Peru, Bolívia e Chile – Parte 6

26/05/2009 – Dia 11 – Copacabana / La Paz

Contratamos o passeio para a Ilha do Sol direto como o pessoal do barco, na beira do lago. O Lago Titicaca em Copacabana é realmente mais bonito do que em Puno.

O cara não avisa, mas eu perguntei das cobranças que os “locais” fazem na ilha e o cara que vendeu o ticket falou que iriam me cobrar $ 10 na parte norte e $ 5 na parte sul. Até aí, tudo bem… Já sabia que não teria muito como escapar disso.

O caminho até a ilha é lindo e o lago lá da ilha é mais lindo ainda! Quanta beleza! Vale muito conhecer a ilha e principalmente fazer o trekking da parte norte para o sul, ou vice-versa.

 

Agora esse negócio da cobrança de “pedágios” na ilha, os caras estão abusando… Cheguei pelo lado norte e já se vão 10 bolivianos, mas pelo menos lá tem as ruínas… É assim que eles justificam a cobrança. Aí você sai andando para o lado sul e tem um cara e uma mulher te cobrando. É no meio do nada essa cobrança. E a “coitadinha” da tribo que estava nos cobrando teve que interromper a conversa para bater um papo no celular… Lá eles chamaram aquela parte de “Caminho Eterno dos Incas” ou algo do gênero. Bom, lá se foram mais 5 bolivianos.

Eu achei que esse já era o último… Andamos um pouco e tinha uma casinha com uns 4 caras que conferiam se tínhamos pago esses 5 para a mulher do celular.
Uns 100 metros depois já tem outro orelha seca cobrando mais 5 para você entrar na parte sul… Aí eu perdi controle…

Tirei todos os tickets que estavam no meu bolso, mostrei para ele e saí andando… Ele veio atrás e tentou entrar na minha frente para me parar. Aí me curvei para ficar da altura daquele toco de amarrar jegue, engrossei a voz, e disse bem claro para ele que não ia pagar, indo em direção a ele… Pela cara dele, não tinham muitas pessoas que fizeram isso antes!!!

Bom, ele saiu rapidinho da minha frente e disse que todos estavam pagando, que a tribo dele era outra e que lá na frente me cobrariam por isso.
Eu disse que então pagaria para as pessoas lá na frente e fui embora. Minha namorada e a Gracila vieram rapidinho atrás de mim.

Lá na frente ninguém me cobrou nada e ficou por isso mesmo. O único problema é que o barco na volta pára em um lugar que não sei bem o que é, onde o pessoal pode descer para tirar umas fotos. Acho que é tipo um museuzinho ou uma ruína… Não sei bem, pois não quis descer. Mas a Gracila desceu e não pôde entrar, pois precisava do recibinho desse último infeliz. Ainda bem que no lugar não tinha nada de interessante. A galera desceu e em 3 minutos já estavam de volta.

Eu sei que 5 bolivianos não é nada, mas o abuso dessa galera que incomoda. Não tem um banheiro, nem nada. Eles simplesmente se acham no direito de cobrar dos turistas para andar sem oferecer nada. Como é pouquíssimo dinheiro, principalmente para europeus e norte americanos, a galera vai pagando.
Então eles juntam um pessoal, fazem um recibo (todos tinham), e vão cobrando da galera.

Nessa altura, ainda nas minhas primeiras 24 horas de Bolívia, meu amor por eles já era incrível!!!!! Hahaha!!!!

Na volta compramos os tickets de ônibus para La Paz, fizemos umas compras e embarcamos rumo a La Paz.

 

La Paz

Chegamos tarde da noite em La Paz… O caminho até lá é chato… Tem até uma travessia de balsa que não pode ir dentro do ônibus… Tem que descer e pagar (claro) um barquinho para te atravessar… Aí tem que andar por umas ruas escuras e passando na frente de uns bares desses de bebuns até encontrar o ônibus do outro lado.

Quando chegamos, pegamos um taxista que foi bem tranqüilo, pois tinha um pouco de receio disso lá naquele horário. Ele nos levou até um hotel na Calle Sagarnaga e ficamos lá mesmo. Era um hotel mesmo… Ficava parede com parede com uma das companhias dessas mais famosas que fazia o Downhill… Acho que a Xtream. Tinha uma agência de turismo dentro do hotel.

