Peru, Bolívia e Chile – Parte 1

Olá amigos!

Passei 25 dias entre Peru, Bolívia e Chile em Maio de 2009.

Após decidir que gostaria de conhecer essa parte da América do Sul, em grande parte por causa das histórias de amigos meus que fizeram, pelo menos uma parte desse passeio, como o Jean e o Léo, e o Eduardo (Malavasy), mas principalmente pelas fotos que vi dos lugares que visitaria, acabei montando um roteiro muito parecido com o que o Eduardo montou. Decidi as cidades que queria conhecer e a logística não me parecia que seria um problema.

No Chile acho que as coisas são mais tranquilas… Qualquer um que despencar lá, mesmo que marinheiro de primeira viagem se vira bem… Já no Peru e principalmente na Bolívia é bom ter informações de qualidade antes de carimbar o passaporte, pois existem grandes chances de uma coisinha ou outra dar errado.
Não é nada de mais também, salvo raras exceções que vemos por aí… Todos foram, curtiram e voltaram… Uns com mais histórias, outros com menos lugares visitados do que poderiam, uns com o budget estourado, outros com uma coisinha ou outra na saúde para se recuperar, mas todos voltam com ótimas fotos, histórias e principalmente lembranças.

Minha viagem estava programada para durar 24 dias, mas acabou que durou 25 por conta de umas pedrinhas que topamos pelo caminho…
Nós passamos pelo Peru, Bolívia e Chile. O roteiro foi:

São Paulo – Lima – Nazca – Cuzco – Arequipa – Puno – Copacabana – La Paz – Iquique – Calama – San Pedro de Atacama – Salar de Uyuni – San Pedro de Atacama – Calama – Santiago – São Paulo

Os trechos de avião (além dos óbvios) foram: Cuzco – Arequipa; La Paz – Iquique; Iquique – Calama; Calama – Santiago.

O trecho Iquique – Calama eu fiz pela Sky Airlines. Tive que fazer tudo por e-mail, pois o site não aceitava pagamento de cartão brasileiro. O preço para estrangeiros não era o mais barato, mas mesmo assim ficou muito mais barato que qualquer outra opção.
Os outros trechos eu peguei uma espécie de passe da América do Sul da Lan. Dava direito a 3 trechos e o preço era praticamente o mesmo que comprar do site chileno. A única obrigação era que os trechos de ida e volta (SP – Lima e Santiago – SP) fossem da Lan. Eu já ia comprar da Lan mesmo, então tranqüilo!

O resto foi de ônibus.

Vou incluir aos poucos os dias da viagem aqui.

Bom, vamos ao que interessa!

16/05/2009 – Dia 1 – São Paulo / Lima

Chegamos em Lima na hora do almoço. Apesar de não ter muita coisa (nada) que queria muito conhecer lá, claro que queria o mais rápido possível deixar as coisas no hostel e correr bater perna na cidade para usar bem as pouco mais de 24 horas que tinha programado para ficar lá. Seguindo alguns conselhos, não fiz reserva em nenhum hostel… Apenas anotei o nome do meu favorito e também de alguns outros só por desencargo de consciência.

Estatisticamente eu não posso ser considerado um cara “sortudo” para essas pequenas coisas do dia a dia… Então claro que essa pousada estava cheia bem nesse final de semana.

Como iria ficar só uma noite lá, achei depois que deveria ter reservado, principalmente para não perder tempo.

Esse lance de não reservar nada antes, para mim é meio furada, principalmente para lugares onde se tem o tempo contado ou não se tem como negociar melhores preços… Não foi o único lugar que me arrependi de não ter feito reserva antes.

Também já logo que chegamos lá, o táxi que era para ser $ 45 (Onde $ é dinheiro local) acabou sendo $ 60, pois um quarteirão antes passamos a avenida onde muda o preço na tabela.

Claro que eu sei que essas coisinhas acontecem com todo mundo todo dia, mas comigo é bem mais que 2 X 1 a proporção como verão a seguir!
Ainda bem que é só nessas coisinhas de nada!

Bom, pousada cheia e já de cara a notícia… Em 2 dias iria ter um “Paro” em Cuzco que deve durar 2 dias… Quão ruim é isso, perguntei… “Se você vai conhecer o Vale Sagrado e Machu Pichu, é bastante ruim”, a menina da agência de turismo que fica dentro do hostel me respondeu…

Aí caiu minha ficha… Eu estava tentando reservar o trem para Machu Pichu no dia que estaria lá e não estava conseguindo… Bem nesse dia não tinha vaga e nem nos próximos. O que aconteceu é que o pessoal que tinha marcado o trem para esses dois dias estava sendo remanejado para os outros dias… Bem os dias que estaria em Cuzco…….

