.

Nesse dia acabei indo na praia lá em Caraíva mesmo. A praia lá é bonita, mas existem outras mais bonitas na região.

Pegamos um pôr do sol incrível por lá!

Saí já de noite da praia e acabei parando em um restaurante bem movimentado no centrinho, na beira do rio.

Aí foi uma cervejinha e um delicioso pastel de arraia que animou minha noite.

Daí foi só caminhar até a pousada e dormir

Dia 9

Dia de visitar a Praia do Espelho.

Tomei um café em um lugar bem na frente da pousada. Depois parti para a travessia do rio para ir buscar o carro.

Ferreirinho Relógio – Todirostrum cinereum

Não é muito longe o caminho até a Praia do Espelho. O estacionamento lá é pago.

Um amigo meu estava hospedado lá no Espelho e fui encontrá-lo assim que cheguei.

Gigi!

Essa é outra praia que está tão diferente desde a última vez que vim. Cheia de gente para todos os lados.

Depois de um tempo ali na muvuquinha eu acabei indo para o outro lado da praia, cruzando o rio.

Essa parte da praia eu gostei muito mais. É uma parte quase deserta. No mar um monte de tartarugas marinhas!

Foi bem mais bacana ficar desse lado e aproveitei para fazer umas fotos da Tati por lá.

Mais para o final do dia a praia já estava bem mais tranquila e fui caminhar pela praia.

E assim o dia foi acabando.

Na hora de ir embora ainda paramos no mirante e também na vendinha que fica no estacionamento. Aí mandamos um creme de Açaí com Cupuaçu. Uma delícia!

Já em Caraíva fomos jantar mas estava tudo tão absurdamente caro que resolvemos mandar só um lanche e ir dormir.

O problema é que nessa noite teve uma festa em uma praia que para se chegar tinha que passar na frente da minha pousada. A pousada não tem absolutamente nenhum isolamento acústico e a noite inteira ficou passando gente falando alto e buggys barulhentos que pareciam estar dentro do quarto. Foi difícil de dormir essa noite.

Dia 10

Já era o dia de ir embora de Caraíva, mas ainda deu tempo de visitar a Prainha. A Prainha é uma praia de rio bem bonita no lado oposto do centrinho.

Peguei um buggy para chegar lá, pois era uma caminhada razoável.

Chegando lá foi uma grata surpresa. A Prainha é linda! E não tinha quase ninguém lá esse dia. Estava maravilhoso!

Aí enquanto eu estava fotografando uns pássaros, aconteceu uma coisa bem chata. Acabei fazendo um resgate de um filhote de passarinho.

Teve uma festa na noite anterior aqui na prainha e tinha muito saco de lixo com as coisas da noite anterior espelhadas por aqui. Eu estava passando e achei bem estranho uns barulhos de passarinho vindo de um monte de saco de lixo. Acabei parando para investigar, mas eu achei que era algum pássaro tentando comer restos que estariam em volta dos sacos. Procurei um monte e não achei nada. Foi quando percebi que o barulho vinha de dentro do saco!

Acabei vendo uma pequena movimentação dentro do saco e chamei a Tati para me ajudar e filmar tudo.

Tinha muita garrafa em cima dele, qualquer coisa poderia fazer as garrafas mexerem e esmagarem o pobrezinho. Ainda bem que a coleta de lixo não tinha chegado ainda.

Eu realmente não faço ideia de como ele foi parar dentro do saco de lixo. Ele era muito bebezinho ainda.

Os pais estavam por perto respondendo aos chamados, mas sem poder fazer nada.

Então depois que eu o tirei de lá, fiquei procurando algum lugar seguro para deixá-lo. Não encontrei nada muito bom, então fizemos um “ninho” com uma toalha velha que achamos por lá e colocamos ele dentro.

Os pais já correram levar comida para ele, que estava morrendo de fome!

Ele até que ficou uns minutos por lá, mas logo já pulou e foi para o mato. Subiu em um galho e por lá ficou.

Ele é um Papa Capim de Costas Cinzas – Sporophila ardesiaca.

Papa Capim de Costas Cinzas – Sporophila ardesiaca

Não tinha muito mais o que fazer, mas ele aparentemente estava bem. Acho que ele era muito novo para estar fora do ninho e não é fácil sobreviver assim tão pequeno solto na natureza, mas ele estava lá e os pais estavam por perto levando comida… Sei lá. Ele já conseguia se empoleirar bem e eu acho que só podia torcer para o melhor.

Papa Capim de Costas Cinzas – Sporophila ardesiaca

Fiquei feliz de estar atento e poder ajudar esse nenenzinho! Espero que ele tenha ficado bem!

Suiriri – Tyrannus melancholicus Vieillot
Bentevizinho de Penacho Vermelho – Myiozetetes similis
Saí Azul (Fêmea) – Dacnis cayana
Sabiá da Praia – Mimus gilvus

Aí infelizmente chegou a hora de voltar para poder seguir viagem. Como não tinha como chamar um buggy, fui andando até a pousada. O problema foi que a areia estava pegando fogo naquela hora. Mesmo com o chinelo foi um sofrimento até chegar na pousada, pois a areia é fofa e o pé afundava até a metade.

Aí na hora de ir para o centro para pegar o barquinho para a travessia, não resisti e chamei uma charrete para nos ajudar. Eu não tinha condições nenhuma de carregar aquela mala na volta. Mas para não sobrecarregar o cavalinho, eu fui andando do lado. O importante era aquela mala chegar lá!

A ideia nesse dia era conhecer a Praia do Sahy. Como já era meio tarde, parei em um lugar para almoçar e pensar no que fazer no dia.

Acabei parando em uma pousada que servia comida que o dono era um cara bem bacana!

Comemos bem, curtimos um som, e o cara nos levou para ver a vista de Caraíva lá do fundo do terreno dele.

Ele nos aconselhou a não ir para a praia nesse dia, porque a maré já estava cheia. Ele ainda nos arrumou de nos levar de carro para a praia no dia seguinte. A opção que 90% das pessoas fazem é ir caminhando desde Caraíva. Ir de carro era show!

Fogo Apagou – Columbina squammata

Continua – Trancoso: profissaoviageiro.com/2021/09/03/trancoso/