27/05/2009 – Dia 12 – La Paz

Fomos cedo à agência e descobrimos que os passeios para o Chacaltaya estavam lotados… Fomos a outra agência na mesma rua e também estava lotado…

E eu indo na do pessoal de não reservar nada!!!!! ::quilpish::

Eu teria que ir ao Chacaltaya nesse dia, pois no outro eu faria o Downhill. Então acabamos conseguindo fechar com uma das agências um tour privado para o Chacaltaya… Nossa, ficou muito mais caro que o normal… Mas pelo menos poderia conhecer o famoso Chacaltaya!

Após alguns telefonemas, uma briga entre as mulheres das agências que tentavam nos convencer a fazer o tour privado com uma e não a outra e alguma demora, chega o taxista que faria o tour com a gente.

O cara andava a 15 por hora com o taxi… Chegamos lá e não tinha ninguém… Sei lá onde foram parar todos esses tours que estavam lotados… Bom, pela demora do cara , já deviam estar em casa de volta…

Realmente lindo o lugar. Uma vista incrível e paisagens de tirar o fôlego.

Depois fomos para o Vale da Lua. Nada a ver com o Vale da Lua do Atacama… Eu curti o lugar… Realmente incrível as formas e contornos do lugar! O único mal era que já existem casas praticamente dentro desse lugar… Os caras não estão nem aí, vão construindo e ninguém faz nada… Igual aqui!!!!

 

Na volta o motorista passa por uns bairros mais nobres de La Paz, que realmente eram bonitos, mas nada de mais.

Chegando no hotel, nos despedindo do taxista e tal, agradecendo muito pelo passeio com ele e todas essas coisas, ele já lança… “Então, agora vocês tem que me pagar $ 100,00” Que???????????? Como assim??????

“É que já passou da hora do almoço e o que estava pago era só até as 12 horas…”

Eu já fiquei puto, comecei a pegar minhas coisas e falei com pouquíssima educação que não iria pagar nada, pois isso não era o que tinha combinado com a agência… Não tinha nada de horário e se ele queria mais que fosse cobrar da agência.

Ele disse que não, que eu tinha que pagar, que não era assim………

Quando ele viu que eu não ia pagar mesmo ele disse então que pelo menos pagasse o almoço dele… Só que aí, já era tarde meu amigo… Se tivesse falado isso antes, na boa, certamente eu teria pago… Só que quis dar de espertão, se fode!

Para vocês terem uma idéia, no meio do passeio, o cara vê um lugar onde os caras lavam o carro da galera (uma espécie de lava-rápido, mas no meio da rua e com uma mangueira e bucha só) e me pára lá com a gente dentro do carro sem falar nada… Olha para a gente e manda… “Vou lavar o carro”. Desce, fala com os caras e os caras começam a lavar o carro com a gente dentro no meio do passeio…

Não podia acreditar naquilo… Depois que eu percebi… Ele estava enrolando para poder lançar essa da hora do almoço… Que desgraçado…
Depois também parou para calibrar os pneus na maior calma do mundo e quando paramos para comprar água, ficou um tempo lá conversando com os caras…

Bom, ficou sem nem gorjeta.

De noite fizemos compra nas lojinhas que eram bem pertinho do hotel… Um monte delas! É aquele Mercado das Bruxas. Mas na verdade é na rua mesmo, então não é bem um mercado!

 

28/05/2009 – Dia 13 – La Paz

Esse era o dia do tão esperado Downhill pela “Estrada mais perigosa do mundo”, a Ruta de la Muerte!

Era a estrada antiga que ligava La Paz a Coroico e pelo número de cruzes na beira da estrada, foi a última estrada de muita gente.

A Débora não fez esse passeio e foi com a Gracila ver as ruínas perto de La Paz. Ela gostou do passeio.

 

Eu fechei com uma agência qualquer na rua do hotel mesmo o passeio… Percebi que era tudo muito parecido. Os preços também. Eram 3 tipos de bicicleta. Eu peguei a intermediária. Chegando lá, adivinha se me deram a que escolhi… Claro que não! Eles levaram a básica…
Falei um monte para a mulher que estava lá… Eles tinham uma bike reserva que era a mais completa… Ela então falou para eu trocar por aquela para não ir reclamar na agência quando voltasse. Topei e beleza…

A companhia que fiz o Down Hill foi a Chacaltaya Tour.