O que rolou então foi que a menina da agência fez o dono da agência ir lá falar com a gente. Ele nos pegou e nos levou até uma pousadinha razoável que tinha mais ou menos perto dali e depois nos levou até a sede de sua agência, em uma galeria de Lima. Ele parecia ser a nossa única esperança de conhecer Machu Pichu nessa viagem. Não queria nem pensar em não conseguir ir até lá…

O cara fez umas 10 ligações até que conseguiu com uma agência de Cuzco uma possibilidade de nos colocar no primeiro trem que sai lá de Cuzco mesmo para Aguas Calientes. Era só uma possibilidade ele disse. Se não desse certo disse que nos devolveria o dinheiro. Bom, não tive dúvida… Fechei lá mesmo e gastei bem mais que gostaria. No final, foi a melhor escolha daquele dia! Quando cheguei lá em Cuzco, vi que não teria nenhuma chance de ir para lá se não fosse por eles! Bom, deu tudo certo e fui para Machu Pichu!!!

A ideia era fazer o tour do Vale Sagrado e não voltar para Cuzco. Sair de Ollantaytambo direto para Aguas Calientes. Dormir lá e subir para Machu Pichu no dia seguinte. Essa é a maneira mais proveitosa e barata de ir até lá. Não foi o que pude fazer…

Por causa dessas mudanças o cara me arrumou um ônibus para Nazca no meio da madrugada, para eu ter tempo de chegar a Nazca, fazer o sobrevoo e no mesmo dia embarcar para Cuzco e chegar na manhã seguinte antes do fechamento das estradas. E assim foi…

Em Lima, o que deu para fazer foi andar pelo bairro de Miraflores, passear um pouco no Shopping de Miraflores e fazer uma espetacular refeição em um restaurante do shopping com vista para o Pacífico. Comi ali o meu primeiro Cevice. Primeiro de muitos… Finalmente meu primeiro momento de alegria extrema na viagem!!!!

 A pousada

  Shopping Miraflores

 Primeiro Pisco da viagem

 Esse acho que não era mais o primeiro………

Anúncios

Peru, Bolívia e Chile – Parte 6

26/05/2009 – Dia 11 – Copacabana / La Paz

Contratamos o passeio para a Ilha do Sol direto como o pessoal do barco, na beira do lago. O Lago Titicaca em Copacabana é realmente mais bonito do que em Puno.

O cara não avisa, mas eu perguntei das cobranças que os “locais” fazem na ilha e o cara que vendeu o ticket falou que iriam me cobrar $ 10 na parte norte e $ 5 na parte sul. Até aí, tudo bem… Já sabia que não teria muito como escapar disso.

O caminho até a ilha é lindo e o lago lá da ilha é mais lindo ainda! Quanta beleza! Vale muito conhecer a ilha e principalmente fazer o trekking da parte norte para o sul, ou vice-versa.

 

Agora esse negócio da cobrança de “pedágios” na ilha, os caras estão abusando… Cheguei pelo lado norte e já se vão 10 bolivianos, mas pelo menos lá tem as ruínas… É assim que eles justificam a cobrança. Aí você sai andando para o lado sul e tem um cara e uma mulher te cobrando. É no meio do nada essa cobrança. E a “coitadinha” da tribo que estava nos cobrando teve que interromper a conversa para bater um papo no celular… Lá eles chamaram aquela parte de “Caminho Eterno dos Incas” ou algo do gênero. Bom, lá se foram mais 5 bolivianos.

Eu achei que esse já era o último… Andamos um pouco e tinha uma casinha com uns 4 caras que conferiam se tínhamos pago esses 5 para a mulher do celular.
Uns 100 metros depois já tem outro orelha seca cobrando mais 5 para você entrar na parte sul… Aí eu perdi controle…

Tirei todos os tickets que estavam no meu bolso, mostrei para ele e saí andando… Ele veio atrás e tentou entrar na minha frente para me parar. Aí me curvei para ficar da altura daquele toco de amarrar jegue, engrossei a voz, e disse bem claro para ele que não ia pagar, indo em direção a ele… Pela cara dele, não tinham muitas pessoas que fizeram isso antes!!!

Bom, ele saiu rapidinho da minha frente e disse que todos estavam pagando, que a tribo dele era outra e que lá na frente me cobrariam por isso.
Eu disse que então pagaria para as pessoas lá na frente e fui embora. Minha namorada e a Gracila vieram rapidinho atrás de mim.

Lá na frente ninguém me cobrou nada e ficou por isso mesmo. O único problema é que o barco na volta pára em um lugar que não sei bem o que é, onde o pessoal pode descer para tirar umas fotos. Acho que é tipo um museuzinho ou uma ruína… Não sei bem, pois não quis descer. Mas a Gracila desceu e não pôde entrar, pois precisava do recibinho desse último infeliz. Ainda bem que no lugar não tinha nada de interessante. A galera desceu e em 3 minutos já estavam de volta.