Estava um frio de rachar esse dia… Para se ter uma ideia, tinha uma Inglesa que não aguentou de frio na parte de asfalto ainda e pediu para ir na van… A inglesa não aguentou!!!!!

Vários trechos do asfalto estavam congelados…

O cara que era o guia não estava nem aí para o pessoal… Ele não falou nada… Pegou a bike e se jogou naquela estrada a milhão… Um Israelense que estava conosco foi na cola dele… Eu não me arrisquei… Não andava de bicicleta havia algum tempo e preferi dosar a velocidade em alguns trechos piores.

A mulher vinha com a van atrás… A mulher era uma anta… Não conseguiu tirar quase nenhuma foto descente dessas que eles gravam no CD e nos dão e não conseguia passar uma informação correta da região quando estávamos no carro… Inacreditável… O legal dela é que ela era a cara daquela Marlene Matos do Pânico na TV!!!!!!! Irado!!!
Ainda bem que eu levei uma máquina e consegui tirar duas ou três fotos no caminho…

O Downhill foi insano! Ir para La Paz e não fazer o Downhill é fora de cogitação… Façam!!!! O visual da selva, dos abismos, das curvas é impressionante. E a adrenalina é 100% do tempo! Extraordinário!

Não pretendo voltar para a Bolívia e especialmente para La Paz, mas se um dia voltar, não vou pensar nem meia vez antes de fazer novamente o Downhill.

 

 

 

Foto abaixo da internet… Nesse lugar quando passei estava com muita neblina!

 

29/05/2009 – Dia 14 – La Paz / Iquique / Calama / San Pedro de Atacama

Saímos logo pela manhã em direção ao aeroporto. Foi nossa despedida da Gracila, que ficaria mais uns dias por lá, antes de retornar ao Brasil.

Nesse dia eu voei de La Paz para Iquique… Sacaram???????????????? Sacaram????????? Não? Deixa eu tentar explicar melhor…

Eu saí disso……..

Para isso…….

Ok, não ficou claro… Então vamos lá de novo:

Saí disso…

E cheguei nisso!!!!!!!

Iquique

Quando chegamos em Iquique… Nossa, que alegria! Mal lembrava de como se parecia a civilização!

Deixamos nossa bagagem no aeroporto com a uma moça da Sky Airlines e pegamos um taxi até a cidade para passar o dia. Acidade é bem longe do aeroporto, então o taxi sai caro, mas não encontramos muitas opções ali…

A cidade é linda! Andamos pela praia, fomos até o famoso shopping Zofri, onde almoçamos (a Dé se esbaldava com sucos e salada, opções impensáveis na Bolívia), e depois caminhamos muito pela orla da cidade. Um espetáculo! No final da tarde voltamos para o aeroporto e rumamos para Calama.

 

Calama / San Pedro de Atacama

Em Calama, encontramos o pessoal do transfer Lincancabur e fomos para San Pedro. O nome da pousada que tinha anotado pelos relatos do Mochileiros, o cara nem conhecia, então falei a segunda opção: Hostal El Monte.

Pontos fracos do Hostel: Muito longe do centrinho. Tinha hora que dava uma preguiça de ir para lá, principalmente depois de alguns passeios mais cansativos…

Pontos fortes: Bem limpo; Os donos são muito gente fina e preparam o café da manhã e deixam em um saquinho para quem sai muito cedo. De todos os dias que estive lá, só um o passeio começava em um horário que dava para tomar café na pousada. Todos os outros começavam muito cedo e sorte que tínhamos essa regalia! Tem Wi Fi de graça. O preço é justo.

Anúncios

Peru, Bolívia e Chile – Parte 7

30/05/2009 – Dia 15 – San Pedro de Atacama

Nessa manhã fomos fechar os passeios, inclusive o do Salar, e caminhar pela cidade.

Os passeios em San Pedro fechamos com a Maxim. Fechamos os seguintes passeios:

1 – Salar do Atacama, Vale da Lua e Vale da Morte (½ dia)
2 – Geysers El Tatio (½ dia)
3 – Ojos Del Salar e Lagunas Cejar (½ dia)
4 – Salar de Tara (1 dia)
5 – Vulcão Lascar (1 dia)
6 – Termas de Puritana (½ dia)

Como fizemos todos esses passeios, conseguimos um desconto muito bom! Tem que chorar até não agüentar mais nesses casos! Eles abaixam bem os preços.

Também fechamos o passeio do Salar de Uyuni, pela Cordillera Tour. Esse ficou US$ 150, retornando para San Pedro.

 

No Restaurante do dia a dia! (Olha o Brutus alí!!!)

 

San Pedro

 

Fomos então nessa tarde para o primeiro passeio.

Estava ventando muito esse dia, o que prejudicou um pouco… No vale da morte, por exemplo, nem descemos da Van. Nesse dia já conhecemos o guia Victor. Ele acha um barato ser citado no site Mochileiros!

Lá no Vale da Morte, um guia desceu com a turma dele no meio daquele vendaval e passou pelo Victor e disse: Você tem que fazer tour em Santiago!!!! Hahahaha!

Só vi o pessoal dele sendo arrastado pelo vento… Foi engraçado! 🙂

Depois o Vale da Lua e o pôr-do-sol. No fundo o passeio é legal, mas nada de mais se comparado com os que ainda estavam por vir, então, quando forem fazer, façam esse primeiro, pois os outros são bem mais legais!

 

Salar do Atacama

Vale da Morte

 

Vale da Lua

 

De noite, passear pela cidade e comer bem! Foram assim todas as noites!

Jantei a maioria dos dias no restaurante Adobe, se não me engano. Tinha lareira na parte de dentro, na entrada, e lá na parte de trás, que é aberta. Sempre pedia uma das opções de “prato do dia” do cardápio, que eram bem em conta, fartas e muito gostosas. O atendente era o Brutus (Sim, aquele do Popeye!!!) 🙂

 

31/05/2009 – Dia 16 – San Pedro de Atacama

Fomos ao El Tatio nessa manhã. Frio de -8° e o humor da Débora proporcionalmente negativo!

Nesse dia conhecemos o Evandro (o do relato com link lá em cima!). Ele nos acompanhou por alguns passeios no Atacama e fez o Salar de Uyuni com a gente. Ótima companhia! Gente finíssima!

Tomamos um bom café da manhã quando chegamos lá e aguardamos o nascer do sol para curtimos o espetáculo.

Nesse dia não vimos água jorrando a 2 metros de altura, mas vimos que esse lugar é lindo e vale muito a pena a visita. O fenômeno é muito interessante e o lugar todo fica especial.

 

Não tive coragem de entrar nas águas onde o pessoal se banhava… Que frio!!!!

 

Na volta paramos em um povoado que só vale mesmo para usar o banheiro (Ainda com os efeitos da Bolívia).

 

De tarde embarcamos no passeio que mudou meu conceito a respeito de lugares bonitos. Agora para eu achar que um lugar é bonito, esse lugar tem que se esforçar muito!

Os lugares que visitamos nesse passeio são: Lagunas Cejar e de Piedra, Ojos del Salar e Laguna Tebinquiche.

Em nossa primeira parada, podemos entrar em uma lagoa que de tanto sal, não nos deixa afundar… Poucos corajosos se aventuraram… A água estava congelando! Nesse eu decidi tentar, mas não rolou… Uma pena.
Quando a água seca, fica muito sal grudado no nosso corpo!

 

Depois os Ojos Del Salar. Lá também podia entrar, mas não vi ninguém que se arriscou. Ali a água é doce.
Até uma Alpaca consegue tirar fotos iradas naquele lugar!

 

E por fim o pôr-do-sol na Tebinquiche. Incomparável. Nunca vi nada igual… Nem parecido… Foi um momento para se refletir sobre a vida…

 

Havia poucos Flamingos, mas ajudaram a embelezar mais ainda o lugar… Pena que não tinha um botão de “pause” para aqueles momentos…

 

Ali o chão é só de sal… Uns torrões!