Eu sei que 5 bolivianos não é nada, mas o abuso dessa galera que incomoda. Não tem um banheiro, nem nada. Eles simplesmente se acham no direito de cobrar dos turistas para andar sem oferecer nada. Como é pouquíssimo dinheiro, principalmente para europeus e norte americanos, a galera vai pagando.
Então eles juntam um pessoal, fazem um recibo (todos tinham), e vão cobrando da galera.

Nessa altura, ainda nas minhas primeiras 24 horas de Bolívia, meu amor por eles já era incrível!!!!! Hahaha!!!!

Na volta compramos os tickets de ônibus para La Paz, fizemos umas compras e embarcamos rumo a La Paz.

 

La Paz

Chegamos tarde da noite em La Paz… O caminho até lá é chato… Tem até uma travessia de balsa que não pode ir dentro do ônibus… Tem que descer e pagar (claro) um barquinho para te atravessar… Aí tem que andar por umas ruas escuras e passando na frente de uns bares desses de bebuns até encontrar o ônibus do outro lado.

Quando chegamos, pegamos um taxista que foi bem tranqüilo, pois tinha um pouco de receio disso lá naquele horário. Ele nos levou até um hotel na Calle Sagarnaga e ficamos lá mesmo. Era um hotel mesmo… Ficava parede com parede com uma das companhias dessas mais famosas que fazia o Downhill… Acho que a Xtream. Tinha uma agência de turismo dentro do hotel.

27/05/2009 – Dia 12 – La Paz

Fomos cedo à agência e descobrimos que os passeios para o Chacaltaya estavam lotados… Fomos a outra agência na mesma rua e também estava lotado…

E eu indo na do pessoal de não reservar nada!!!!! ::quilpish::

Eu teria que ir ao Chacaltaya nesse dia, pois no outro eu faria o Downhill. Então acabamos conseguindo fechar com uma das agências um tour privado para o Chacaltaya… Nossa, ficou muito mais caro que o normal… Mas pelo menos poderia conhecer o famoso Chacaltaya!

Após alguns telefonemas, uma briga entre as mulheres das agências que tentavam nos convencer a fazer o tour privado com uma e não a outra e alguma demora, chega o taxista que faria o tour com a gente.

O cara andava a 15 por hora com o taxi… Chegamos lá e não tinha ninguém… Sei lá onde foram parar todos esses tours que estavam lotados… Bom, pela demora do cara , já deviam estar em casa de volta…

Realmente lindo o lugar. Uma vista incrível e paisagens de tirar o fôlego.

Depois fomos para o Vale da Lua. Nada a ver com o Vale da Lua do Atacama… Eu curti o lugar… Realmente incrível as formas e contornos do lugar! O único mal era que já existem casas praticamente dentro desse lugar… Os caras não estão nem aí, vão construindo e ninguém faz nada… Igual aqui!!!!

 

Na volta o motorista passa por uns bairros mais nobres de La Paz, que realmente eram bonitos, mas nada de mais.

Chegando no hotel, nos despedindo do taxista e tal, agradecendo muito pelo passeio com ele e todas essas coisas, ele já lança… “Então, agora vocês tem que me pagar $ 100,00” Que???????????? Como assim??????

“É que já passou da hora do almoço e o que estava pago era só até as 12 horas…”

Eu já fiquei puto, comecei a pegar minhas coisas e falei com pouquíssima educação que não iria pagar nada, pois isso não era o que tinha combinado com a agência… Não tinha nada de horário e se ele queria mais que fosse cobrar da agência.

Ele disse que não, que eu tinha que pagar, que não era assim………

Quando ele viu que eu não ia pagar mesmo ele disse então que pelo menos pagasse o almoço dele… Só que aí, já era tarde meu amigo… Se tivesse falado isso antes, na boa, certamente eu teria pago… Só que quis dar de espertão, se fode!

Para vocês terem uma idéia, no meio do passeio, o cara vê um lugar onde os caras lavam o carro da galera (uma espécie de lava-rápido, mas no meio da rua e com uma mangueira e bucha só) e me pára lá com a gente dentro do carro sem falar nada… Olha para a gente e manda… “Vou lavar o carro”. Desce, fala com os caras e os caras começam a lavar o carro com a gente dentro no meio do passeio…

Não podia acreditar naquilo… Depois que eu percebi… Ele estava enrolando para poder lançar essa da hora do almoço… Que desgraçado…
Depois também parou para calibrar os pneus na maior calma do mundo e quando paramos para comprar água, ficou um tempo lá conversando com os caras…

Bom, ficou sem nem gorjeta.

De noite fizemos compra nas lojinhas que eram bem pertinho do hotel… Um monte delas! É aquele Mercado das Bruxas. Mas na verdade é na rua mesmo, então não é bem um mercado!

 

28/05/2009 – Dia 13 – La Paz

Esse era o dia do tão esperado Downhill pela “Estrada mais perigosa do mundo”, a Ruta de la Muerte!

Era a estrada antiga que ligava La Paz a Coroico e pelo número de cruzes na beira da estrada, foi a última estrada de muita gente.