 

Em determinado momento, tinha um idiota caminhando pela lagoa, fazendo ondas e estragando o visual e as fotos… Dessa vez não aguentei e fui falar com o cara.
Bom, ele parou e foi para o outro lado…

Ah, vai se catar!
Quer ficar passeando com o pezinho dentro da água, enche uma piscina regan em casa e molha o pé lá……..
Tem um pessoal muito tosco…

 

Peru, Bolívia e Chile – Parte 9 – Final

05/06/2009 – Dia 21 – San Pedro de Atacama

 

Nesse dia embarcamos para tour pelo Salar de Tara. Foi bem legal o passeio! Paramos em uma laguna congelada que o Victor disse que moram uns 5.000 flamingos no verão. Nesse dia já não tinha nenhum…

 

As outras paradas também foram em lugares bem bonitos…

 

No destino final tivemos um almoço dos mais fartos que tivemos em todos os passeios! E eu estava morrendo de fome. Comi muito!!! E ainda sobrou comida no final!

 

Lugar lindo, com aves muito belas e um último flamingo esquecido… Não sei o que aconteceu com ele… Se é muito novo e não se ligou que tinha que ir atrás dos outros… Se esse era muito esperto e percebeu que sozinho tinha mais comida para ele… Sei lá… Eu sei que o bicho estava lá sozinho… Sorte nossa!

Aí foi só voltar para o hostel bem feliz!!!!

 

06/06/2009 – Dia 22 – San Pedro de Atacama

Levantamos ridiculamente cedo para sair para o incerto hiking no Vulcão Lascar.

No dia anterior tivemos uma conversa com o guia… Cara bem gente boa! Não me lembro o nome dele agora, mas ele era famoso por lá… Nesse dia mesmo ele estava mostrando uma reportagem com ele sobre esses esportes…
Ele falou sobre algumas coisas e disse que sem duvida conseguiríamos chegar até a cratera do vulcão… Explicou alguns procedimentos, nos orientou em relação ao que levar e o que comer na noite anterior… Como seriam nossos passos durante a subida… A velocidade, as paradas… Foi bem detalhista. A Dé estava um pouco mais apreensiva, mas acho que depois da conversa deve ter relaxado um pouco, pois o cara manjava muito e passou uma confiança muito grande para nós.

Fomos nós naquele frio insano que é impossível se acostumar, mesmo depois de 20 dias seguidos de frio bravo…

Junto no carro estava uma européia e um venezuelano que morava na Espanha… Muito engraçado o cara!!! Ele tinha morado com um brasileiro e ficou o tempo inteiro falando palavrões em português com aquele sotaque!!!!! Ele falava muita besteira! Demos muita risada com ele!

Chegamos no ponto de partida ainda antes de amanhecer. O guia nos preparou um café e começamos a nos aprontar.
A cratera do Vulcão Lascar fica a 5.600 metros acima do nível do mar. O carro, segundo o guia, pára por volta dos 4.500.

 

Então começa a subida……..

 

É bruto o negócio… Passo pra cá, passo pra lá e a cratera ainda lá longe… É muito íngreme e respirar ali não é fácil…

 

Três horas e meia depois, antes até do previsto, chegamos até a cratera do vulcão!!! Conseguimos!!!!!!!!!!

Estava exausto, mas extremamente feliz! Subir até a cratera de um vulcão ativo a 5.600 m.a.n.m. não é pouca coisa…

 

O cheiro de enxofre é forte ali…

 

Poucos minutos depois que chegamos já iniciamos a descida. Assim que eu comecei a descer minha cabeça começou a doer muito… E assim foi aumentando até eu chegar no carro… Demorei uns 40 minutos para descer… Quando cheguei lá já estava doendo de um jeito que eu nem sabia que era possível doer…

A Dé acha um moletom meu que estava em baixo dela e me mostra… Eu peguei aquele moletom e enrolei na cabeça na esperança de ajudar em alguma coisa… Já não estava nem raciocinando mais essa hora!

Fora o guia, a Dé foi a única que não sentiu nenhum efeito da altitude… A gringa se queixou um pouco e o venezuelano passou muito mal!

Uma hora que paramos um pouco na volta o cara me some… Olhamos para um lado, para o outro… Nada… Aí vemos ele se levantando de trás do carro após botar absolutamente tudo que tinha no estômago pra fora! Coitado… Estava pior que eu!

Voltei acabado, mas certo de que fiz uma escolha muito acertada de subir lá. Que experiência!