A Débora não fez esse passeio e foi com a Gracila ver as ruínas perto de La Paz. Ela gostou do passeio.

 

Eu fechei com uma agência qualquer na rua do hotel mesmo o passeio… Percebi que era tudo muito parecido. Os preços também. Eram 3 tipos de bicicleta. Eu peguei a intermediária. Chegando lá, adivinha se me deram a que escolhi… Claro que não! Eles levaram a básica…
Falei um monte para a mulher que estava lá… Eles tinham uma bike reserva que era a mais completa… Ela então falou para eu trocar por aquela para não ir reclamar na agência quando voltasse. Topei e beleza…

A companhia que fiz o Down Hill foi a Chacaltaya Tour.

Estava um frio de rachar esse dia… Para se ter uma ideia, tinha uma Inglesa que não aguentou de frio na parte de asfalto ainda e pediu para ir na van… A inglesa não aguentou!!!!!

Vários trechos do asfalto estavam congelados…

O cara que era o guia não estava nem aí para o pessoal… Ele não falou nada… Pegou a bike e se jogou naquela estrada a milhão… Um Israelense que estava conosco foi na cola dele… Eu não me arrisquei… Não andava de bicicleta havia algum tempo e preferi dosar a velocidade em alguns trechos piores.

A mulher vinha com a van atrás… A mulher era uma anta… Não conseguiu tirar quase nenhuma foto descente dessas que eles gravam no CD e nos dão e não conseguia passar uma informação correta da região quando estávamos no carro… Inacreditável… O legal dela é que ela era a cara daquela Marlene Matos do Pânico na TV!!!!!!! Irado!!!
Ainda bem que eu levei uma máquina e consegui tirar duas ou três fotos no caminho…

O Downhill foi insano! Ir para La Paz e não fazer o Downhill é fora de cogitação… Façam!!!! O visual da selva, dos abismos, das curvas é impressionante. E a adrenalina é 100% do tempo! Extraordinário!

Não pretendo voltar para a Bolívia e especialmente para La Paz, mas se um dia voltar, não vou pensar nem meia vez antes de fazer novamente o Downhill.

 

 

 

Foto abaixo da internet… Nesse lugar quando passei estava com muita neblina!

 

29/05/2009 – Dia 14 – La Paz / Iquique / Calama / San Pedro de Atacama

Saímos logo pela manhã em direção ao aeroporto. Foi nossa despedida da Gracila, que ficaria mais uns dias por lá, antes de retornar ao Brasil.

Nesse dia eu voei de La Paz para Iquique… Sacaram???????????????? Sacaram????????? Não? Deixa eu tentar explicar melhor…

Eu saí disso……..

Para isso…….

Ok, não ficou claro… Então vamos lá de novo:

Saí disso…

E cheguei nisso!!!!!!!

Iquique

Quando chegamos em Iquique… Nossa, que alegria! Mal lembrava de como se parecia a civilização!

Deixamos nossa bagagem no aeroporto com a uma moça da Sky Airlines e pegamos um taxi até a cidade para passar o dia. Acidade é bem longe do aeroporto, então o taxi sai caro, mas não encontramos muitas opções ali…

A cidade é linda! Andamos pela praia, fomos até o famoso shopping Zofri, onde almoçamos (a Dé se esbaldava com sucos e salada, opções impensáveis na Bolívia), e depois caminhamos muito pela orla da cidade. Um espetáculo! No final da tarde voltamos para o aeroporto e rumamos para Calama.

 

Calama / San Pedro de Atacama

Em Calama, encontramos o pessoal do transfer Lincancabur e fomos para San Pedro. O nome da pousada que tinha anotado pelos relatos do Mochileiros, o cara nem conhecia, então falei a segunda opção: Hostal El Monte.

Pontos fracos do Hostel: Muito longe do centrinho. Tinha hora que dava uma preguiça de ir para lá, principalmente depois de alguns passeios mais cansativos…

Pontos fortes: Bem limpo; Os donos são muito gente fina e preparam o café da manhã e deixam em um saquinho para quem sai muito cedo. De todos os dias que estive lá, só um o passeio começava em um horário que dava para tomar café na pousada. Todos os outros começavam muito cedo e sorte que tínhamos essa regalia! Tem Wi Fi de graça. O preço é justo.

Peru, Bolívia e Chile – Parte 8

01/06/2009 – Dia 17 – Salar de Uyuni

De volta a Bolívia!!!

Sabíamos que o principal perrengue dessa viagem estava reservado para os próximos 4 dias e nesse aspecto, a Bolívia nunca decepciona! Perrengue é com eles! 😉

Pela Cordillera, estava tudo incluído, como taxas e entradas nos parques… Não tivemos que pagar mais um centavo dessas coisas… Gastamos mais com banheiros mesmo.

A comida também foi satisfatória, apesar das condições de higiene questionáveis que eram preparadas.