 

 

07/06/2009 – Dia 23 – San Pedro de Atacama / Calama

Esse era o nosso último dia de San Pedro e o transfer viria nos pegar no início da tarde. Ainda tínhamos um último passeio, só para relaxar, nas Termas de Puritana.

Só que as coisas começariam a se complicar nesse dia… 😦

A Débora acordou com um mal estar que não conseguia explicar o que era… Já havia acordado de madrugada por causa disso, mas conseguiu voltar a dormir.

Como não estava bem e não tinha dormido bem, disse então que preferia ficar no quarto para dormir mais um pouquinho e se recuperar… Ela disse que estava bem e que eu deveria ir no passeio. Bom, como estava tudo aparentemente bem, o passeio só durava meio dia e qualquer coisa tinha os donos da pousada que poderiam ajudá-la se fosse o caso, acabei indo sozinho ao passeio.

Só íamos eu e ela. Como ela não foi, fui sozinho com o motorista… Ótimo, assim não precisava ficar lá até a hora do fim do passeio.

O lugar é legal… Inusitado… Aquele monte de água em um lugar absolutamente seco.

É um rio de águas quentes onde existem pequenas piscinas que são extremamente relaxantes… Depois de 22 dias de viagem e um vulcão no dia anterior, era tudo que alguém poderia querer!

 

Fiquei lá umas 2 horinhas e já falei com o cara para irmos embora…

 

Quando cheguei a Débora já havia levantado e tomado seu banho. Estava tudo bem aparentemente…

Bom, tomei meu banho, comemos um monte de coisas que ainda tínhamos e ficamos brincando com os gatinhos da pousada até que o transfer viesse nos pegar.

 

O transfer chegou, colocamos nossas malas, entramos e imediatamente começou um pesadelo para a Débora…

Ela começa a se contorcer de dor… Não tínhamos nem começado a andar direito… E ela gemendo alto de dor no carro… Virava para cá, virava para lá… Sentava, deitava… Dobrava, ficava reta… E a dor não passava.

Eu já imaginava o que era, mas não tinha como ter certeza. Eu só queria saber de chegar o mais rápido possível em Calama.

O pessoal do transfer todo olhando e não tinha muito o que fazer… Uma hora ela estava gritando de dor e os caras pararam para ela descer… Bom, não adiantou muito… Voltamos e falei para ele ir o mais rápido que pudesse.

A mulher do transfer nos emprestou o telefone para ligarmos para o seguro saúde que tínhamos contratado… O pessoal do seguro nos indicou um hospital em Calama.

O transfer deixou primeiro o pessoal no aeroporto e nos deixou na porta do hospital… Entrei no hospital carregando mochilas grandes, mochilas pequenas, câmeras, namorada… Parecia que tinha 6 braços…

Fizemos a ficha e esperamos… Era um Domingo no final da tarde… Não tinha muitos médicos e começou a demorar um pouco o atendimento… Eu fui pedir para apreçar o negócio, mas não adiantou muito… Aí uma mulher que viu ela se contorcendo de dor foi lá e também falou para atender a Dé primeiro… Aí então eles foram lá e pegaram ela… Foi um alívio…

Agradeci a mulher, deixei as coisas atrás de um balcão e fui lá com ela… Nossa, ela estava mal! Gemia sem parar! Tinha uma mãe com a filha nessa mesma sala de pré atendimento… A menininha ficou olhando com uma cara de assustada… Perguntou para a mãe o que ela tinha… “Estás enferma!” Hahaha!

Foi examinada e colheram sangue para analises. O medico era bom… Deu toda atenção para ela… Depois teve troca de turno… Explicamos para o outro medico de novo as coisas, ele recebeu os exames e concluiu o que eu imaginava… Era pedra no rim!

No final das contas, foi um alívio para mim… Temia que poderia ser algo pior…

Bom, mandaram um monte de remédio para a veia dela, principalmente para controlar a dor, e receitou mais uns para comprarmos na farmácia para ela aguentar até chegarmos no Brasil.

Quando ela estava quase para ser liberada, ela ainda estava com dor e pediu mais remédio… Bom, o cara então deu!!!!

Ela ficou grogue!!!!! Lesadinha!!!!!! Haha!
Foi de cadeira de rodas até a recepção do hospital e não conseguiu levantar da cadeira… O médico se despediu, mandou o tradicional “soerte” e esperou ela sair da cadeira para voltar para dentro… E quem disse que ela levantava!!!!!! Hahahaha!
Não sabia nem onde estava!!!!

Demorou, mas tirei-a da cadeira de rodas e coloquei-a na recepção do hospital.

Nisso tudo já se passaram umas 6 horas… Já era madrugada, nosso vôo já tinha pousado em Santiago há tempos e eu não tinha a menor ideia do que iria fazer…

Saí então pela avenida deserta no meio da madrugada em busca de um taxi… Andei um pouco e achei um terminal rodoviário que tinha só um taxi parado na frente. Não tinha escolha… Fui lá falar com o cara… Era um cara meio estranho, mas estava valendo… O taxi dele era todinho revestido por dentro com uma espécie de carpete peludo, tinha luz negra e um mini globo giratório de vidro dentro…

Foi treta, mas não tinha escolha. Arrastei namorada e bagagem para dentro e pedi que me levasse para qualquer lugar que tivesse um quarto para passar a noite…

Deveria ter pensado em algo mais criativo para falar………

Ele me leva em uma pousada bem zuada perto do centro da cidade… Bom, sem escolhas, lá vamos nós.

Nesse momento passei a me sentir em um filme desses classe C que passam na Band na madrugada…
Desci de um taxi daquele e entrei na pousada arrastando a Débora e nossas coisas… O cara da pousada não era nada menos estranho que o cara do taxi… Acomodei a Dé em uma única cadeira que tinha na recepção e fui falar com ele… Parecia aquelas cenas do cafetão com uma mina drogada parando naqueles motéis de beira de estrada na Route 66.

Peguei um quarto e lá fomos nós… Claro que era no andar de cima!!! Lá fui eu e minha “bagagem” completa pela escada!

Nem sei que horas já era isso… Enfim dormimos…

 

 

08/06/2009 – Dia 24 – Calama

De dia a pousada nem pareceu tão macabra assim, mas longe de ser um primor também! Passei um frio desgraçado nessa noite… Não foi brincadeira!

Fomos então à farmácia comprar os remédios para ela e depois para o aeroporto tentar embarcar no próximo vôo para Santiago. Ainda tínhamos esperança de pegar nosso vôo para SP nesse dia.

No aeroporto descobrimos que não havia mais vôos para Santiago naquele dia e não seria possível remarcar a passagem por lá. Teríamos que ir até a loja da Lan no centro de Calama e ver se conseguiríamos marcar nossas passagens para o dia seguinte.

O pior é que como não iria ter mais vôos lá até de noite, o aeroporto ficou vazio em questão de minutos… Não tinha mais ninguém! Encontramos então uma menina que trabalhava lá e ela tinha o numero de um taxista que chamou para ir nos tirar de lá!!!!

Nesse dia arrumamos uma pousada melhor para ficar, remarcamos nossas passagens na Lan e fomos conhecer a cidade. Lá não tem nada para fazer, apesar de ser uma cidade arrumadinha, com algumas opções para comer e fazer compras.

 

09/06/2009 – Dia 25 – Calama / Santiago / São Paulo

Estávamos tranqüilos em relação a dor da Débora, pois o remédio era muito forte e estava fazendo o efeito esperado. Ela ficava tranqüila enquanto sob efeito do remédio… Não precisava nem ajustar o despertador para lembrar a hora de tomar… Chegava na hora do remédio e ela já começava a sentir a dor voltando… Batia certinho com a hora de tomar outro comprimido!

Infelizmente não pude ficar um dia em Santiago como havia planejado… Já estive lá, mas existem alguns lugares que não conheci e gostaria de conhecer. Bom, vai ficar para a próxima.

Nesse dia pouco fizemos… Foram só aeroportos, morfina em comprimido e chegar em casa de noite, completamente esgotados, desidratados, com a saúde abalada e certos de que foi uma das viagens mais especiais que fizemos!

Precisava de umas férias quando cheguei…

The End!

PS.: A Débora tinha 3 pedras em seu rim. Uma foi expelida e outras duas ainda estão lá com ela até hoje… Enquanto não se mexem, vão ficar por lá mesmo!!!