E as cagadas dos caras não era exclusividade dessa companhia, então acho que foi uma boa escolha a Cordillera Tour.

Tudo arrumado e lá vamos nós! A primeira parada é sem dúvida muito simbólica e mostra o que nos aguardava pela frente. A imigração boliviana. Eu não me canso dessa foto:

Lá houve a separação dos carros e demos sorte nesse momento… Nosso carro era muito mais legal que o outro… Nós 3 brasileiros e outros 3 franceses, sendo que um casal muito gente boa formamos um carro. O outro tinha só 5 pessoas, e um tédio louco! Eram 3 ingleses, uma francesa e um australiano que moravam na Inglaterra. O australiano e a francesa, que eram um casal, eram gente boa, principalmente o cara, mas acabavam ficando contagiado pelos ingleses… Tinha hora que passávamos por eles e parecia que estavam assistindo uma peça de teatro…

No nosso carro só som alto e o pessoal sempre empolgado fazendo e falando alguma coisa… Várias risadas nesse passeio! E sempre embalados pelos hits da Bolívia!

 

A primeira parada é para preencher um formulário e pagar a entrada nesse parque nacional por onde tínhamos que passar. Não tínhamos que desembolsar nada ali, pois já estava incluída. Aproveitamos para ir ao banheiro………….. Aí, mais história para contar!!! Hahaha!!!

Esse banheiro é interessante… Como todos por lá é pago, mas dá direito a um pedaço de papel higiênico!!!!!!!!!!!!!!! Bom, como ele mede a sua parte que é legal… Ele estica por cima da mesa onde está e mede o comprimento da mesa…… Perfeccionistas que são, para não ter erro, claro, ele passa aquela mão imunda que ele não deve lavar mais que uma vez por mês pelo papel para deixar bem esticadinho em cima da mesa!!!!!!!!!! E vai esticando!!!! Aí, não contente, ele vai dobrando ao meio e repetindo a passada de mão por todo o papel que ele te entrega………

Juro, na hora que eu vi eu achei que era brincadeira e ele iria me dar outro depois! Nojento!!!
Ainda bem que eu tinha o meu! 😉

 

As lagunas desse passeio são, sem dúvida nenhuma, partes principais de todo o tour… O Salar é coisa de outro mundo, mas sem as lagunas o passeio não seria nem de perto o mesmo.

Nossa primeira parada foi na Laguna Branca. Linda e curiosa! É branquinha mesmo!!!!! E era só o começo!

 

Então a Laguna Verde. Essa é sensacional! Aquela cor com o vulcão atrás… Difícil imaginar que estaríamos em um lugar como esse até o dia que embarcamos em uma viagem dessa!!!

 

Um problema… Ela ainda não estava no tom mais forte do verde… Isso vai acontecendo durante o dia de acordo com alguns fatores, como vento.

Tanto na Laguna Verde como na Laguna Colorada, o tour não passa nos melhores horários… Isso é ridículo! Eles tinham que dar um jeito para vermos esses lugares em sua plenitude… Mas…….. Sabemos como as coisas são por lá…

Uma pena.

Mesmo assim, não dá para reclamar, né?!

 

Então paramos no Deserto de Dali. Para alguém que nunca havia estado em um deserto até essa viagem, curti muito o lugar…

Aquilo tudo era deserto de verdade!!!!! Um lugar espetacular onde praticamente nada consegue sobreviver… Paisagens únicas e maravilhosas. Curti muito!

 

Depois paramos em umas termas. Os europeus sempre entravam nessas coisas! Os caras não sentem frio!!!! Eu, mais uma vez, perdi para ele! Fiquei só olhando!

 

Então fomos aos Geysers Sol de la Mañana. Muito legal o lugar e muito diferente dos outros geysers de San Pedro. Não deixem de ver um porque já vão ver o outro… Não tem nada a ver.

Aqui é uma espécie de atividade vulcânica… Pelo que entendi é uma boca de vulcão mesmo, com umas aberturas. O cara falou que existe o risco (mínimo) de alguma parte ceder e cairmos dentro daquele negócio.

Podemos andar por tudo lá e não me parece boa idéia entrar em contato com aquele treco (Não sei o que é… Lama? Lava? Sei lá) Tem duas cores… Uma mais cor de terra e outra mais cor de argila. Não sei o que é cada um…

 

Então fomos em direção ao alojamento da Laguna Colorada.

É possível avistar a Laguna Colorada, mas os caras não passam nem perto com o carro. Ela estava bem vermelha nesse horário, mas os caras inventam uma história que estava ventando muito e então não iriam até lá.

Já fiquei meio puto, pois essa laguna foi um dos principais motivos de minha viagem… Mas tudo bem… Sabia que veria com calma no outro dia…

Só não sabia que de manhã não é o melhor horário e ela ainda não estava com sua coloração completa…

Nossa, é revoltante isso… Na tarde anterior não fomos porque ventava muito, e na manhã nos contavam que não estava vermelhona porque ainda não tinha ventado muito… Bando de imbecis preguiçosos…
Não custava nada dar um pulo com a gente quando chegamos no alojamento… Ainda era 4 da tarde… Tinha tempo de sobra depois para fazer nada no alojamento, que era o que tinha para fazer lá…

Bom, nesse dia fiquei só com o gostinho de avistar de longe a laguna…

Comemos relativamente bem. Só que o frio veio para arrebentar! Fez -15 nessa noite… Passei muito mal de frio…

Cheguei a colocar todos os meus agasalhos juntos… Mesmo assim não melhorava… Foi bem ruim… Ficava andando de um lado para o outro para ver se ajudava um pouco… Fui melhorar só depois que consegui dormir.

A Débora dormiu com 2 sacos de dormir… Nem sei se adianta, mas ela não teve dúvida… Usou o dela e alugou outro lá!!!!!!!!!

Tem sacos de dormir para alugar lá… Não sei se tem para todo mundo… Até acho que não. Quando o cara nos ofereceu, já pegamos logo! Diferente da Débora, eu não havia levado saco de dormir… Ah, mas levei uma fronha de travesseiro para usar nos lugares todos… Estávamos em um deserto, indo para um deserto de sal… Roupa de cama lá deve ver água uma vez por semestre, se muito. Usei direto a fronha! Valeu muito tê-la levado!!!!!! Parece frescura, mas tinha cada lugar…

 

 

02/06/2009 – Dia 18 – Salar de Uyuni

 

Depois de um frio do cão como o da noite anterior, queria logo sair para a Laguna. O problema foi que demorou um pouco até os caras colocarem o carro para funcionar… O frio arrebenta até o carro.
Tinha um galão de água dentro do carro que amanheceu uma grande pedra de gelo.

A Laguna Colorada, mesmo em horários menos propícios, é sensacional… Queria ficar a manhã inteira ali. A nascente, perto das margens é quente, mas no meio estava toda congelada. Poucos Flamingos ainda estavam por ali, mas suficientes para deixarem aquele lugar mais espetacular ainda.

       

 

Poucas palavras descrevem esse lugar.

Depois de muito tempo andando por ali, já na hora de ir embora, achei um ovo de Flamingo… Tadinho, estava congelado! Uma pena.

 

Aí paramos no Arbol de Piedra. Muito legal o lugar! Mas estava lotado! Não sabia de onde vinha tanta gente… Estávamos no meio do nada!!!!

Nesses lugares essas antas chegam no horário de pico…….

Ótimas fotos, apesar de ter que entrar na fila para algumas… Tinha um pessoalzinho bem sem noção lá.

 

Depois uma sequencia de 4 lagunas, não tão belas quanto as anteriores, mas certamente com sua beleza. São as lagunas Chiarkota, Honda, Hedionda e Cañapa.

 

Almoçamos em uma delas, mas não me lembro qual.

Nesse dia eu fiz a besteira de ir dar uma olhada nos caras preparando a salada… Foi uma pena que eu não estava com minha máquina na hora… Seria uma foto daquelas de exposição sobre “fome” ou “3o. mundo”… Hahahaha!

Sério, dava para ver um pouquinho, mas bem pouquinho, da unha do cidadão no meio da graxa, terra e todo o tipo de sujeiras ali reunidas… Foi engraçado até… Fiquei falando pro pessoal no meio do almoço para olharem para a unha do cara e imaginar ele cortando o tomate e o pepino que estávamos comendo!!!!!

Depois ficamos interagindo com uma biscatcha que morava ali e se juntou a nós durante o almoço!

 

Que coisa mais linda!

 

 

 

O caminho é fora de série…

 

Chegamos então ao Hotel de Sal. Era bem desanimadora a imagem dele por fora, mas por dentro era bem legal! Um dos motivos de escolher a Cordillera era porque eles tinham essa noite no hotel de sal. Pô, quando teria outra oportunidade de ficar em um lugar assim. Não poderia perder essa chance! E valeu!!!

Por fora…

 

Por dentro…

Acorda Evandro!!!!!

 

 

Lá tinha banheiro com chuveiro de água quente. Um só, mas tudo bem! Era disso que precisava! Um banho quente!

 

Nesse hotel os caras cobram para carregar as baterias da máquina. Acho que era $ 5,00. Não tem tomada nos quartos. Achei o cúmulo isso. Eles sabem que vínhamos de um dia inteiro sem tomadas e no dia seguinte alcançaríamos o salar e ninguém quer ficar sem bateria nesse dia.

 

Eu ainda tinha um pouco e me recusei a carregar lá… Bando…

 

 

03/06/2009 – Dia 19 – Salar de Uyuni

 

Nesse dia alcançaríamos o Salar de Uyuni. Estávamos muito ansiosos por isso, mas o dia começou com uma noticia nada animadora. Manifestantes bloquearam as entradas do Salar e da cidade de Uyuni. O Pablo, nosso motorista, conhecia bem a região e disse então que pegaria alguns caminhos alternativos para tentar entrar no Salar. Achamos ótima essa ideia e partimos para lá. Foi meio tenso o caminho.
O Pablo estava nitidamente desconfortável com aquela situação. Mas depois de inúmeros solavancos por caminhos que só ele via, entramos no Salar. Aí foi só alegria!!!!

 

Slalar!!!

 

Pena que teve alegria até de mais… O Javier, motorista do outro carro, ficou a noite inteira na balada e voltou breaco da noite anterior. Para evitar a ressaca, ele continuou bebendo esse dia inteiro… Foi foda… Sorte que não tem muito no que bater lá, mas capotar aquele carro, que já era penso para o lado direiro, não custava muito.
Em toda parada o cara ficava dando voltinhas com o carro antes de deixar o pessoal descer! Uma hora, não sei como, perdemos o cara no meio do deserto… Não sei explicar como isso acontece em um lugar todo aberto como esse, mas aconteceu. Rodamos um monte até avistar o carro dele.
Em uma outra parada os dois pegaram o carro e foram para longe de nós ter uma conversa… Sei lá o que pode ter saído dali…

Essa é a evidência da reunião reservada que tiveram!!!!

 

Esse é o carro pendendo para a direita!!!

 

Mesmo assim, o idiota do Javier foi parar em uma ilha que não era a ilha principal do deserto. O próprio Pablo nos disse que não era essa ilha. Mas paramos ali, o manguacero nos apresentou a ilha como se fosse a Ilha do Pescado (acho que é esse o nome da ilha principal que deveríamos estar) e ficou por isso mesmo.
Essa ilha era bem legal. Vi fotos da outra ilha e achei que a única diferença era que na outra ilha havia mais cactos. Mas não acho que deixou muito a desejar em relação a outra… Tinha cada cacto imenso lá…

Repare que eu estou nessa foto acima…

 

Todo o pessoal

O Evandro refletindo sobre a vida!

 

Aí mais uma parada no Salar. Mais muitas fotos de tudo quanto é jeito que se possa imagnar!!! O lugar é mágico!

 

Então a parada no hotel de sal que fica no meio do Salar. Esse hotel está desativado e funciona como museu.

 

Ficamos um tempo lá e saímos já em direção a Uyuni. Pena que isso não durou nem 5 minutos. O nosso caro ficou sem gasolina… Estávamos sem gasolina no meio do nada! Não dava para acreditar… Bom, depois de ficar caçando aquele imbecil no Salar, estranho seria se não acabasse. Imaginar que eles calculavam a gasolina com alguma margem de segurança obviamente é pedir muito.

Lá vão os caras para o hotel de sal ver se arrumavam alguma coisa… Ainda bem que conseguiram…
Olha que habilidade no manuseio de combustíveis!

 

Quando estávamos chegando em Uyuni, veio a pior parte… A entrada da cidade estava completamente bloqueada pelos manifestantes…
Pablo então teve uma ideia genial para furar o bloqueio… Desviar pelo meio do deserto… Essa ideia não durou nem 100 metros. O animal atolou aquele 4X4.

 

Tentou sair em vão. E no meio daquela bagunça, os manifestantes vieram que nem uns loucos para cima do carro atolado e foi uma confusão bem grande… Estávamos cercado por eles e estavam muito putos! Ficaram reclamando, discutindo o que fariam… Que horror… Aquilo sim é uma terra de ninguém.

 

No começo sim, mas depois não me senti ameaçado fisicamente, mas todos estavam bem receosos em relação a nossas coisas…

Uma hora saímos do carro e minutos depois chegou uma galera e invadiu o carro… Ficamos um olhando para a cara do outro… Ferrou tudo!

Eles estavam na verdade putos com o motorista… No meio da conversa vimos uma mulher que resolveu aplicar uma multa neles… Assim do nada ela me veio com um valor… Acho que eram $ 400. Foi ridícula a situação… Aquela mulher não sabia nem fazer conta, mas já de imediato estipulou uma multa… Inacreditável. O Pablo e o Javier ainda ficavam tentando negociar esse valor da multa… Patético.

As mulheres ficavam o tempo todo pondo lenha na fogueira… Os caras tentavam conversar mais na boa com os 2, mas as mulheres tentavam de tudo para piorar a situação de todos.

Bem, no final nos deixaram entrar na cidade a pé com aquela porrada de malas que tínhamos… Nada muito longo o trajeto, mas com aquele monte de mala foi meio chato.

Só depois descobrimos que a manifestação já durava 4 dias e tinham turistas presos naquela cidade há 4 dias…………………………………… 4 dias naquela cidade esquecida por Deus… PQP.

Sem contar que estava tudo fechado lá dentro da cidade por ordem dos manifestantes… E as pousadas lotadas… Chegava gente, mas ninguém saia!

As agências tinham obrigação de nos avisar disso lá em San Pedro… Mas claro que estavam pouco se lixando para nós…
Óbvio que não teria ido sabendo que corria risco de ficar preso lá… Teria acabado com minha viagem isso.

Somente eu, a Débora e o Evandro voltaríamos para San Pedro. O resto do pessoal seguiria viagem de lá. Então a obrigação da Cordillera com eles acabava ali. Conosco era diferente. Então chamaram o dono da Cordillera que foi falar com a gente.
Meu, o cara não tinha quase nenhum dente na boca e demorei um bom tempo para identificar que o idioma que ele falava era o espanhol…
Já vi tudo………..

Bom, o cara explicou que o prefeito ou governador daquele buraco iria lá naquela noite para negociar com os manifestantes, mas que de qualquer forma poderiam tentar sair de madrugada para retornar a San Pedro, mas só saberíamos disso mais a noite. Então lembramos ele que ainda tínhamos mais uma noite e uma refeição inclusa em nosso pacote. O cara pegou um quarto para nós em uma pousadinha e nos deu $ 50,00 para jantarmos. Assim ele quitava suas obrigações.

Fomos jantar então um pouco cedo, pois teríamos que estar de volta no quarto quando ele fosse nos procurar para dizer o que iria rolar.
Esses $ 50 não deram nem para metade da pizza que comemos. Fomos em um restaurante que estava com as portas fechadas e dentro só crianças atendendo… Foi bem estranho!

O engraçado foi que uma menina entrou com um pessoal, viu o cardápio e acabou saindo… Na saída tinha esse quadro:

 

A mina leu em voz alta para o pessoal e soltou uma gargalhada que eu não consegui me segurar e rachei de dar risada!!!!

“Ah, que linda La Paz…. hahahahahahahahahahaha”. E saiu do restaurante!

Foi o ponto alto daquela noite!

Na volta para o hotel vimos o aglomerado de gente na praça da cidade escutando o tal governador…

Mais tarde em nosso quarto o dono da Cordillera foi lá e nos avisou que seria possível retornarmos na manhã seguinte e sairíamos às 3 da manhã… Graças a Deus!!!

No fim, isso tudo acabou sendo benéfico para nós, pois não dormimos naquele abrigo horroroso que ficaríamos e tivemos um chuveiro quente nessa noite.

 

 

 

04/06/2009 – Dia 20 – Salar de Uyuni / San Pedro de Atacama

 

Saímos no horário combinado… Apesar do sono, não consegui pregar o olho na viagem… Estava com um pouco de medo… O caminho era bizarro… Cada vez que cruzávamos um carro era treta… Fiquei com medo de verdade de um assalto ou alguma coisa pior… Ali era terra de ninguém… Lugar sem lei… Para nos pararem naquela estrada e acontecer algo de pior não custava nada…
E ainda uma hora o animal do nosso motorista me para no meio da estrada e desce do carro para dar uma olhadinha no carro, checar os pneus… Que merda…

Bom, depois que o dia clareou eu fiquei mais tranqüilo e o caminho também era bem melhor, apesar de igualmente isolado.

Daí por diante a tranqüilidade da viagem só foi perturbada pelo efeito da higiene gastronômica da Bolivia no meu organismo… Estávamos quase chegando ao local das termas que passamos na ida e lá poderia usar o banheiro… Mas infelizmente não deu!

A Dé acorda e olha para minha cara… Ela já na hora falou para o cara encostar… Acho que eu não conseguia nem falar mais naquela altura…

Bom, desci e sem maiores dificuldades fiz o que tinha que fazer…

Só que aí me passa uma van cheia de tiazinha bem do meu lado… Eu olho e vejo aquele monte de tia nas janelas me olhando naquela situação bem desfavorável………… Hahahahaha!!!!!
É…. É a vida!!!

Bom, seguimos viagem e 20 minutos depois paramos ali nas termas… Claro que as tiazinhas estavam todas lá!!!!!! Já desci e fui cumprimentando todas, pois já éramos bem íntimos aquela altura…

Como eu não era o único a sentir esses efeitos, o pessoal lucrou um bom dinheiro com o banheiro ali.

Só para não passar em branco… Foi o banheiro mais nojento que eu entrei em minha vida… Entrei lá e já queria voltar para a beira da estrada… Com tiazinhas e tudo…

Aquela entrada no parque onde ficam as Lagunas Verde e Branca nos davam um ticket que deveria ser apresentado na volta… Claro que eu perdi o meu e o da Débora… Eu sei que o motorista ficou um bom tempo trocando ideia com o cara que acabou nos deixando passar… Acho que foi mais porque éramos da Cordillera e eles sabiam que nem era responsabilidade nossa pagar essas entradas… Sabiam que já havíamos pago.
Mas foi vacilo meu!

Depois disso acho que foi tranqüilo… Imigração, café da manhã, imigração chilena, revista das malas, Hostal El Monte e cama!